Editorial - O imperialismo cria distúrbios, mas a luta dos povos não para

A- A A+

Ao findar de mais um ano cabe-nos fazer um balanço da situação política internacional e nacional, acompanhando a marcha da história em seu desenvolvimento desigual, entre avanços e retrocessos, vitórias e derrotas, mas com a certeza de que, para o povo, não existe derrota definitiva.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Podemos afirmar que o ano de 2017, no plano internacional, teve como característica o incremento do processo de reacionarização do Estado impulsionado pelo imperialismo em todo o mundo. Processo em conformidade com as leis enunciadas por Lenin, como continuidade e desenvolvimento direto das leis do capital descobertas por Karl Marx, segundo as quais o imperialismo é o capitalismo em sua fase superior e particular, em que é capital monopolista, parasitário e em decomposição e agonizante, reação em toda linha.

Para manter a velha ordem de dominação, as burguesias imperialistas só podem fazê-lo por meiod da subjugação dos povos, aumentando cada vez mais a opressão para extrair a máxima taxa de mais-valia da força de trabalho, a energia e as matérias-primas a preços aviltados, além de assegurar às suas corporações os mercados cativos para suas mercadorias. Para tanto, incrementam a guerra de rapina sobre nações inteiras e promovem nova repartilha do mundo entre suas superpotências e potências.

O mundo está em guerra, uma guerra levada pelo imperialismo ao território das colônias e semicolônias, principalmente na área conhecida como Oriente Médio Ampliado, focado principalmente na Síria, Iraque, Afeganistão, Irã, Iêmen, Palestina e com provocações no Extremo Oriente, como é o caso da Coreia do Norte. Também na África, tanto no Norte quanto na zona subsaariana. Na América Latina, o imperialismo lança as Forças Armadas e de repressão dos Estados fantoches numa guerra reacionária, guerra de extermínio contra o povo pobre.

Todos estes distúrbios, entretanto, não ficaram sem violenta resposta. As resistências nacionais, cada uma segundo suas limitações ideológicas, impuseram pesadas baixas ao imperialismo, ao mesmo tempo que trouxeram a guerra para dentro de suas próprias casas.

As aparentes trapalhadas de Trump servem para mascarar a tentativa do USA, como superpotência hegemônica única, de submeter por completo a Rússia, superpotência atômica, e, assim, abrir caminho para um domínio total no mundo. Para tanto, exige-se pôr sob seu controle absoluto o Oriente Médio. Esta ilusão que Trump vendeu à sua base eleitoral, como é unilateral, subestima a resistência dos povos oprimidos e, principalmente, a nova onda de revoluções que se levanta sob a bandeira do marxismo-leninismo-maoismo, com as Guerras Populares no Peru, na Índia, nas Filipinas e Turquia, demonstrando ser o caminho mais avançado e inconciliável com a dominação imperialista, pois que é produto da direção da classe mais revolucionária, o proletariado.

A situação revolucionária que se desenvolve de forma desigual em todo o mundo e, particularmente, na América Latina, tem deixado às claras o caráter semicolonial e semifeudal de seus países e seus caducos, corruptos e genocidas Estados, sejam sob direção de oportunistas como Luiz Inácio, Morales e Maduro ou de declarados reacionários do tipo Macri e Kuczynski, que mantiveram e mantêm seus países em situação de subjugação nacional ao imperialismo, principalmente ianque.

No Brasil, a bancarrota do oportunismo petista propiciou o ambiente para uma avassaladora investida do latifúndio e da grande burguesia, tanto a compradora quanto a burocrática, por meio de um “pau mandado” do imperialismo que, cavalgando um parlamento venal, avançou sobre os direitos dos trabalhadores e sobre as terras devolutas, os territórios indígenas e quilombolas.

Tais iniciativas só contribuíram para atiçar a ira dos trabalhadores que resistem de forma cada vez mais violenta, como foram os casos de Humaitá (AM) e Correntina (BA) que, embora ainda isoladas, deram início a uma nova onda de protestos populares que prosseguem com cortes de rodovias, avenidas, ruas e tomadas das terras do latifúndio.

Tudo indica que as provocações de Trump contra a Palestina e a Coreia do Norte, ao nível internacional, e as armações da quadrilha de Temer e Meirelles para tomar de assalto a Seguridade Social, no Brasil, serão material altamente inflamável para que 2018 se inicie sob o signo de belicoso protesto popular.

tag:

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait