Travessia poética pelos Vales

A- A A+

Milton Santiago descreve a vida e o povo do Vale do Jequitinhonha

Escritor, contador de histórias e poeta da terra, Milton Santiago descreve a vida e o povo do Vale do Jequitinhonha e do Alto Rio Parte, em Minas Gerais. Natural de Salinas, Milton explora as relações sociais e a relação das pessoas com a terra, dando evidência a sua região, ao seu povo, que vive entre grande riqueza cultural e a imensa pobreza e miséria marteladas pela colonização portuguesa e continuada e aprofundada pela atual condição semicolonial e semifeudal do país.

— A poesia sempre fez parte do meu universo criativo e segue como uma de minhas formas de expressão favoritas. Minha obra é narrada em prosa poética e poesia e fala sobre os Vales não só como espaço geográfico, mas principalmente como espaço filosófico, cultural e de memórias — explica Milton.

— Para representar minha ficção, parto da realidade dos Vales metaforizando a dor, a miséria e as consequências traumáticas das longas secas, que expulsam o homem dessas terras. Falo também do lado político e social dessa realidade, utilizo elementos que se aproximam do realismo fantástico fazendo uma literatura de cunho engajado histórica e socialmente — conta.

Milton quer com sua obra mostrar o verdadeiro Vale, que nada mais é do que pessoas.

— O Brasil tem a visão errada dos Vales, de que é uma região extremamente pobre e seca, e nós queremos corrigir essa visão externa, porque se tornou interna. Quer dizer, os moradores dos Vales já sinalizaram, incorporaram essa visão de si mesmos — fala.

— Provavelmente a nossa responsabilidade histórica é produzir uma imagem de nós, mesmos que seja diferente, criar uma ideia de um Vale que é diverso, complexo, e que tem muitos vales dentro de si próprio, como qualquer outro lugar. Aqui tem um povo sonhador, guerreiro e realizador — relata.

— Ho Chi Minh [1890-1969], revolucionário vietnamita, o [ex-]presidente do Vietnã, esteve preso e escreveu na prisão belíssimos poemas de amor, cheios de ternura, da mais fina ternura. E quando perguntaram como foi capaz de produzir essa obra em uma condição tão sofrida na prisão, respondeu: “Eu desvalorizei as paredes”. No fundo, acho que escrevemos para desvalorizar as paredes — expõe.

A artista plástica Elisiana Alves, que mora em Taiobeiras, Jequitinhonha, faz com ele a travessia pelos Vales.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— Todas as capas e ilustrações da minha obra são da Elisiana. As úlceras deixadas nas paisagens são exploradas pela escrita poética e a obra da Elisiana Alves, cujo lirismo funciona como bálsamo cicatrizante e cuja lucidez política serve para abrir os olhos do povo, numa tentativa de curar a cegueira reinante nos Vales e no Brasil — fala.

— Meus textos e a obra de Elisiana fundam uma semiose libertadora, cuja ação, por intermédio de representações oníricas, faz aflorar o imaginário cultural popular, censurado tanto no período colonial como nos governos das elites.  Temos consciência que nossa obra apresenta um grande vigor poético, textos com lirismo e dotada de profunda consciência social — continua.

Ficção, realidade e consciência política

— Meu primeiro livro é Miltonalidades, uma seleção de poemas. O segundo, Os Mil Tons da História, segue uma linha de pensamento que atravessa todas as minhas obras, que é a procura das identidades diversas e o perigo das histórias mal contadas. Sou de uma região que foi colonizada pelos europeus em ruptura com o passado do povo nativo, das suas tradições, memórias, cultura e histórias — diz Milton.

— Inventaram histórias para nós. Percebi que a minha história e a de muitos outros é o resultado de uma invenção dos europeus, aceita pelas elites deste estado e do Brasil, por exemplo, a de que somos uma região pobre demais, o que não é verdade. Somos diversos como qualquer outro lugar. O pior que os moradores incorporaram esta mensagem — expõe.

— Minha obra propõe romper com este pensamento. Procuro minha identidade familiar e isto coincide muito com a procura de identidade deste país. Os Vales foram, por muito tempo, representados no imaginário dos brasileiros como uma região pobre, mística, e essa imagem tem sido perpetuada não apenas na literatura e na mídia em geral, como também nos bancos escolares — continua.

Os Mil Tons da História, lançado em 2013, teve grande repercussão, sendo adaptada para o teatro. Neste mês de setembro Milton está lançando seu terceiro livro, A Menina e o Poeta.

Milton Santiago descreve a vida e o povo do Vale do Jequitinhonha

— Ele traz inovação poética com metáforas dos Vales, personagem popular, valorização das tradições da terra, crítica social e política, são muitas e marcantes as características da obra. A Menina e o Poeta deixa claro que os vales são um lugar de troca de experiências e culturas muito intensa — relata.

— A primeira parte do livro é uma história inspirada em uma experiência de sonho, o mote da obra é a aparição de uma garota na vida do poeta. Entretanto, o episódio se desenvolve como pano de fundo para iluminar tanto questões existenciais e sociais de Salinas e dos Vales — diz.

E no momento Milton está escrevendo sua quarta obra, A Vila Dos Contadores de Histórias.

— O livro pretende refletir sobre a representação literária da função social do velho na literatura dos Vales. Guardião da memória e da tradição, conserva o passado interligando-o ao presente, no que respeita à tradição dos conhecimentos aos pósteros e à contribuição que esta significa na formação identitária dos mais novos — fala.

— Temos aqui na Vila um exemplo de sociedade antiga ou primitiva, na qual se observa a transmissão de conhecimentos dos mais velhos aos mais novos. Percorrendo o passado encontro a valorização da memória para a constituição da história e da identidade de um povo — continua.

Milton mora em Salinas, Jequitinhonha, e além de escritor e poeta é também assistente social e radialista, em uma rádio local.

— Na rádio falo sobre minha obra dentro de um contexto regional a partir de Salinas. Falo muito das buscas das identidades diversas, mas também de uma particularidade salinense que é a Salinidade: a arte de fazer bem feito — conclui.

elisianaalves@hotmail.com é o contato do artista.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait