Aqui é o lugar, esta é a hora

A- A A+
A Fazenda Sal da Terra era uma daquelas propriedades cujo dono têm dívida de sangue com o povo. Nela, muitos homens, mulheres e crianças sofreram os horrores da escravidão. E isso percorreu o império até chegar aos governos ditos "democráticos". 

É público que, até bem pouco, na fazenda ainda dominava a chibata do feitor. O tronco e a senzala, reconstruídos, funcionavam plenamente. Nenhum trabalhador, por mais necessitado que estivesse, aceitava oferta de trabalho lá. Os trabalhadores eram trazidos de longe, a maioria da Bahia.

Após inúmeras denúncias, uma inspeção do Ministério do Trabalho constatou as irregularidades, mas nada fez. Comenta-se na cidade que os fiscais foram comprados a peso de ouro pelo latifundiário Moacir, conhecido como Bunda Larga. E os próprios camponeses explicavam:

— A gente chama a família dele de Bunda Larga há várias gerações. Eles, porque não fazem nada, só exploram o trabalho alheio, ficam assim, barrigudos e bundudos.

II

Era manhã. À frente, a polícia. Também vieram um representante do Incra, da Vara de conflitos agrários e o oficial de justiça. Com os rostos cobertos e foices em punho, uma comissão de mulheres recebeu esses asseclas do latifúndio. Mulheres com os filhos, corajosamente desafiaram a polícia e demais integrantes da "comissão de gerenciamento de crises".

E disseram:

— Só saímos se for para uma terra nossa.

A comissão afirmou que havia uma terra próxima para onde eles poderiam ir provisoriamente. Que já estava tudo arrumado. Levaram até fotos do local.

A comissão de mulheres não aceitou a negociação. Queria garantia de que a terra seria efetivamente deles. A comissão pediu um tempo para solucionar o caso com o Incra. Voltaram após o almoço, trazendo um documento, já assinado pelo superintendente do órgão, afirmando que eles poderiam ficar numa determinada área até que uma fazenda fosse encontrada para a desapropriação. As mulheres solicitaram levar o documento à Assembléia para aprovação.

A Assembléia rejeitou o acordo. Queriam uma terra definitiva e não uma provisória. Num governo de latifundiários, de especuladores e do imperialismo não se confia, mesmo com acordos assinados que, a rigor, faz questão de quebrar.

A comissão de "gerenciamento de crises" ouviu o relato das mulheres. Disse que retornaria no dia seguinte com uma nova proposta.

Os policiais foram embora. Mal caiu a noite e o clima no acampamento amenizou. Agora era esperar o dia amanhecer para uma nova rodada de negociações. A guarda permanecia atenta.

Às duas horas da madrugada os cães começaram a latir de forma insistente. A guarda observou a movimentação de veículos. Havia mais de quinhentos policiais, muito bem armados.

Ao estourar dos foguetes os camponeses improvisaram armas com que tinham à mão. Lutaram bravamente. Um helicóptero sobrevoou o acampamento, jogando um pó químico que feria a pele, provocava intensa coceira e irritação nos olhos. Todos os barracos foram destroçados pela selvageria policial. Ao final, a polícia ateou fogo ao acampamento.

III

Após o despejo, uma parte das famílias desistiu da luta. As que persistiram ficaram ainda mais unidas. Fundiram-se numa única e grande família.

Elas estavam agora numa área já conquistada, pertencente a outros camponeses. A situação não era das melhores. Tinham que vender sua força de trabalho para o latifúndio vizinho e podiam apenas plantar pequenas hortas porque toda a área agricultável já estava utilizada.

Mas o desânimo era duramente combatido.

As famílias se preparavam para ocupar o latifúndio novamente. Empenharam-se em mobilizar mais famílias e organizar melhor a luta. Quando os macacos as expulsaram, aprenderam mais sobre a resistência, já que renunciar significa morrer.

O senhor Francisco (Chico, para os mais próximos) era um baiano arretado. Quando se decidiu pela luta, teve de convencer a esposa, Zilda. Agora que ele vacilava, pensando em deixar o acampamento, era ela que o convencia a ficar.

Zilda era alegre e adorava a vida no acampamento. Ela e Chico tinham duas filhas da cor da noite, puxando a mãe.

No início, ela relutou. Ficar sem banheiro com vaso sanitário e chuveiro, sem fogão a gás, sem televisão... Na área, há meses, nem se lembrava mais do que antes lhe parecia como algo extremamente indispensavel à vida, única maneira de conduzir as coisas — como chegou a pensar.

No entanto, no meio de toda aquela gente, pisando aquele chão, surgiam-lhe fatores muito mais importantes e convincentes. As mulheres — as mesmas da comissão que recebera a polícia antes da expulsão — estavam organizando um curso de alfabetização e um grupo de ajuda mútua de produção de tapetes.

Na área também havia uma cozinha coletiva — que já tinha gerado muita confusão, mas agora funciona perfeitamente — uma prática que reduz bastante o trabalho doméstico invisível que recai sobre a mulher.

A vida na área era totalmente diferente daquela que levara desde criança. Além de companheirismo inquebrantável, nunca faltava comida porque todos se uniam para resolver os problemas de abastecimento e também outros que aparecessem. Não havia violência, drogas e bebida. As crianças podiam brincar, livres e alegremente pela área.

Agora Zilda pensava em tudo que poderia perder se voltasse para a cidade. Perderia o sossego e a esperança de uma vida um pouco melhor para as filhas. Perderia a oportunidade de conquistar uma terra e isso ela não queria mesmo.

Ela viu o pai e o irmão mais velho morrerem de tanto trabalhar para o latifúndio e, na cidade, outros deixarem a última gota de sangue para o patrão estrangeiro. Às vezes, serem explorados até o fim por um brasileiro rico que entregava todo o seu lucro para o gringo. Não queria o mesmo destino para as crianças, para si nem seu companheiro.

Depois de muito matutar, ela tomou coragem e se dirigiu ao Chico nesses termos:

— Olha Chico, no início eu não queria vir. Agora que nossa vida mudou você quer ir embora? Tá certo que sofremos, que a polícia maltratou todo mundo, mas não vamos desistir. É isso que eles querem. Nós temos é que ocupar de novo a Fazenda e mostrar que conquistaremos nosso pedaço de chão.

E concluiu com um longo suspiro :

— Chico, se tu quiser, pode ir. Eu fico aqui com as meninas.

Chico ficou escabreado, até parecia mineiro. Saiu calado e adentrou o pequeno barraco de lona preta. Sentou-se na cama improvisada com paus e ali ficou pensativo por horas. Zilda deixou-o sozinho a tarde toda.

No cair da noite, ela foi se deitar ao lado do marido, que muito carinhoso falou-lhe:

— Olhe nega, tu tá mesmo certa. Nós não vamos dar esse gostinho para os "homi", nem para esse presidente ladrão que vive prometendo terra para o camponês e não cumpre. Eu vou ficar com você e quando conquistarmos nosso pedacinho de terra, vamos dar o nome do teu pai.

E Chico ficou. O que se sabe é que eles conquistaram a terra. Como os demais, deram muito trabalho para os capangas fardados e para a tal "comissão de gerenciamento de crises". Mas aí já é outra história.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait