MA: Krenyê ocupam terras em Tuntum

A- A A+

Os krenyê ocuparam uma área de 8 mil hectares no dia 23 de fevereiro, no município de Tuntum, no Maranhão.

Ana Mendes
Rejeitando negligência do velho Estado, Krenyê retomaram terra
Rejeitando negligência do velho Estado, Krenyê retomaram terra

Cansados de serem confinados em exíguas extensões de terras em reservas ou nas periferias urbanas dos municípios de Barra do Corda, Buriticupu e Santa Inês, além da inoperância da Fundação Nacional do Índio (Funai), os krenyê resolveram ocupar a área onde a Funai deveria criar uma reserva indígena.

A área ocupada pertence ao grupo empresarial SC Agro Florestal, que manifestou interesse em vender a propriedade avaliada em R$ 14 milhões. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já vistoriou o local e liberou a compra das terras, mas a Funai ainda não liberou a verba para a sua aquisição.

“A Funai fez um compromisso e não cumpriu, se a gente tivesse esperando a gente teria morrido. Nós não precisamos de cesta básica. A gente precisa da terra. Esse pensamento de ocupar é porque a gente não suporta mais. São 80 anos de perambulação em outras comunidades, em outros territórios. A Funai sabe que a gente existe”, explicou a liderança Côr-teteto Krenyê em entrevista ao Cimi. E finalizou: “A gente já tá dentro da terra e não sai mais, só se matarem a gente. Esse é um direito nosso”.

“Precisamos sair destes lugares onde atualmente estamos para povoar uma área que possamos viver tradicionalmente como caçadores e coletores, partilhando coletivamente um lugar para o exercício das manifestações culturais e que garanta a segurança de tudo o que a gente precisa”, frisou Raimundo Krenyê em entrevista a mesma entidade.

A ocupação dos krenyê conta com a solidariedade de outros povos indígenas como os gamela e guajajara, camponeses, remanescentes quilombolas, quebradeiras de coco e pescadores.

Guajajara ocupam sede da Funai

Dezenas de guajajara ocuparam a sede da Funai, em Imperatriz do Maranhão, no dia 27 de fevereiro.

Os guajajara da Terra Indígena (TI) Arariboia denunciaram durante o protesto a exploração ilegal de madeira em seu território tradicional. Os indígenas também reivindicaram a realização de repasses de recursos para a educação, saúde e transporte pela Funai. As aldeias sofrem com problemas de infraestrutura como as péssimas condições das estradas, que geram acidentes e dificultam o acesso aos serviços básicos.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait