Uerj: As conquistas da ocupação do bandejão

A- A A+

A ocupação do bandejão da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), iniciada no dia 26 de setembro, teve seu fim no dia 31/10 quando, após quase dois meses de intensa luta em defesa da universidade, conquistou importantes vitórias econômicas e políticas, como o compromisso do reitor em reativar o restaurante e uma elevação da mobilização estudantil.

Rodrigo Duarte Baptista
A ocupação foi um ambiente de intensa mobilização, organização e politização na comunidade universitária
A ocupação foi um ambiente de intensa mobilização, organização e politização na comunidade universitária

Além de garantir a alimentação da comunidade acadêmica, a ocupação do bandejão foi capaz de mobilizar, organizar e politizar estudantes, professores e funcionários unidos pela educação pública. Entretanto, o papel da ocupação não se restringiu somente aos muros da universidade. Através de panfletagens, manifestações e mobilizações os estudantes colocaram o restaurante universitário também a serviço da população pobre que mora no entorno da Uerj, especialmente os jovens da favela da Mangueira, criando força e unidade entre a comunidade acadêmica e a população.

Os estudantes mostraram na prática que foi possível dar funcionalidade, irradiação de mobilização e luta em um espaço que estava há mais de um ano sem funcionamento. Em depoimentos ao jornal A Nova Democracia, estudantes de vários cursos declararam que  somente passaram a frequentar  o restaurante universitário depois da ocupação.

Do ponto de vista político, a ocupação obteve saldos qualitativos, cumprindo importante papel ao apontar o caminho de luta, um caminho independente e combativo, pois a universidade encontrava-se desmobilizada e com acúmulos de lutas que não tiveram resultados efetivos. Os estudantes alteraram esse quadro realizando atividades político-culturais, aulas públicas, debates, assembleias e reuniões, passagens em turmas, arrecadação de recursos e realização de manifestações contra o desmonte do ensino superior público. Inclusive alunos de cursos que não possuíam o hábito de mobilizar-se politicamente, como geologia, matemática e oceanografia, passaram a somar na luta em defesa da universidade, contribuindo de todas as formas.

Em seu sentido prático e econômico, a pressão dos estudantes - que também organizaram atos em frente à reitoria - garantiu que o reitor assinasse uma carta se comprometendo não só a reabrir o restaurante universitário do campus do Maracanã, mas também a elaborar uma política de alimentação nos outros campi da Uerj (onde hoje não existe esse tipo de assistência). No dia 31/10 foi assinado o contrato com a empresa que ganhou a licitação para administrar o bandejão que, segundo previsão, deve voltar a funcionar no final de novembro.

A ocupação do bandejão da Uerj, organizada por estudantes independentes, difere das mobilizações dirigidas pelo oportunismo eleitoreiro, em especial as dirigidas pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) composto majoritariamente por quadros do PT/Pecêdobê e da União Nacional dos Estudantes (UNE). Um manifesto divulgado pelo Ocupa bandejão Uerj afirma que essas entidades e partidos eleitoreiros “têm servido como camisa de força do movimento estudantil quando as mobilizações alcançavam proporções radicalizadas”, ressaltando ainda que “o método de luta eficaz para barrar o desmonte do ensino público e sua privatização é ocupar as universidades e transformá-las em trincheiras de resistência, opondo-se ao método de ocupação enquanto colônia de férias, sem conquistas efetivas”.

Apoio popular

A ocupação do restaurante universitário repercutiu em diversos estados brasileiros, contando com publicações de notas de apoio emitidas por variadas organizações estudantis e democráticas em defesa da justa luta dos universitários, além de receber apoio de estudantes de diversos cursos da própria Uerj, dos professores, técnicos e terceirizados, da população do estado, intelectuais tanto brasileiros como estrangeiros, estudantes de outras universidades no Rio  de Janeiro etc..

— Colocar o bandejão para funcionar foi incrivelmente perfeito do ponto de vista político e prático. Foi simbólico e funcional. Essa ocupação serviu de inspiração para outros estudantes! - declarou a estudante de biblioteconomia da Unirio, Luz Zanazi, ao AND.

No mesmo dia em que encerrou-se a vitoriosa ocupação, estudantes, cotistas e funcionários da Uerj realizaram um ato em defesa do ensino público fechando as principais vias de acesso à universidade. A equipe do jornal A Nova Democracia esteve presente e observou o crescente apoio popular em defesa da educação pública. O povo aderia à manifestação à medida em que ela avançava.

tag:

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait