Crescendo como rabo de cavalo

A- A A+

Charge: Vini Oliveira/2017

A euforia da quadrilha do cadáver político insepulto Michel Temer sobre uma suposta recuperação da economia recebeu uma ducha de água fria com a divulgação pelo Banco Central do crescimento do PIB em 0,1%. O embusteiro Henrique Meirelles e seus apaniguados do mercado esperavam 0,3%. Mesmo assim, eles mantiveram a empáfia ao persistir na lorota de recuperação da economia quando os três resultados trimestrais deste ano mostraram, respectivamente, 1,3%, 0,7% e 0,1%. Como se vê, a economia está crescendo igual rabo de cavalo: para baixo.

Dourando a pílula

É por demais sabido que tais resultados foram forjados em cima de iniciativas como liberação de fundos do FGTS, exportações de automóveis e de commodities. Do ponto de vista da vida das pessoas, principalmente das mais pobres, o inferno se apresenta, por um lado, na forma do desemprego, subemprego e da violência desbragada dos aparelhos repressivos do velho Estado, e por outro, pelo vertiginoso crescimento da delinquência, no campo e na cidade, na falta e baixa qualidade dos serviços de saúde, educação, transporte, segurança e no crescente déficit habitacional. Nada bate com o baluartismo da escroqueria de Meirelles.

A alardeada redução da taxa de desemprego é forjada ao se incluir nos dados oficiais o trabalho informal e a contratação dentro da nova legislação trabalhista, na qual o trabalhador, seja temporário ou intermitente, terá o registro em carteira no valor do salário de fome.

Achaque à Previdência

O monopólio de imprensa, com seus economistas pagos para mentir descaradamente, abre seus veículos para previsões puramente especulativas, incrementando a chantagem, ao afirmarem que a retomada do crescimento econômico depende da “reforma da Previdência”, como meio de fazer o seu desejo se transformar em realidade. Daí o avanço que Meirelles quer praticar contra a Seguridade Social.

Meirelles e Temer focaram na Previdência com o objetivo de tirar dessa verdadeira mina de ouro os recursos para servir à banqueirada internacional. Na maior cara de pau, assaltaram o Tesouro para bancar uma milionária campanha - junto aos monopólios de imprensa - para iludir as pessoas, assacando inverdades contra os servidores públicos e sonegando informações sobre suas fontes de arrecadação. Tudo com o propósito de vender gato por lebre.

Em nota técnica de setembro de 2010, o Sindicato dos Auditores Fiscais (Sindifisco) revelou a composição da arrecadação da Previdência Social: “Detalhadamente, as fontes de custeio para as despesas da seguridade social são as seguintes:

• Contribuições dos empregadores e trabalhadores para a Seguridade Social – INSS, incidente sobre a folha de salários;

 • Contribuição para o financiamento da Seguridade Social (COFINS), incidente sobre a receita e o faturamento das empresas;

 • Contribuição Social Sobre o Lucro das Pessoas Jurídicas (CSLL), incidente sobre o lucro das empresas;

• Receitas de concursos de prognósticos;

• do importador de bens ou serviços do exterior”.

Tanto o Sindifisco quanto a própria CPI da Previdência na Câmara dos Deputados demonstraram a falsidade da tese sobre uma Previdência Social deficitária. Eles mostraram que o déficit é provocado pelo contingenciamento do orçamento, causados por favorecimentos por meio de renúncia fiscal e leniência com grandes devedores, entre outros.

Duas caras

Enquanto o monopólio de imprensa ganha rios de dinheiro para defender os propósitos de Temer e Meirelles sobre a fantasia da retomada do crescimento econômico, alguns de seus economistas “dão uma no cravo e outra na ferradura”, pois já visualizam a impossibilidade de tal retomada a curto ou médio prazo, como anunciado pela quadrilha.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Na edição de 7 de dezembro do jornal Folha de S. Paulo, o colunista Vinicius Torres Freire, referindo-se a que o povo não vê melhora na situação, afirma: “Além de lerda, quase parando, a recuperação é amarga para o povo miúdo”. E resume seu texto declarando que “a política da recuperação econômica vai muito além da medida do PIB. A coisa ainda está enrolada”.

Na mesma seção a colunista Laura Carvalho, fazendo uma comparação entre as três grandes recessões desde 1984 até 2017, escreveu o artigo intitulado Recuperação da economia será a mais lenta da história. Examinando os dados das duas recessões anteriores a colunista conclui que “Para que a recuperação fosse finalizada, como nas recessões de 1981-83 e 1989-92, em sete trimestres, a economia teria que crescer 6,6% em um ano”. Como se vê, bem distante dos 0,8% previstos para este ano.

Condição semicolonial

O Brasil não tem saída a curto prazo. Podemos afirmar que, se mantida sua condição semicolonial, não há fórmula que faça o país dar ao seu povo uma vida digna e próspera. É extremamente necessário desmascarar este capitalismo burocrático, lastreado na condição semicolonial e semifeudal, preparando a revolução que dê cabo à dominação do latifúndio, da grande burguesia (frações compradora e burocrática) e ponha por terra a subjugação nacional ao imperialismo, principalmente ianque.

Não é demais afirmar que só uma Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista, ininterrupta ao Socialismo, poderá construir o Brasil Novo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait