Carlos Drummond de Andrade - O poeta do tempo presente e dos homens presentes

A- A A+

Em 2017 completam-se 115 anos do nascimento do escritor Carlos Drummond de Andrade. Como forma de prestar uma singela homenagem a essa personalidade democrática recordaremos alguns dos seus escritos.

(Divulgação/ Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade)
Carlos Drummond de Andrade

Poeta do tempo presente

“Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida / Não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins / O tempo é a minha matéria, do tempo presente, os homens presentes / a vida presente”. É assim que o escritor “mineiro carioca” se define e se posiciona no campo artístico no poema Mãos dadas, do livro Sentimento do Mundo (1940). Um poeta do tempo e espaço presentes, que não busca se refugiar no “mundo das ideias” e que se posiciona frente aos problemas sociais do seu espaço-tempo.

Aliando humor e política

No livro póstumo O avesso das coisas (1988), o escritor utiliza-se do humor para construir uma espécie de dicionário, atribuindo significados diferentes para certas palavras, explorando os seus diferentes lados: “O capital expande-se à medida que se restringe a capacidade de usufruí-lo”; “Uma eleição é feita para corrigir o erro da eleição anterior, mesmo que o agrave”; “Na religião do Estado a penitência chama-se multa, e não há indulgência”; “Todos são iguais perante a lei, mas alguns são superiores a ela”; “O trabalho constitui ao mesmo tempo mais-valia e não-valia, conforme o ângulo de que o consideramos”.

Horror à guerra imperialista

O escritor — nascido em 31 de outubro de 1902, em Itabira (MG), e falecido em 17 de agosto de 1987 no Rio de Janeiro — foi funcionário público por grande parte de sua vida e expressou em sua obra o humanismo e o pacifismo comuns à pequena burguesia.

O autor se horrorizou com as notícias da guerra imperialista que se desenvolvia entre os anos de 1939 e 1945, principalmente na Europa e na Ásia. No poema Visão 1944, em A Rosa do Povo (1945), os olhos do poeta “são pequenos para ver o general com seu capote cinza escolhendo no mapa uma cidade que amanhã será pó e pus no arame”.

Apoio à Guerra pela Pátria

Em Carta a Stalingrado, contido no mesmo A Rosa do Povo, o horror da guerra entre as potências imperialistas contrasta com a heroica resistência do povo soviético, dirigido pelo Partido Comunista da União Soviética (PCUS), declarada em sua comoção e emoção.

Entre o poeta e os mortos há o oceano e os telegramas. Telegramas que eram frios, duros e sem conforto até o propagar pelos sete mares das notícias sobre a heroica resistência do povo soviético e, em especial, os comunistas, que protagonizavam prodigiosa luta contra o avanço das hordas nazistas. O poeta vibra com a resistência indômita em Stalingrado, onde mulheres e homens, crianças e idosos, combatiam entre as ruínas, lutavam por cada metro quadrado de espaço, com as faces cobertas de pó e pólvora, com um hálito selvagem de liberdade em suas bocas. Stalingrado, cidade-símbolo da resistência ao fascismo, onde o arquejo de vida era mais forte que o estouro das bombas e o medo da morte.

O poeta se entristece por não poder estar com os soviéticos na ofensiva contra os nazistas rumo a Berlim, então coração da besta fascista. “Como lutar, sem armas, penetrando com o russo em Berlim”, se pergunta o escritor em Com o russo em Berlim. Berlim, “cidade poderosa”, que “não cairá tão cedo. Colar de chamas forma-se a enlaçá-la, com o russo em Berlim”. Berlim, “uma cidade oculta em mil cidades, trabalhadores do mundo, reuni-vos para esmagá-la, vós que penetrais com o russo em Berlim”.

Repúdio à Guerra do Vietnã

Em Miní-miní, do livro Versiprosa (1967), a guerra de agressão ianque contra a nação e o povo vietnamitas é denunciada: “[...] o resíduo de Napalm / mais o grãozinho de arroz / Brotado no Vietnã / entre pedaços de corpos / E princípios em pedaços [...] Tua bomba vira pílula /Que é muito mais baratinha / E dispensa de matar / dispensando de nascer / mas sem dispensar a bomba / seja limpa, seja suja / que ao desperdício de chuva / causa a chuva radioativa”.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait