Editorial - As eleições e a pátria verdadeira

A- A A+
Inútil esconder: a vitória do oportunismo está longe de gerar equilíbrio e principalmente imobilidade, como pretendem o imperialismo e as classes reacionárias que o apóiam. 

A ninguém convence toda a brutal (contra)propaganda que fazem desabar sobre o povo — sonegando às massas qualquer base material de sustentação, qualquer melhoria das condições de vida do povo.

Toda essa imensa crise em que se afunda o poder das classes reacionárias e atrasadas que dominam a vida brasileira não é causada por um simples e eventual desajuste, tampouco produto de desentendimentos partidários, coisa que possa ser resolvida com uma reforma política. São as estruturas do velho e podre Estado que se decompõem, juntamente com todo o arcabouço doutrinário e teórico feito de trapaças: suas idéias e normas políticas, jurídicas, éticas, filosóficas etc. — tão caducas quanto as estruturas que buscam socorrer.

Essa crise reflete a agonia do regime colonial, latifundiário e burocrático que, à beira da morte, não consegue mais esconder sua dor lancinante e todo o seu desvario.

A crescente e brutal exploração das massas trabalhadoras tornou-se insuportável. Ou o povo trabalhador varre o latifúndio e o imperialismo para fora de nosso país ou será engolido de vez pela escravidão.

Já não basta a luta espontânea, percebem os mais combativos e consequentes movimentos camponeses. A convicção das massas de que podem libertar-se a si próprias libertando a terra se comprova na experiência, ombro a ombro, de toda uma classe de homens e mulheres que vivem por suas próprias mãos.

Reaver a terra que o latifúndio roubou do povo, destruir as relações de exploração e, em seu lugar, erguer as relações de colaboração e ajuda mútua, transformar os instrumentos de produção, a técnica, os hábitos de trabalho, os ofícios, o próprio homem e governar — pela primeira vez, governar — é o único caminho. Quando o povo trabalhador se apodera dos meios de produção — a terra, as máquinas, os rios e as pontes, as fábricas, os transportes etc. — então, ele precisa governar porque tem que, definitivamente, administrar as suas coisas.

É por essas razões que o falso governo, que diz representar o pobre e explorado trabalhador, tudo faz para não colocar nas mãos do povo os meios de produção. Até uma pequena ponte sobre um ribeirão vira promessa jamais cumprida. No Brasil, quando, depois de construir uma estrada, com impostos cobrados ao povo e sempre superfaturada, o governo do imperialismo, dos banqueiros e dos latifundiários dão a estrada às poderosas empreiteiras e nos obrigam a pagar pedágio para transitar por ela.

E quem são essas grandes empreiteiras? São as empresas do imperialismo, dos banqueiros, dos latifundiários. As mesmas que financiam muitos dos seus empregados de luxo para serem deputados, senadores, presidentes — confessa o monopólio da imprensa que também é deles.

II

Mas por que, na região de Varzelândia, os camponeses, que o latifundiário acusa de ignorantes, foram se lembrar dos operários, também apontados como gente rude e incapaz de produzir algo sem a tutela dos patrões? Por que igualmente os operários não acreditam nas mentiras que dizem sobre os camponeses? Por que ambos se uniram para fazer uma ponte* anos a fio prometida pelos vigaristas políticos?

Os operários projetaram a ponte. Ensinaram aos trabalhadores do campo algumas técnicas e dirigiram a construção, trabalhando lado a lado com os camponeses. As equipes se revezavam. Nenhum atraso, nenhum acidente de trabalho, nenhuma decepção ou atrito, nenhum material da obra sumiu. Ninguém é melhor nem pior, porque não há lucro, porque não há exploração do trabalho. Todos aprendem e têm orgulho do que fazem. Há mestres, não há capataz.

A única classe com que os camponeses podem contar para estabelecer a mais férrea e duradoura aliança é a operária. Da mesma forma, a classe operária tem nos camponeses o seu maior aliado — insistem a história da luta de classes, a luta pela produção e a experimentação científica traduzidas no programa político do povo brasileiro.

Pisando esse chão camponês, que ele próprio retoma para o Brasil, o povo trabalhador começa a sentir o pulsar da pátria verdadeira.

Na mesa do proletário, do camponês e dos que ainda têm um pequeno meio de produção na cidade ou no campo, algo destrói a teoria de que a classe operária acabou, que o socialismo foi derrotado para sempre e de que os trabalhadores não podem transformar e conduzir o mundo.


* Refere-se à ponte sobre o Ribeirão Arapuim, em Varzelândia, norte de Minas Gerais. Ver artigo sob o título: O povo pode, faz e governa.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait