Declarações pelo Dia Internacional da Mulher Proletária

A- A A+

Mulheres exaltam a luta revolucionária pelo mundo

Várias organizações e movimentos revolucionários exaltaram, nessa primeira quinzena de março, o Dia Internacional da Mulher Proletária (8 de março) e a atuação das mulheres combatentes nas lutas revolucionárias pelo mundo. Essas declarações somam-se ao pronunciamento dos Comitês Vermelhos de Mulheres da Áustria e Alemanha (já noticiados em AND 205).

Frente de Defesa das Lutas do Povo - Equador
Celebração no Equador exalta camarada Norah e a fundadora do MFP no Brasil, Sandra Lima (foto: Frente de Defesa das Lutas do Povo - Equador)
Celebração no Equador exalta camarada Norah e a fundadora do MFP no Brasil, Sandra Lima

No Chile, a Frente de Estudantes Revolucionária e Popular (Ferp) também exaltou a data. Reafirmando seu caráter e origem classistas, o movimento estudantil ressalta seu compromisso por “desenvolver o Movimento Feminino Popular” no país.

“Se as revolucionárias não mobilizarem, politizarem e organizarem as mulheres, os oportunistas e as corporações do velho Estado o farão”, advertem. “Devemos brigar por dirigir o movimento feminino até a emancipação feminina, luta que o oportunismo e o revisionismo do feminismo burguês e pequeno-burguês estanca na farsa eleitoral ou protocolos burocráticos”.

Dem Volke Dienen
Revolucionárias alemãs (foto: Dem Volke Dienen)
Revolucionárias alemãs

No Brasil, o Movimento Feminino Popular (MFP) lançou um boletim destacando a luta revolucionária em marcha como guerra popular prolongada no Peru, Índia e Filipinas. Logo na capa, destacam-se unidades de guerrilheiras nos respectivos países.

Além de en fatizar o caráter de classe da data e a necessidade de aumentar o nível de politização das mulheres em torno da ideologia do proletariado, o MFP denuncia os preparativos para o golpe de Estado militar contrarrevolucionário, expresso na intervenção militar que tomou o controle do estado do Rio de Janeiro.

No México, as revolucionárias destacaram que “para nós, fica claro que a luta contra o patriarcado é principalmente uma luta contra o capitalismo burocrático, a semifeudalidade e o imperialismo”, pois, arrematam, “não haverá emancipação da mulher sem revolução proletária”.

Na Bolívia, o jornal Análisis y Opinión fez uma abordagem expondo a violência sistemática que as mulheres são alvo.

O jornal, no entanto, destaca que “uma posição revolucionária sobre esse assunto é diferente do feminismo burguês ou pequeno-burguês”, pois reconhece que a opressão sexual está intimamente ligada “com a exploração de classe”.

“O Dia Internacional da Mulher Proletária é, essencialmente, uma celebração comunista, um grito de luta contra a velha sociedade pela revolução e pelo comunismo.”, concluem.

Na Itália e em outros locais movimentos femininos revolucionários também emitiram comunicados exortando à luta revolucionária e, com isso, à emancipação da mulher proletária e das classes populares.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait