Editorial - A Nova Democracia 15 Anos

A- A A+

Era meados de 2002, em Copacabana, numa pequena sala e com um computador disputado por cinco pessoas, tinha início as atividades do Jornal A Nova Democracia.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Contrastando com o pequeno espaço ocupado, a extensa Linha Editorial lançava seu foco na luta anti-imperialista, despertando olhares para a revolução mundial e ao internacionalismo proletário.

A armação do 11 de setembro de 2001 alterara profundamente a relação entre o imperialismo e as nações oprimidas.

No plano nacional, mais uma faceta da crise econômica queimava os representantes das classes dominantes na escolha para o gerenciamento do Estado. Eis que o oportunismo se apresenta para salvar, com o seu gerenciamento, o Estado burguês latifundiário, serviçal do imperialismo: Luiz Inácio deixava de ser o “sapo barbudo”, na expressão de Brizola, para ser o “lulinha, paz e amor” na sua própria expressão.

Neste quadro o AND fazia uma análise crítica sobre o papel da imprensa dos monopólios: “Multiplicando infinitamente os recursos extraídos do arsenal de dominação, a onipresente e onipotente rede de comunicações do imperialismo cria uma espécie de produto único, distribuído num único circuito de agências ‘independentes’, com a pretensão de conceber uma sociedade purificada pela colonização mental, cozinhada na ficção e no vazio cultural. Acreditando ser capaz de ajustar as faculdades intelectuais das massas, e de estar desenvolvendo o poder de produzir alterações na sua consciência, a Nova Ordem Mundial imperialista cria o mundo à sua imagem e perfeição; trama informações pervertidas em forma de notícias mortas, despolitização perpétua, histórias assombrosas, ameaças e insultos ao povo; abole todas as informações sobre a Revolução e a Ciência; expulsa as massas trabalhadoras da literatura mais em conta (a dos jornais) e as lança à mercê das redes de TV”.

E ousava em restabelecer o papel da imprensa revolucionária: “É dever da imprensa democrática reunir em cada edição de suas publicações as provas cabais de que as massas trabalhadoras se agitam em todo o mundo pelo fim do sistema mundial de exploração do homem pelo homem e da opressão; podem e devem governar. As massas organizadas são verdadeiramente o setor mais avançado da sociedade, clamam por novos embates que evoluem para a luta política no seu plano superior: o poder verdadeiramente popular porque autenticamente democrático”.

Enquanto reacionários, oportunistas e revisionistas se engalfinhavam à busca de votos, com a finalidade de manter a velha ordem semicolonial e semifeudal, o AND surgia como uma trincheira para denunciar a farsa eleitoral e se firmar como uma imprensa para colocar em pauta o tema da Revolução Democrática.

Mantendo a sua independência, apoiado em seus leitores e apoiadores, em número cada vez crescente, o AND foi evoluindo de bimestral para mensal e logo quinzenal, seguindo a evolução da luta das massas camponesas, operárias e populares. Sem descurar do acompanhamento das guerras populares em andamento no Peru, Índia, Filipina e Turquia, das lutas de libertação nacional no Iraque, Afeganistão, na Síria e Palestina e das lutas do proletariado nos países imperialistas.

Chegamos aos 15 anos com a certeza de que só é possível servir ao povo mantendo a independência e a estreita vinculação com suas lutas, sob a base da linha de classe e anti-imperialista.

Agora com novo Portal procuramos colocar a tecnologia a serviço da Imprensa Popular e Democrática, sempre considerando que o homem é o principal e a técnica o complemento. Mirando as massas camponesas e operárias valorizamos a edição em papel com a qual seguiremos persistindo e utilizamos o meio virtual como complemento.

Finalmente queremos agradecer ao povo em luta, razão de nossa existência, e aos nossos leitores e apoiadores, garantia de nossa independência.

Viva a Imprensa Popular, Democrática e Revolucionária.

tag:

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait