Educação pública e a guerra civil reacionária

A- A A+

Em uma guerra, além das operações militares, um Exército inimigo aplica contra seu oponente uma série de políticas com o objetivo de desbaratá-lo de toda estrutura que considera útil para vencê-lo.

Fotos: Ellan Lustosa

Hoje, em meio à guerra civil reacionária, o ataque contra a educação pública é, sem dúvidas, parte disso. Para aqueles que convivem sob a mira dos fuzis do velho Estado, é notável a “curiosa coincidência” de suas operações sempre ocorrerem em horários de entrada e saída nas escolas.

Se é verdade que a educação pública, como é hoje, não é nem de longe um “instrumento de libertação” como dizem alguns, também é verdadeiro dizer que privar o povo dela é ainda pior do que dar-lhe a mais frágil das educações públicas.

É uma política de Estado. As ações militares da guerra civil reacionária, hoje dirigidas pelas suas Forças Armadas, atingem em cheio a educação pública nas regiões conflagradas, onde estão os filhos do proletariado mais profundo. Aqui vão os dados:

a) Mais de 129 mil alunos de escolas e creches municipais ficaram sem aula por um ou mais dias por conta de confrontos armados. Tudo isso só no primeiro semestre de 2017. O número equivale a 20% do contingente matriculado na rede municipal do Rio de Janeiro1.

b) Em 65 dias letivos entre julho de 2016 e julho de 2017, apenas em seis deles não houve interrupção de aulas nas unidades por decorrência de confrontos ou operações de guerra da polícia2.

Dessa maneira, o velho estado, além de promover o mais bárbaro genocídio nas favelas, nega o direito à educação para um amplo contingente da juventude proletária e semiproletária.


Notas:

1 Retirado do estudo “Educação em alvo: os efeitos da violência armada nas salas de aula”, da Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e aplicativo Fogo Cruzado.

2 Pesquisa da Secretaria Municipal de Educação do RJ.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait