FMI manda PT obedece

A- A A+

Não apenas a ciência política, mas mesmo os economistas liberais concordam com o princípio de que a política é a expressão concentrada da economia.

Pois bem. Tem sido uma constante nas páginas dos monopólios de comunicação, tanto do Brasil como do exterior, a afirmação de que “a crise política não afetou a economia...”

"O ano passado foi marcante para o Brasil porque, pela primeira vez, o mercado financeiro separou a crise política do desempenho econômico do país", disse descaradamente o economista Albert Fishlow, professor da Universidade de Columbia, no USA.

Brasilianista e ex-subsecretário de Estado para Assuntos Interamericanos do USA, ele concedeu entrevista à Folha de S. Paulo para falar sobre as perspectivas para 2006. Uma das maiores críticas de roubos infinitamente menores como o esquema mensalão, A Folha de S. Paulo se apressou em fazer coro com afirmações dubladas por Palocci e Luiz Inácio, de que a política não interferia na economia .

Moleques nada mais

Fmiboys, birdboys e ciolsboys, ou seja, moleques do FMI e da CIOLs, essa é a origem dos ocupantes da gerência do sistema de governo semicolonial brasileiro - cuja política econômica é traçada pela metrópole através de seus órgãos gestores da economia mundial, tais como FMI, Banco Mundial, OMC, etc. A veracidade de que a política é a expressão concentrada da economia torna-se mais profunda quando a política econômica aplicada no Brasil é visível e inegavelmente traçada pela Casa Branca e suas agências como porta vozes do imperialismo.

A política belicista e terrorista ianque, representada pela sua estratégia que cinicamente nomeia a si própria de "luta contra o terror", neste caso, é a inequívoca expressão da crise econômica sem precedentes que o imperialismo exerce, impondo a rapina, a devastação, a repressão, a miséria sem precedentes sobre o conjunto dos países explorados. É aí que devemos buscar a explicação para a crise do capitalismo burocrático no Brasil e nos demais países coloniais e semicoloniais.

Usando de sofismas, a direção petista tenta anular uma lei da história: busca apresentar uma correlação entre fenômenos mutuamente excludentes, ou seja, o que eles chamam de crise política é, na verdade, a crise de uma sub-política, por tratar-se de uma disputa doméstica para dividir migalhas que caem da mesa nos banquetes do imperialismo. Neste sentido, ela não tem nenhuma interferência na política econômica traçada pelo imperialismo e fielmente executada pelos seus prepostos no Brasil.

O Fundo dos agiotas

Graças ao esforço heróico do Exército Vermelho, ao impingir uma série de derrotas à besta nazista, em 1944, a II Grande Guerra Mundial ia se definindo em favor dos aliados. A França e a Inglaterra, bastante debilitadas pelo esforço de guerra, buscavam uma composição por baixo, com o USA, para manutenção do campo imperialista.

Surge aí a reestruturação do sistema financeiro internacional, sob clara hegemonia ianque, que consegue emplacar o dólar como moeda de troca internacional, e cria o Banco Mundial, inicialmente chamado de Banco da Reconstrução e o Fundo Monetário Internacional - FMI, como instituições que ao mesmo tempo fariam o papel de saqueador e polícia - como, então, estabeleceu o Acordo de Bretton Woods.

A princípio, o padrão dólar era lastreado por depósitos em ouro. Mas, usando ao mesmo tempo as duas características, o imperialismo ianque elimina o lastro ouro e passa a fabricar o papel pintado de verde, sem nenhuma garantia. Coisas da máfia da agiotagem internacional.

Máfia é também esta organização chamada Clube de Paris, que para o próprio Tesouro Nacional do Brasil é "uma instituição informal - sem existência jurídica" como a camorra, diríamos.

Foi essa instituição informal que representou cerca de 16 países credores na negociação de parte da dívida brasileira na década de oitenta do século passado. Uma de suas características é que exige, para fechar qualquer acordo, que o país devedor se submeta aos ditames do FMI. Esta é, por sinal, a maior demonstração de que o FMI é o maior guardião da máfia financeira internacional.

Na edição 27 de AND o professor Adriano Benayon mostra que:

"Há mais de 25 anos que os Poderes Executivo e Legislativo raramente deixam de atender às exigências e solicitações do sistema financeiro governado pela oligarquia mundial, representada pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial, instituições nas quais predominam as políticas prescritas pelo Tesouro dos Estados Unidos".

Assim, por iniciativa do Executivo brasileiro (?), o Congresso Nacional (?) aprovou:

1a legislação das privatizações (desestatização);

2os acordos de entrada do Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC) e de sua Carta, que limita a autonomia do País para legislar em matéria econômica àquilo que não colida com as regras da OMC;

3a Lei de Propriedade Industrial;

4as emendas "constitucionais" que modificaram, em proveito das empresas transnacionais, todo o capítulo da ordem econômica da Constituição;

5a emenda à Constituição que abriu brecha para que a inconstitucional Lei 9.478/97 quebrasse, na prática, o monopólio da União sobre o petróleo;

6as reformas tributárias e da Previdência, todas em aumento dos privilégios do sistema financeiro, do capital estrangeiro, consequentemente em detrimento das empresas nacionais e dos trabalhadores brasileiros;

7a Lei de "Responsabilidade Fiscal", que prioriza as despesas com juros;

8a Emenda à Constituição que criou a desvinculação das receitas da União, para que o Tesouro arrebate, a fim de pagar juros exorbitantes, receitas das contribuições sociais, como a COFINS, CPMF etc.;

9a liberação de sementes transgênicas;

10a Lei de Falências;

11a das parcerias público-privadas;

12a demarcação de imensas terras "indígenas";

13a privatização de fato das florestas do País, sob a capa de arrendamento por 40 anos, prorrogáveis. Tudo tal como "recomendado" por aquelas instituições falsamente intituladas internacionais.

Oposição de vergonha

Desde o início do pós-guerra, no Brasil e em todos os países explorados pelo imperialismo, a oposição aos gerentes de turno denunciava o caráter espoliador, tanto do FMI quanto do Banco Mundial. As cláusulas draconianas dos "acordos" que dilapidavam o esforço produtivo do país vitimado, drenando o essencial dos seus recursos para a agiotagem internacional, sempre foram alvos de manifestações e proclamações dos que lutavam contra a exploração imperialista.

A submissão ao FMI e ao Banco Mundial jamais deixou de ser destacada pela verdadeira esquerda do mundo inteiro, como a marca maior da direita dentro de cada país. Slogans como Fora daqui FMI! estavam sempre presentes em atos públicos, passeatas e outras manifestações de protesto.

No Brasil, a demagogia da direção petista usou e abusou dos simulados ataques ao FMI e ao Banco Mundial para enganar os incautos e, depois, em acordo com eles, chegar à gerencia de seus interesses.

Os que continuam a fazer uma oposição honesta permanecem com o mesmo pensamento, enquanto que o oportunismo trotskysta/pelego/ clerical petista é massageado diariamente pelas "autoridades monetárias internacionais" e pelos monopólios de comunicação, da colônia e da metrópole.

Para o diretor-gerente do FMI, Rodrigo Rato - quando num pronunciamento na sede do FMI, em Washington -, a administração petista "é um exemplo muito bom para as economias emergentes de que as reformas não apenas valem a pena, mas podem dar resultados positivos e rápidos". E acrescentou: "Se observarmos não apenas os resultados da economia, mas os efeitos da redução da pobreza no Brasil, creio que é um exemplo muito bom de até onde as economias emergentes devem avançar no futuro".

E a auditoria?

Para Maria Lucia Fatorelli Carneiro, do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal - Unafisco, "A dívida pública é o centro dos problemas nacionais. A maioria dos recursos públicos tem sido destinada ao pagamento dos juros escorchantes dessa absurda dívida, impossibilitando a realização de investimentos promotores de crescimento econômico ou o desenvolvimento das políticas sociais. As conseqüências são graves para toda a sociedade. A evidência mais recente é a falta de recursos para um salário mínimo digno, mas encontram-se comprometidos todos os serviços essenciais de saúde, educação, segurança, moradia, saneamento, reforma agrária, infra-estrutura e demais serviços públicos".

Ela comenta que "A origem da dívida atual pode ser explicada a partir da década de 70. Contratos haviam sido assinados pelos governos militares da época admitindo-se juros flutuantes, o que permitiu aos credores aumentarem livremente as taxas de juros - que saltaram de patamares em torno de 5% ao ano para mais de 20% ao ano - provocando a multiplicação do valor da dívida externa". Esse aumento unilateral das taxas de juros é considerado ilegal pelo Direito Internacional.

Assim, o Brasil enviou ao exterior, de 1979 a 2003, a título de juros e amortizações da "dívida" externa, US$ 170 bilhões a mais do que recebeu de empréstimos, e a dívida se multiplicou por quase cinco, tendo chegado a US$ 235 bilhões, em 2003. Caso os credores não tivessem aumentado abusivamente as taxas de juros, a quantia que enviamos para o exterior teria sido suficiente para quitarmos a dívida em 1989, e ainda seríamos credores de US$ 100 bilhões.

A auditoria da dívida foi um clamor nacional. Mas, ao chegar ao sistema de governo do imperialismo no Brasil, o PT silenciou de vez quanto a ela.

Uma mascara a outra

"Nos anos 90, a sustentação do plano Real se ancorou na atração de capitais estrangeiros para o financiamento das importações, mas o governo também se endividou em moeda brasileira, emitindo títulos da Dívida Interna que remuneravam investidores brasileiros e estrangeiros com as taxas de juros mais elevadas do planeta. Assim, a dívida interna também se multiplicou" - conclui a diretora da Unafisco.

Por sua vez, o ministro Palocci, no final de ano, fez todo o tipo de estrepolia para enaltecer as vantagens de seu gerenciamento à frente dos negócios da máfia financeira internacional. Ele aproveitou a divulgação do Relatório de Inflação do último trimestre para destacar uma série de dados "positivos" nas contas externas brasileiras. Entre eles, a redução da dívida para cerca de US$ 165 bilhões neste ano - incluindo a privada e a pública. Esse seria o menor valor desde 1995, quando a dívida externa fechou em US$ 164 bilhões. Para ele, o nível mais alto foi registrado em 1999 (US$ 225 bilhões) enquanto para a Unafisco foi o de 2003, correspondendo a 235 bilhões de dólares.

Nem Luiz Inácio, nem Palocci e nem Meireles receberam ordens para, ao menos, esclarecerem que a captação de "investimentos" via lançamentos de títulos do governo, pagando as taxas mais elevadas do mundo são, na verdade, o mascaramento da dívida externa, já que o grosso destes títulos ou são adquiridos por especuladores externos, do tipo fundos de pensão, ou pelos bancos estrangeiros que atuam no país sob os nomes fantasia de Itaú, Bradesco, Real e até Banespa, entre outros. Todos eles protegidos sob a bandeira do FMI.

Quanto mais o governo emite títulos, mais cresce sua dívida externa. Sob o argumento de que, ao trazer dólares do exterior para pagar sua dívida, o governo também protege as reservas internacionais do Banco Central - ou seja estabelece garantias aos "investidores" de que o país pagará sua dívida em momentos de turbulência econômica internacional —, cresce a dívida pública que, este ano, já chegou a quase um trilhão de dólares.

Republiqueta de bufões

O que seria a tão anunciada festa de comemoração da saída do Brasil da tutela do FMI acabou se transformando na reafirmação da submissão incondicional do país. Logo após as afirmações de Meireles, Palocci e Luiz Inácio de que o PIB brasileiro cresceria 5% no próximo ano, o gerente da matriz do Fundo enquadrou a todos, estipulando o limite de crescimento, isto é, enquanto os gerentes das colônias fazem "previsões", a metrópole dá ordens.

Em seu discurso, Rodrigo Rato afirmou que "O crescimento brasileiro está acelerando e entrando numa fase de crescimento em torno de 4%, o que é importante. Mas o Brasil deve ter objetivos mais ambiciosos a médio prazo", Ele proferiu o maior discurso da tarde, porque, na verdade, a "solenidade" foi montada para que a gerência FMI-PT recepcionasse as ordens emanadas da metrópole, o que foi cumprido metodicamente por mais de 20 minutos. De maneira obediente foi realizada a defesa da "melhoria do esforço fiscal para reduzir a dívida", mais "liberdade orçamentária", autonomia do Banco Central, "flexibilização das leis trabalhistas" e ampliação do mercado de crédito.

O oportunismo petista, transformado em subserviência, transita de forma acelerada para a completa desmoralização do país, marcando com tinta forte o caráter semicolonial desta republiqueta, agora gerenciada por bufões.

São vários os episódios mais recentes que reafirmam esta triste condição:

  • Hugo Chavez fez negócios com a Embraer imaginando que a empresa era do Brasil. Enganou-se, ela é do USA e está no Brasil, portanto sob as ordens do Estado de magnatas ianques, e não de Luiz Inácio;
  • Fez-se uma convocação extraordinária do Congresso para triplicar os vencimentos dos deputados e senadores;
  • Aconteceu o festival de tapa buracos sem licitação, numa clara manifestação eleitoreira, depois de três anos de estradas esburacadas, pavimentando as verdadeiras cujo destino é o Caixa 2.

Oportunismo, esmolas, demagogia, propinas (por eles mesmos apelidadas de mensalão), subserviência, bufonices etc., etc., são, afinal, os principais ingredientes para se consolidar uma republiqueta. O povo sabe disso.

Também buscam dar explicações fajutas para o pífio crescimento do PIB brasileiro, o qual ficou atrás de quase todos os países da América Latina, ultrapassando apenas o Haiti.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait