PA: Servidores em greve em todo o estado

A- A A+

Assembleia Unificada dos Servidores Públicos define greve

Greve geral, prefeituras ocupadas, corte de rodovias com barricadas, mobilização e combatividade. É dessa forma justa que os servidores públicos em todo o estado do Pará estão lutando contra o sucateamento dos serviços públicos e o arrocho. Entre as prefeituras ocupadas estão as das cidades de Tailândia, Ananindeua (ambas na região metropolitana de Belém) e Alenquer (693 quilômetros da capital). Uma greve unificada convocada em assembleia geral dos servidores do estado teve início no dia 2 de maio.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

As ocupações estão sendo levadas a cabo por professores e profissionais da educação. A prefeitura de Ananindeua foi ocupada no dia 25 de abril pelos professores da rede municipal. Os trabalhadores em educação repudiam a absurda proposta do prefeito Manoel Pioneiro/PSDB, de reajustar apenas 3% no salário e não reajustar o vale alimentação.

Já a prefeitura de Tailândia foi ocupada no dia 27 de março. Os trabalhadores ergueram ainda uma barricada com pneus em chamas na rodovia PA-150, próximo a ponte sobre o rio Tailândia, três dias antes da ocupação. A prefeitura seguia ocupada até o fechamento desta edição de AND.

Os trabalhadores em educação municipal exigem a garantia de 200 horas para todos os profissionais da categoria, melhorias na merenda e no transporte escolar, redução da quantidade de alunos por turma e a reposição das perdas salariais remanescentes ao mês de agosto do ano passado.

Combatividade

Seguindo o exemplo dos professores e trabalhadores em educação, os servidores do Departamento de Trânsito do Pará (Detran) se mobilizam por seus direitos. Ao menos 90% da categoria está paralisada desde a segunda quinzena de abril. Eles exigem melhores condições de trabalho, a realização de concurso público para o preenchimento de 800 vagas no órgão e rechaçam a terceirização, em marcha pelo governador Simão Jatene/PSDB. 

Uma assembleia realizada no auditório da Escola Superior de Educação Física da Universidade do Estado do Pará  (Uepa), no dia 26 de abril, aprovou o início de uma greve geral unificada, que se iniciou no dia 2 de maio. Foi definida uma pauta comum de reivindicações, dentre as quais estão o aumento de 30% do salário, equiparação do vale alimentação entre todos os servidores no valor de 1,1 mil reais e a implementação do Plano de Cargos, Carreira e Remunerações (PCCR’s).

Rodoviários param por cinco dias

Trabalhadores do transporte rodoviário de Belém e dos municípios de Ananindeua e Marituba, na região metropolitana da capital, paralisaram as atividades por cinco dias. A greve iniciou-se no dia 19 de abril e exigiu melhorias salariais e laborais, somando-se às lutas dos servidores públicos do estado do Pará.

A mobilização da categoria foi grande e os poucos ônibus que circularam na capital paraense foram alvos de protestos, chegando a ter os pneus furados na justa revolta dos trabalhadores. Os rodoviários exigiam uma reposição salarial de 10%, reajuste do ticket alimentação, a redução da carga horária de trabalho para seis horas diárias e a implementação de pontos biométricos.

Legislando em causa da patronal, o judiciário do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) atacou a categoria com a expedição, no dia 17/04, de que 80% da frota deveria continuar circulando com o início da greve – determinação com o claro fim de pressionar a categoria. Os trabalhadores, porém, não se intimidaram e prosseguiram a greve.

Além das pressões do judiciário, também o aparato repressivo da Polícia Militar de Simão Jatene/PSDB tentou intimidar os grevistas nas garagens de ônibus para que estes retomem o trabalho, em flagrante atitude ilegal da violação do direito de greve.

Ao fim, a única reivindicação da categoria acatada pelos monopólios do transporte local foi a implementação do ponto biométrico. A direção sindical acatou a proposta patronal que manteve a carga horária de oito horas diárias. O ticket alimentação e outros benefícios foram incrementados em 1% acima da inflação, e o salário, segundo a empresa, foi reajustado “de acordo com o INPC”.

tag:

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait