75 anos de Stalingrado

A- A A+

Há 75 anos a Batalha de Stalingrado marcou a viragem definitiva do curso da 2ª Grande Guerra Mundial. Sob o comando do Marechal Stalin, as tropas do Exército Vermelho e o povo soviético derrotaram as hordas nazi-fascistas de Hitler na que foi uma das maiores batalhas de todas as guerras e que selou o destino de toda a humanidade, impedindo que o mundo caísse nas mãos da besta nazista.

http://anovademocracia.com.br/204/20.jpg

Ante o covarde e brutal ataque do imperialismo alemão, o povo de Stalingrado resistiu heroicamente. Sob a direção do Partido Comunista, com as armas que dispunham em mãos, o povo resistiu cavando trincheiras, túneis e dando mostras do quanto amava a pátria soviética e o sistema socialista.

Em honras à imortal Stalingrado, reproduzimos a seguir um trecho da adaptação de uma intervenção do Presidente Gonzalo, realizada no I Congresso do Partido Comunista do Peru (PCP), publicada no blog da Associação de Nova Democracia Nuevo Peru.

*

Em 2 de fevereiro de 1943 ocorreu a rendição oficial do Exército alemão - comandado pelo marechal Paulus - ante o Exército Vermelho.

Páginas heróicas! Stalingrado, a maior luta de guerra em cidades, de guerra nas ruas - aquela que gerou o maior número de mortes - foi travada não só casa por casa, mas também quarto por quarto. São capítulos que abalaram o mundo.

Aqui também viu-se claramente o jogo sujo e ardiloso dos aliados imperialistas Estados Unidos, Inglaterra - não fala-se da França, porque ela estava ocupada, e foi ocupada em apenas 18 dias. Ardilosos aliados imperialistas que adiaram o início da invasão da Europa pelo norte para atingir o coração da Alemanha, no intuito de que a Alemanha fascista derrotasse a URSS.

O que poderia fazer a Rússia diante de tal ataque? Aplicar, em seguida, uma defesa estratégica e é isso que foi feito - nós, como comunistas que dirigimos agora a guerra popular, entendemos o que é uma defesa estratégica - e isso foi feito, juntamente com a política de terra arrasada, para não deixar nada para eles, terra nua.

A ditadura do proletariado estava em jogo, a revolução estava em jogo. Não podemos parar em nós mesmos e não podemos simplesmente ficar presos, como diz o presidente Mao, pela defesa de centímetros de terra, nem de panelas. É assim que nós somos, comunistas.

Os fascistas atacaram os portões de Leningrado, às portas de Moscou e em Stalingrado. Porém, não se fez somente terra arrasada, mas guerrilheiros foram colocados e até homens com um bom rifle e uma boa quantidade de munição com sua vodka para o frio. E para aniquilar um destes, os alemães tiveram que perder 40 homens, e essa é a média, camaradas.

É bom reiterar sempre isso: Stalin, líder de guerra com habilidade e sabedoria, sempre tomou em consideração o elemento moral e fez desfilar todos os nazistas derrotados, entregou e jogou suas bandeiras, suas águias, suas suásticas ao pé do mausoléu de Lenin. Não só foi uma grande derrota militar, mas também uma grande derrota moral! A arrogância, e a soberba nazista haviam sido afundadas na lama e pisoteadas, foi o maior golpe moral que receberam! Aí iniciou-se a quebra do Exército nazista.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait