200 anos de Karl Marx

A- A A+

Bicentenário de um Gigante do Proletariado Mundial

Nascido em 1818 na cidade de Trevis, Alemanha, o genial pensador e dirigente do proletariado internacional Karl Heinrich Marx foi o fundador do comunismo científico, artífice da tática e da estratégia revolucionária do proletariado.

Karl Marx no seu escritório em 1875, pintura de Zhang Wun
Karl Marx no seu escritório em 1875, pintura de Zhang Wun

Sua obra rigorosamente científica demonstrou de modo irrefutável a inevitabilidade da substituição do capitalismo pelo comunismo, e que tal transformação seria obra do proletariado, guiado por seu partido revolucionário, que por meio da sua emancipação política (a conquista do Poder e estabelecimento da Ditadura do Proletariado como etapa de transição, o socialismo) conduziria à emancipação da Humanidade, à sociedade comunista.

Marx estabeleceu o materialismo dialético histórico, reconhecido por seu inseparável camarada de armas, Friedrich Engels, como marxismo. Sobre a luta pela direção desta ciência no movimento operário, o próprio Engels reconheceu a condição de chefatura de Marx. Teoria como a arma com a qual o proletariado organizado em seu destacamento de vanguarda poderá promover a “derrubada violenta de toda a ordem social existente” e edificar a sociedade sem classes, sem a exploração do homem pelo homem: o comunismo.

Assim, desde seus fundamentos, o marxismo afirmou a necessidade da organização do proletariado em um partido diferente de todos os que haviam surgido até então na história; a necessidade da violência revolucionária como o método para a revolução e da aliança com as demais classes oprimidas, tudo sob a direção absoluta desse partido revolucionário proletário.

Em 1844, Marx conheceu Friedrich Engels, de quem recebeu inestimável suporte para erigir sua monumental obra e a quem une esforços no trabalho conjunto que carrega o indelével selo internacionalista.

Foi assim que, afrontando todo o tipo de dificuldades, em meio à luta cerrada contra as diversas doutrinas do socialismo pequeno-burguês e não-proletário, Karl Marx e Friedrich Engels deram à luz a ciência do proletariado, teoria e a tática do socialismo proletáriorevolucionário.

É através do Manifesto do Partido Comunista, obra de Marx e Engels publicada em 1848, que o movimento comunista internacional recebeu sua certidão de nascimento. Júbilo para o proletariado internacional que, a partir deste momento, passou a contar com uma missão, um programa, meios e tarefas comuns definidas para enfrentar seus inimigos de classe. A partir de então uma consigna começou a correr cidades, planícies e mares: Proletários de todos os países, uni-vos! Voou sem ter asas e retumbou no continente europeu atravessando oceanos. Hoje, o timbre de seu eco é escutado firme e forte em todos os rincões do mundo.

A ideia fundamental e íntima concebida no Manifesto – de que o proletariado, classe explorada e oprimida, não pode emancipar-se da classe que o explora e oprime sem emancipar, ao mesmo tempo e para sempre, toda a sociedade da exploração, da opressão e da luta de classes – pertence única e exclusivamente a Marx, tal como afirmou Engels em 1883.

Esta ideologia científica é o marxismo, todo-poderosa porque verdadeira.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Nesta obra imortal, Marx e Engels expõem pela primeira vez de maneira sistematizada sua doutrina. Com clareza e precisão geniais apresentam a nova concepção do mundo, o materialismo consequente, que abrange também o domínio da vida social, a dialética apresentada como a ciência mais vasta e mais profunda da evolução, a teoria da luta de classes e do papel revolucionário, histórico, mundial do proletariado, criador de uma sociedade nova, a sociedade comunista.

Ao contrário do que querem fazer crer os historiadores burgueses e revisionistas, no intento de tirar sua essência revolucionária, além de teórico, Karl Marx teve uma prática revolucionária ativa correspondente com a ideologia científica que desenvolveu. Destacado militante e dirigente comunista, lançou-se nos movimentos revolucionários europeus de diversos países, enfrentando a perseguição política na França, Bélgica, Inglaterra e também em seu país de origem, Alemanha, onde foi detido e expulso em 1849.

Postando-se sempre e voluntariamente à frente, nos estudos e nos combates do proletariado, tomou parte da Liga dos Comunistas, sociedade secreta de propaganda, juntamente com Friedrich Engels, em 1847. Em 1864, foi fundador e dirigente da Associação Internacional dos Trabalhadores, a Primeira Internacional. Combateu tenazmente o oportunismo, o socialismo utópico e as correntes anarquistas que predicavam um “socialismo” não proletário.

Já em 1871, depois da inolvidável Comuna de Paris, com a qual o proletariado ousou pela primeira vez assaltar os céus e na qual muitos viram somente derrotas, a precisa análise de Marx extraiu valioso aprendizado para os futuros combates do proletariado e seu partido. Até então o proletariado que somente conhecia a burguesia na revolução, em meio a tão gloriosa epopeia, pode conhecê-la na reação e extrair lições preciosas para sua causa.

Desenvolvimento do marxismo

Assim, a ideologia científica do proletariado, em meio a fortes tormentas, provou sua amplitude e profundidade. Navegando sem poder ser contida, avançou e foi desenvolvida tal como seus próprios fundadores haviam indicado.

Karl Marx e Engels na gráfica do Neue Rheinische Zeitung (jornal publicado em Cologne na época da Revolução de 1848-1849). Pintura de E. Capiro.
Karl Marx e Engels na gráfica do Neue Rheinische Zeitung (jornal publicado em Cologne na época da Revolução de 1848-1849). Pintura de E. Capiro.

O grande Lenin, chefe do glorioso Partido Bolchevique, e ambos – chefatura e partido – na cabeça das massas mais profundas da Rússia, aplicaram de forma criadora as verdades universais do marxismo às condições da Rússia de 1917, alcançando a vitória da revolução proletária e elevando o marxismo a uma nova etapa, o leninismo. Defendido e aplicado na edificação do primeiro Estado socialista da história pelo camarada Stalin, até o ano de 1953.

Logo depois foi o Presidente Mao Tsetung, o grande Timoneiro, que como chefatura do Partido Comunista da China e da Revolução Chinesa, dirigiu o proletariado e o povo na senda revolucionária, alcançando outros dois grandes feitos da Revolução Proletária Mundial: a Revolução de Nova Democracia e Socialista e a Grande Revolução Cultural Proletária. Assim, em dura luta contra o revisionismo moderno, o Presidente Mao desenvolveu o marxismo em suas três partes constitutivas – filosofia marxista, economia política marxista e socialismo científico –, elevando-o a uma nova, terceira e superior etapa, devindo-se em marxismo-leninismo-maoismo.

Como parte das celebrações em honras ao bicentenário de Karl Marx, publicaremos nas páginas do AND uma série de artigos em defesa da obra deste que foi um dos maiores pensadores revolucionários da História da Humanidade.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait