Ritmo latino dançante

A- A A+

Criado pelo pianista Fernando Leitzke, o Candombaile é um evento dançante que traz para a cena musical carioca o candombe, o bolero, a música cubana e de outros países latino-americanos, misturado a música brasileira, principalmente o choro. Natural de Pelotas, Rio Grande do Sul, Fernando vive no Rio de Janeiro com o objetivo de estudar melhor os ritmos brasileiros, e relembra o repertório dos antigos candombailes uruguaios, e outros ritmos que marcaram sua infância.

Fernando Leitzke

— O projeto candombaile nasceu a partir da gravação de uma música do meu primeiro disco: um candombe chamado “Sargento borracho”, que teve a participação dos integrantes do candombaile. E eu já tinha o desejo de fazer um baile com músicas que não fossem tão conhecidas do público em geral do Rio de Janeiro, como candombes uruguaios e boleros antigos – conta Fernando.

— O nosso objetivo é justamente mostrar que a música atravessa essas fronteiras latinas, que nós estamos muito conectados. O uruguaio Fabricio Reis, que é percussionista, sugeriu o nome para o projeto – continua.

O candombe é uma dança típica sul-americana e tem uma importância muito grande na cultura do Uruguai. É um ritmo musical baseado nos tambores, atabaques, proveniente da África, que surgiu na América do Sul a partir da chegada dos escravos africanos. Inclusive no passado o termo candombe era usado para designar a dança que os escravos faziam, e não um ritmo.

O Candombaile que inspirou Fernando surgiu na cidade de Montevidéu, capital uruguaia, tendo como um dos pioneiros o músico Pedro Ferreira, na década de 1940. E para acompanhá-lo nessa ideia de relembrar e homenagear os antigos candombailes uruguaios, dando prioridade à qualidade musical, Fernando chamou: o clarinetista e saxofonista Rui Alvim, o contra-baixista Guto Wirtti, o trompetista Wander Nascimento, o flautista e saxofonista Eduardo Neves, o baterista Marcus Thadeu e o percussionista Fabricio Reis. 

E vários outros artistas já passaram pelo baile como convidados, entre eles: Carlos Prazeres, Bebe Kramer, Nina Wirtti, Luciano Maia, Nat Cohen, Gabriel Grossi, Helio Delmiro, Pedro Miranda, Marcelo Müller e Alba Canovas.

Temos sido muito bem recebidos pelo público: fizemos uma temporada longa no restaurante Sobrenatural, em Santa Teresa, e depois passamos pelo clube Fluminense e pelo bar Trapiche Gamboa, tudo no Rio de Janeiro. Somos itinerantes, a ideia agora para o mês de janeiro é começar a fazer o Candombaile em Paquetá – anuncia.

— Além de pianista profissional desde os 18 anos de idade, sou também compositor, inclusive no meu primeiro disco gravei cinco músicas de minha autoria, e sempre sigo compondo, agora em especial para o candombaile. Acho que meu gênero favorito é o bolero, mas gosto de compor sobre o que sinto, tenho um fado, um tango, e uns sambas-canção – expõe.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait