Araguaia, Presente!

A- A A+

Uma reflexão sobre a história das lutas e o fazer cinema

Banco de dados AND
Filme teve pré-estreia na sede do jornal A Nova Democracia, em março de 2018
Filme teve pré-estreia na sede do jornal A Nova Democracia, em março de 2018

Um dos momentos mais heroicos e dramáticos da história brasileira, a Guerrilha do Araguaia, deve chegar às telas este ano. O filme Araguaia, Presente! parte deste momento da história do país para fazer uma análise não apenas da luta armada travada na região amazônica, como também do processo histórico que culminou com o regime militar-fascista que se instalou no país após o golpe de 1964, e a resistência ao estado de sítio, com todos os seus acertos, erros e contradições.

Os realizadores do filme, o escritor, filósofo e cineasta André Queiroz, e o cineasta e historiador Arthur Moura, deram entrevista exclusiva ao jornal A Nova Democracia.

Por que vocês resolveram abordar esse tema?

André Queiroz: A ideia para a produção do filme surgiu a partir do convite de um ex- militante que esteve na luta do Araguaia. Eu estava exibindo outro filme nosso, “El Pueblo que falta”, no Instituto de Estudos Latino Americanos (IELA), em Santa Catarina, e ele, por conta da militância de muito tempo, falou sobre a importância desse período, e viu uma possibilidade de parceria entre nós. Então, fomos convidados a pesquisar sobre o processo histórico político que culminou na organização da guerra popular prolongada, que fora a forma como o PCdoB pretendia fazer operar, de forma tática.

No Araguaia, Presente! buscamos apresentar as razões que levaram os militantes do Partido Comunista do Brasil (sigla PCdoB) a organizar seu plano de libertação nacional com vista ao advento do socialismo em nosso país. Nesse sentido, procuramos esmiuçar o que foi a Guerrilha do Araguaia, o maior deslocamento de tropas militares em terras nacionais. A Guerrilha, que se deu entre abril de 1972 e o princípio de 1975, foi silenciada pelas autoridades militares durante mais de duas décadas, sendo que até o presente, o alto comando militar não divulgou o seu arquivo secreto acerca da Guerrilha do Araguaia. Daí, a importância do resgate de nosso passado histórico recente desde as vozes daqueles que foram silenciados, ex-guerrilheiros e familiares.

E nesse resgate se insere um dos momentos mais covardes e brutais durante o regime militar, o Massacre da Lapa...

Fizemos questão de abordar a fundamental autocrítica interna do PCdoB, seus avanços e limites, a partir da atualização daquele que ficou conhecido como o “Massacre da Lapa”, em dezembro de 1976, quando parte do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que se reunia no bairro da Lapa paulista para aprofundar os debates sobre a experiência do Araguaia, fora metralhado por forças militares e da segurança pública, fato este ocorrido em meio ao processo de abertura “lenta, gradual e segura” da gestão Geisel [1974-1979]. Naquela reunião havia duas posições antagônicas* que se apresentaram ao debate interno do PCdoB. A tese de Pedro Pomar e a de Ângelo Arroyo. Ambos foram executados pelo operativo militar. Tais teses se destinavam a pensar o que fora a luta no Araguaia. Sendo que, a tese que fora a mais votada pelo comitê presente à reunião fora a de Pedro Pomar, que aprofundava a autocrítica com relação aos erros de preparação da guerra popular que, segundo Pomar, não chegou a se construir de fato. Já a tese de Arroio era de exaltação dos feitos do Araguaia, e que se deveria tomar de exemplo imediato à construção de novos Araguaias.

A gente sabe que produzir um filme no Brasil é bastante caro, principalmente em se tratando de documentário independente. Como está sendo o processo de produção?

Arthur Moura: Começamos a produção em junho de 2016, e como a bibliografia é muito extensa, fizemos muita pesquisa, muitos debates, e tivemos muitas horas de discussão. Diferente de “El Pueblo que falta”, no Araguaia, Presente! nós tínhamos um caixa que foi destinado inteiramente para a produção do filme. Por isso, buscamos envolver as pessoas não só como mão de obra ou técnicos, mas como pessoas ativas na produção. Paralelamente à pesquisa, começamos a filmar os depoimentos que resultaram em mais de 300 páginas transcritas e dezenas de horas de material bruto. Em pouco tempo filmamos com José Genoíno, Crimeia Almeida, Victoria Grabois, Wladimir Pomar, Danilo Carneiro e Dagoberto Costa. O roteiro para as perguntas baseou-se na pesquisa e debate que fizemos previamente, onde lemos diversos autores como Romualdo Pessoa, Claudinei Rezende, Adelmo Genro Filho, Daniel Aarão, Jacob Gorender, Ruy Mauro Marini, Theotônio dos Santos, entre outros. Terminada a pesquisa (na verdade a pesquisa obviamente continuou ao longo do processo), começamos a elaborar o roteiro das cenas de ficção, o que consumiu quase todo o recurso. Primeiro realizamos a cena inicial, que é a do guerrilheiro na mata, ideia que tivemos após filmarmos a entrevista do Dagoberto, onde ele relata sobre como conseguiu sobreviver após o ataque do exército contra a coluna que fazia parte. Construímos a cena em Lumiar [região serrana do estado do Rio de Janeiro] com apenas um ator (Carlos Oliveira) e quatro figurantes. Optamos por apenas construir as cenas sem incluir o relato em off para evitar certos clichês e dar mais vazão às trilhas sonoras que produzimos.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait