CE: 5ª Marcha da Periferia exige justiça para Chacina de Messejana

A- A A+

Em sua edição nº 163, na segunda quinzena de dezembro de 2015, o jornal A Nova Democracia denunciava o crime contra o povo ocorrido na madrugada do dia 11 para 12 de novembro daquele ano em Fortaleza, capital do Ceará, que ficou conhecido como a Chacina de Messejana, distrito localizado na zona sudeste da cidade.

Ato no Centro de Fortaleza exige justiça aos jovens assassinados na chacina em 2015, 11/11g
Ato no Centro de Fortaleza exige justiça aos jovens assassinados na chacina em 2015, 11/11

“Em um período de aproximadamente três horas e meia, 11 pessoas foram assassinadas durante uma madrugada de novembro. Nove dos onze assassinados tinham entre 16 e 19 anos [...].

Segundo depoimentos de familiares, policiais militares fardados invadiram suas casas, arrastaram as vítimas e as mataram a tiros. A possível motivação do crime é o assassinato do soldado Valterberg Chaves Serpa, 32 anos, ocorrido no mesmo dia da chacina. No entanto, nenhum dos mortos tinha antecedentes criminais graves”.

Foram assassinados Antônio Alisson Inácio Cardoso (17 anos), Jardel Lima dos Santos (17), Álef Sousa Cavalcante (17), Marcelo da Silva Mendes (17), Patrício João Pinho Leite (16), Jandson Alexandre de Sousa (19), Pedro Alcântara Barroso (18), Marcelo da Silva Pereira (17), Renayson Girão da Silva (17), Francisco Enildo Pereira Chagas (41) e Valmir Ferreira da Conceição (37).

Ao todo, 45 membros da Polícia Militar do Ceará foram denunciados, sendo que 44 tiveram a denúncia aceita e a prisão provisória decretada para instrução. 34 deles irão para o julgamento do júri popular e todos respondem em liberdade.

‘Não esquecemos!’

Passados dois anos deste triste episódio para o povo pobre da capital cearense, no dia 11 de novembro, familiares e amigos das vítimas da Chacina de Messejana, além de organizações populares, associações, coletivos e grupos de mães de vítimas de violência policial do Ceará e de outras partes do Brasil se reuniram na 5ª Marcha da Periferia - Por Memória e Justiça, realizada na Avenida Beira-Mar. Durante os dias que precederam a Marcha, desde o início de novembro, inúmeras atividades já haviam sido realizadas.

Na convocação, os organizadores apontaram que “Fortaleza se destaca como a capital mais violenta do País” e “a décima segunda mais violenta do mundo”, além de ter se transformado num “campo de extermínio de negros”.

E denunciam: “Como resposta, as autoridades oferecem a repressão. Temer e seu governo golpista permanecem no poder atacando, um a um, nossos direitos sociais. O governador Camilo Santana (PT) através do Projeto Ceará Pacífico busca promover um pacto na sociedade pela paz. Enquanto isso, se orgulha de ter espalhado pelo Estado sua polícia ostensiva – o RAIO – que massacra cotidianamente a juventude negra”.

Segundo relatos enviados ao AND por participantes do protesto, o objetivo dele foi exigir justiça para o crime que configurou-se na maior chacina do estado do Ceará, exigir punição aos responsáveis, para denunciar a conivência do velho Estado com os grupos de extermínio e, além disso, denunciar a política de extermínio contra a juventude pobre e negra.

Prossegue o extermínio do povo

Desde a Chacina de Messejana até os dias de hoje, a situação não se alterou, pelo contrário, piorou. A guerra civil reacionária desencadeada pelas classes dominantes do Brasil contra o povo pobre tem deixado marcas profundas na periferia de Fortaleza.

Para se ter uma ideia de a que ponto chegou a violência do velho Estado contra as massas, somente no primeiro semestre de 2017, a capital cearense registrou o assassinato de um jovem por dia. Um aumento de 71% em relação a 2016, sendo que 293 vítimas tinham entre 10 e 19 anos. Em todo o estado, foram 522 jovens assassinados de janeiro a setembro de 2017.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait