Editorial - Um Estado em decomposição presidido por um cadáver político

A- A A+

O povo assiste estupefato ao espetáculo dantesco, fruto do alinhamento entre o Judiciário, o Executivo e o Legislativo da república bananeira para praticar a patifaria explícita.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os últimos acontecimentos na órbita dos três podres poderes do velho Estado só demonstram que o cadáver já passou da hora do enterro.

O acionar dos grupos de poder sobre o Judiciário para livrar Aécio Neves da cadeia produziu cenas dignas de uma chanchada, com ministros reinterpretando seus antigos entendimentos de maneira a dar voto diferente a casos idênticos, como foi o caso da prisão de Eduardo Cunha e Delcídio do Amaral. A sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) teve o seu gran finale com o titubeante voto de sua presidente, “nem contra nem a favor, muito antes pelo contrário”.

O fato concreto é que, graças ao poder que foi transmitido ao Senado pelo STF para julgar o malfeito de seus pares, Aécio, com o empenho de Temer, pode não só “curtir a noite”, mas também assumir seu mandato de senador, desfrutando a propina de dois milhões gentilmente paga por Joesley Batista.

No terreno das reinterpretações os ministros do STF não estão sós. A Sra. Raquel Dodge, Procuradora-Geral da República (PGR), analisando o processo que apura desvios na Caixa Econômica Federal e outras estatais - cujo Procurador-Geral anterior indicava ser Temer o chefe da quadrilha - resolveu reinterpretar o processo indicando que Geddel agia como se ele fosse o chefe da mesma. Em agradecimento, Temer retribuiu a Procuradora, no cargo há apenas um mês, com a medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico.

A prodigalidade de Temer não se restringe a medalhas, principalmente quando se trata de comprar mais um ano a frente do gerenciamento do decrépito Estado e, para tanto, ele insiste em pedir o dobre dos sinos. Entregou terras públicas a latifundiários, parcelou suas dívidas com a Previdência, modificou a tipificação de trabalho escravo, anistiou 60% de suas multas ambientais, entre outros regalos.

Na manhã da votação da segunda denúncia, sob a chantagem de sua base aliada (porém desconfiada), sancionou a lei que permite o refinanciamento da dívida dos tubarões com o Estado, cancelando juros e multas, do jeitinho que a canalha cobrou. Afinal, a canalha se entende, ainda mais em almoços e jantares com direito a convescotes individuais à moda máfia siciliana.

Segundo o portal UOL, os gastos entre renúncia fiscal, dispensa de multas e juros, emendas parlamentares e outros carinhos a banqueiros, latifundiários e a grandes burgueses estão calculados em cerca de R$ 32 bilhões, podendo chegar a R$ 36 bilhões.

A grande exposição da corrupção oficial pelos monopólios de imprensa contribuiu de forma tal para naturalizar a perdulária movimentação do gangster gerente, este cujo as pessoas já perderam a conta da bandalheira e não creem mais em uma solução por meio das instituições desse Estado em decomposição.

Enquanto a caravana da bandidagem institucionalizada passa, o canil do oportunismo se agita em manifestações e discursos “para inglês ver”. Afinal, precisam justificar o salário do lugarzinho rendoso que ocupam.

Ao alertar as massas que nem a farsa eleitoral (incluídas todas as siglas fantoches do Partido Único), nem a intervenção militar (prometida por milicos saudosistas do regime militar-fascista) têm saída para o Brasil, os revolucionários devem desdobrar-se na atividade de mobilização e politização das massas do campo e da cidade. Eles devem dotá-las de formas de organização e métodos de luta que sirvam a liberar suas energias revolucionárias para unificar os milhares de protestos e lutas espalhadas país afora, desatar a revolta que ora se encontra represada nos corações e nas mentes da maioria do povo brasileiro, repelir com toda força as brutais ações repressivas do velho Estado e desatar a rebelião popular.

Urge elevar a novos níveis a propaganda e a agitação revolucionária em torno da única saída para esta profunda crise política, econômica, social, ética, moral e militar: A Revolução Democrática, Agrária e Anti-mperialista.

tag:

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait