MG: Agitação contra Temer e a milicada

A- A A+

Trabalhadores realizaram uma agitação política denunciando os pacotaços antipovo do  gerenciamento Temer/PMDB e contra a milicada defensora do golpe militar-fascista. Na tarde de 6 de outubro, operários associados ao Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Belo Horizonte e Região (o Marreta), com apoio de ativistas de outras organizações populares, ocuparam a Praça Sete, no centro de Belo Horizonte, onde distribuíram o Manifesto lançado pelo Marreta com o título Fora Temer e sua quadrilha! Abaixo a milicada golpista e lambe-botas do USA!

Eduardo Magrão/AND

Trabalhadores e estudantes promovem vigorosa manifestação no Centro de Belo Horizonte

Com bandeiras, faixas e um carro de som, os ativistas receberam o apoio da população que passava pelo local e ouvia atenta às palavras de ordem em repúdio ao “podre e desmoralizado governo Temer e quadrilha” e ao “berreiro da milicada golpista por intervenção militar”. O Comitê de Apoio ao A Nova Democracia marcou presença e fez a divulgação do jornal para os trabalhadores.

Num determinado momento, um grupelho de “galinhas verdes” e apoiadores do Bolsonaro apareceu para provocar os ativistas populares, mas foram rechaçados e saíram correndo.

O manifesto expressou veemente repúdio ao governo Temer e às recentes declarações do general Hamilton Mourão. O manifesto também critica a posição do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, acerca da defesa de “segurança jurídica” para as tropas empregadas em invasões nas favelas e a jurisdição exclusiva do judiciário militar aos crimes cometidos por militares nessas operações.  A “milicada golpista e torturadora” é denunciada como guardiã da corrupção das classes dominantes; guardiã da exploração, injustiças e opressão e também serviçal guardiã do assalto às riquezas da nação e da espoliação do Brasil pelos Estados Unidos e seus comparsas.

A resistência contra o arrocho salarial durante o regime militar-fascista é destacada pelo Sindicato, especialmente a grande greve dos operários da construção de BH, em 1979, na qual se forjou o Marreta e quando o operário Orocílio Martins Gonçalves, herói da classe operária, foi assassinado pelas forças de repressão. “Os operários da construção não esquecem os crimes de torturas, assassinatos e ‘desaparecimentos’ perpetrados pelo regime militar e nem a repressão a justa luta dos camponeses pela terra, as intervenções em sindicatos, o assassinato de operários da CSN em Volta Redonda, entre outros crimes”, ressalta o Marreta.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Com conhecimento de causa, denunciam as grandes empreiteiras - Odebrecht, OAS, Andrade Gutierrez, Camargo Correia, Mendes Junior, entre outras - que foram “cevadas” durante o regime militar-fascista, gozando de relações privilegiadas para execução de obras faraônicas – como Transamazônica, Itaipu, Tucuruí, Angra, Ferrovia do Aço e Ponte Rio-Niterói – e consolidando no período o pagamento de propinas. Aponta também que “da cloaca do regime militar saiu a corja de políticos próceres da corrupção como Paulo Maluf, ACM, Delfim Neto, Abi-Ackel, Eliezer Batista, Simonsen, Andreazza, Sarney, Bob Fields etc. Saiu também da cloaca do regime, especialmente das tramas do general Golbery, a estratégia de transição gradual, reformulação partidária, projeção e impulsionamento da carreira do pelego-mor Lula”.

Questionando as articulações da milicada golpista e lambe-botas do Estados Unidos, o manifesto expõe: “que ‘reserva moral’ possuem esses degenerados que são a medula do genocida e corrupto Estado burguês-latifundiário, serviçal do imperialismo?”.

Ao final do documento, o Marreta conclama “ao justo protesto popular e a luta pelos direitos trabalhistas, direitos previdenciários, empregos decentes, o direito à terra, o direito à moradia, à saúde e educação, bem como o direito de organização e manifestação. Conclamamos a organização e deflagração da Greve Geral por tempo indeterminado por nossos direitos e contra esse sistema de superexploração e opressão”.

tag:

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait