‘Campeões nacionais’ do capitalismo burocrático

A- A A+

A onda de escândalos de corrupção e o aprofundamento da crise econômica, política, institucional e moral pela qual passa o velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro vêm revelando que entre os pivôs dessa situação estão grandes empresas e seus proprietários que nadaram em dinheiro público durante anos para ampliar seus negócios e assumiram o compromisso de sustentar o grande jogo sujo da política eleitoreira brasileira.

Eike Batista, “campeão nacional” de Lula, é preso por corrupção e crimes contra o mercado | Foto: Luciano Belford / Framephoto
Eike Batista, “campeão nacional” de Lula, é preso por corrupção e crimes contra o mercado | Foto: Luciano Belford / Framephoto

A chamada “política de campões nacionais” fez parte de um plano para sustentar o que ficou conhecido como “neodesenvolvimentismo” do período petista na gerência do velho Estado. Através do BNDES, Luiz Inácio e seu staff selecionaram empresas com capacidade de se tornarem grandes conglomerados nacionais e internacionais (leia-se empresas que, em troca de ajuda estatal para se tornarem monopólios, se comprometiam a irrigar campanhas eleitorais e encher bolsos de muita gente pelo caminho).

A partir de 2008, com o aprofundamento da crise geral da economia mundial, abriu-se a oportunidade de escancarar ainda mais os cofres públicos para beneficiar interesses privados, sob o manto de “geração de empregos”, “salvação da economia” e coisas do tipo. Além de empréstimos a essas empresas, o BNDES investiu em participação acionária.

Sinais da bancarrota, entretanto, não demoraram a aparecer, e hoje há um consenso de que essa política, como tantas outras do gênero no país, fracassou miseravelmente e ainda contribuiu para abrir as entranhas do sistema político/eleitoral brasileiro.

A política de “campeões nacionais” foi oficialmente encerrada em 2013. Os prejuízos se acumulam e as dívidas das empresas escalam a centenas de bilhões de reais. Sua derrocada, entretanto, mais que resultado de má gestão ou corrupção, é fruto da eterna pugna entre as frações da grande burguesia no país, da absoluta incapacidade dessa classe conduzí-lo a qualquer desenvolvimento independente e da sina do oportunismo eleitoreiro de se afiliar aos projetos semicoloniais com discurso nacionalista de araque.

Abaixo, alguns dos ex-campeões e que fim levaram:

LBR Lácteos

A LBR nasceu da fusão entre a Leitbom e a Bom Gosto (que tinha participação acionária do próprio BNDES). Destinada a ser a “Ambev dos leites”, a empresa recebeu R$ 700 milhões do BNDES para realizar a fusão, em 2010. Apenas dois anos depois, a LBR (detentora da marca Parmalat no Brasil), entrou em recuperação judicial e o resultado foi registrado como prejuízo no balanço do banco.

Oi

Em 2008, a gerência de Luiz Inácio forçou a mudança nas regras das telecomunicações do país para possibilitar a compra da Brasil Telecom pela Oi, negócio que envolveu R$ 6,8 bilhões do Banco do Brasil e do BNDES, além da participação de fundos de pensão, num negócio de R$ 12,5 bilhões.

Em 2013, a Oi comprou a Portugal Telecom por R$ 8,23 bilhões, numa transação cheia de tramoias, que acabou elevando a dívida da empresa.

O maior pedido de recuperação judicial do Brasil veio em junho de 2016. A Oi acumulava dívidas de R$ 65,4 bilhões e, na época, seu valor de mercado era avaliado em R$ 800 milhões (em 2012, chegou a R$ 21,3 bilhões).

A participação do BNDES na Oi é de quase 6%, sendo seu maior acionista individual.

Odebrecht

Segundo relatório do Tribunal de Contas da União, a Odebrecht recebeu 81,8% dos empréstimos do BNDES destinados a obras de infraestrutura fora do país. O montante chega a R$ 31,7 bilhões de 2007 a 2016.

Conhecida como empreiteira, a Odebrecht se expandiu como um polvo, criando subsidiárias nas áreas de petroquímica (Brasken), óleo e gás, agroindustrial, defesa e tecnologia, negócios imobiliários, transportes, indústria naval, água e esgoto e sabe-se lá o que mais.

tag:

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait