Palestinos reagem às agressões sionistas

A- A A+

Israel assassina ao menos seis e fere mais de mil palestinos

Uma onda de protestos diuturnos e uma ação armada estremeceram a Palestina nesta segunda quinzena de julho contra o fechamento do Domo da Rocha (local sagrado para os muçulmanos, onde fica a mesquita de Al-Aqsa) imposto pelo Estado de Israel, na Cidade Velha de Jerusalém.

Ammar Awad /ReutersTropas dispararam bombas contra palestinos em Jerusalém
Tropas dispararam bombas contra palestinos em Jerusalém

A agressão do Estado sionista ao fechar o Domo da Rocha no dia 14 despertou o sentimento nacional do povo palestino, que se lançou em massa em protestos de vários tipos.

Três jovens palestinos deram sua vida na ação armada contra os agentes da polícia sionista assim que o acesso à mesquita de Al-Aqsa foi fechado. Dois agentes foram aniquilados e um ficou ferido na entrada da Cidade Velha.

“A operação mostra que nosso povo está decidido a verter seu próprio sangue pela mesquita de Al-Aqsa”, exortou o Hamas por meio de seu porta-voz, Hazem Qasem.

Essa é a primeira ação armada naquela parte da cidade desde a Segunda Intifada (movimento de resistência e luta total contra o ocupante sionista) que se encerrou em 2005. Desde 2015, está em curso a Terceira Intifada.

A mesquita de Al-Aqsa é um local tradicional de orações para os árabes às sextas-feiras. A sua defesa intransigente pelos palestinos carrega um profundo sentimento nacional e de defesa da própria cultura. Por outro lado, há um permanente temor pelo Estado sionista de Israel de proibir a entrada de palestinos naquela região.

“Quanto mais força usarem os israelenses e mais medo impuserem, mais fortes serão os palestinos. Não vamos cansar!”, exclamou a jovem palestina Eiad Albial, no acesso à mesquita ao portal Palestina Libre. “É mais uma forma que eles usam para nos controlar!”, concluiu.

Em 16/07, diante das contundentes manifestações, o Estado sionista foi obrigado a reabrir a mesquita.

Cárcere contra palestinos

Assim que reabriu a mesquita, o Estado sionista de Israel instalou, após os vigorosos protestos, um arbitrário e ostensivo sistema de detectores de metais para revistar cada palestino que entrasse na Cidade Velha. Uma semana depois, com imensas rebeliões, foi obrigado a revogar seu ato.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A instalação do sistema revoltou as massas e foi considerado um desrespeito pelos líderes religiosos muçulmanos, que denunciaram como restrição ao direito de frequentar a mesquita de Al-Aqsa. As tropas sionistas, por outro lado, aplicam a mais bestial violência para submeter a nação palestina ao seu bel-prazer.

“Enquanto eles [tropas de ocupação sionista] permanecerem aqui haverá sempre a guerra, sempre os ataques; quando eles se forem haverá a paz”, declarou Efe Abeer, turista egípcia em visita à mesquita.

Em 21/07, três palestinos foram assassinados pelas forças israelenses durante protestos contra a instalação dos detectores. Os crimes ocorreram em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia.

A primeira vítima recebeu um tiro na cabeça, no bairro de Ras al-Amud, em Jerusalém Oriental; a segunda vítima foi morta no distrito de Al-Tur, também em Jerusalém Oriental; e a terceira foi assassinada na Cisjordânia.

No dia 23/07, mais de 20 palestinos foram feridos em confrontos em Jerusalém. Já na cidade de Qalqilya, na Cisjordânia, ao menos três palestinos foram feridos por disparos de soldados israelenses.

Houve também confrontos e protestos em Qalandiya, entre Jerusalém e Ramallah.

Segundo o exército sionista, nove membros do Hamas (organização que tem dirigido a Resistência nacional palestina) foram detidos na Cisjordânia em 22/07. Dois dias depois, tanques e blindados bombardearam de Tel Aviv  posições do Hamas na Faixa de Gaza.

Entidades democráticas denunciam que ao menos 1090 cidadãos palestinos foram feridos em 10 dias de protestos (de 14 a 24/07), dentre os quais 29 feridos por munições de guerra, 374 por balas de aço revestida com borracha, 471 por intoxicação com gás lacrimogêneo e ao menos 216 por golpes ou espancamento.

Exército assalta hospital e proíbe atendimentos

“São como cães famintos perseguindo a sua presa”, assim classificou Bassam Abu Libdeh (diretor-médico) a atitude do exército e da polícia sionistas que invadiram o hospital de Al Makassed (em Jerusalém Oriental) e aterrorizaram médicos e pacientes palestinos. Segundo denúncia da Anistia Internacional, os soldados ainda impediram ao menos duas vezes o tratamento de pessoas gravemente feridas entre nos dias 17 e 21/07.

Na citação, Libdeh se refere a um jovem de 19 anos gravemente ferido a quem foi impedido o atendimento pelos israelenses no dia 17. O jovem foi ferido por um disparo que atingiu a artéria e sangrava profundamente.

“Entraram com armas longas e granadas paralisantes, empurraram e apertaram a gente com agressividade. Procuravam um jovem ferido. Então começaram a andar pelo hospital perseguindo funcionários, enfermeiros, médicos e pacientes”, denunciou Abu Libdeh.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait