A reciclagem do sindicalismo colaboracionista

A- A A+

Em novembro de 2006 as duas maiores centrais sindicais do planeta, ambas ligadas ao imperialismo, uniram-se para se contrapor à intensificação das lutas trabalhistas autênticas em todo o mundo, iniciando assim mais um capítulo da história do sindicalismo antiproletário e oportunista. Que resultados vêm trazendo essa fusão?


Membros da orit-csi e clat — Central Latinoamericana de trabalhadores —
falam sobre sua unificação, mais uma fusão prevista.
Em Congresso realizado na Áustria, a chamada Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres — Ciosl, e a Confederação Mundial do Trabalho — CMT, abraçaram-se e criaram a aparentemente novíssima Confederação Sindical Internacional. Mas a CSI já nasceu velha e fruto da fusão de esforços anticomunistas, do divisionismo e da farsa do "entendimento" entre exploradores e explorados.

Como se previa, a colaboração de classes foi a tônica dos estatutos aprovados no Congresso que marcou a (re)fundação dos maiores representantes do sindicalismo traidor da classe operária, inclusive do sindicalismo amarelo.

Reformulando o lema inicial do maior sindicato anticomunista do USA, o AFL-CIO, que nasceu pregando a "paz entre as classes" — e que depois se desdobrou na própria Ciosl (ver box) — a CSI adotou palavras mais palatáveis para serem reverberadas pelo oligopólio internacional dos meios de comunicação. Assim, a nova/velha associação pelega "nasceu" repetindo a também velha panacéia sobre "humanizar o capitalismo".

Funcionais ao imperialismo

Para sustentar essa mentira as falsas lideranças da classe operária propõem priorizar o entendimento com os chamados "organismos multilaterais", justamente as instâncias internacionais onde são elaboradas e avaliadas as estratégias de exploração dos povos, nomeadamente o Banco Mundial, a Organização Internacional do Comércio, o Fundo Monetário Internacional e a Organização Internacional do Trabalho.

Na prática, a recém-criada Confederação Sindical Internacional representa mais uma instância de conspirações e sabotagens contra-revolucionárias ligadas ao imperialismo.

É significativo que as brasileiras CUT, Força Sindical e CGT — que já eram mancomunadas com a Ciosl — tenham aderido prontamente a essa "nova" Confederação.

Central Única da Traição

No Brasil, a Força Sindical e a CUT se esforçam desde seus primórdios para inviabilizar a ascensão de qualquer corrente sindical verdadeiramente enraizada nas massas trabalhadoras.

A Força Sindical foi fundada em 1991 com apoio do governo Collor, do patronato e do oligopólio nacional dos meios de comunicação, sob o lema pelego do "sindicalismo de resultados".

No mesmo ano, a CUT — que existe desde 1983 — realizou seu IV Congresso, em São Paulo. Ali, a corrente Articulação Sindical empurrou goela abaixo dos trabalhadores a filiação a Ciosl, sob o discurso do seu então presidente, Jair Meneguelli, de que era preciso "deixar de dizer apenas não e começar a dizer sim".

Mas desde sempre a CUT se pauta por temas colocados na ordem do dia pelos governos e pelos patrões, substituindo as grandes greves e os enfrentamentos com o capital monopolista pela política do participacionismo.

Seu currículo recente ostenta a colaboração com os algozes do povo. Ela insistiu na colaboração de classes nos fóruns tripartites e nas câmaras setoriais, fez acordo com o governo Fernando Henrique Cardoso para saquear a previdência dos trabalhadores, e firmou aliança com o governo Luiz Inácio para levar a cabo a rapina sobre direitos trabalhistas.

A CUT se mexe também contra as conquistas do próprio movimento sindical brasileiro. A unicidade sindical, estabelecida na Constituição Federal de 1988, assegura a representação dos trabalhadores de uma determinada categoria profissional por um único sindicato, empenhado em lutas comuns.

A unicidade é uma conquista do povo, proporcionando aos trabalhadores a mínima segurança contra as manobras divisionistas oriundas do patronato e possibilitando a formação e manutenção de sindicatos fortes. Significa uma garantia contra o poder do capital, interessado no divisionismo e nos sindicatos fracos e subservientes.

Pois é justamente contra unicidade sindical que a CUT e a Força Sindical vêm mexendo seus pauzinhos, no âmbito da contra-reforma trabalhista arquitetada pela gerência FMI-Ciosl-PT.

Uma que se inspira nos esforços divisionistas do imperialismo no pós-guerra, quando a CIA e o Vaticano patrocinaram o fortalecimento de centrais como a Ciosl para esvaziar o movimento sindical combativo, na época encarnado na Federação Sindical Mundial. Tudo isso sob o slogan do "pluralismo sindical", lançado pelo USA no vento oportunista que soprava com a Convenção 87 da OIT — exatamente sobre "Liberdade Sindical e Proteção do Direito à Sindicalização", que na prática significava divisionismo e cooptação.

Sindicato da Nova Ordem

Junto com as centrais sindicais brasileiras, outras organizações internacionais subordinadas ao capital também aderiram à nova/velha CSI.

Um exemplo é a Confederação Européia de Sindicatos, a CES, que sob as últimas direções passou a adotar uma vergonhosa subordinação aos objetivos anti-populares da Comissão Européia. A CES está inclusive implicada na agressão imperialista ao Kosovo e na campanha a favor de um documento constitucional europeu — elaborado segundo os interesses dos potentados da Europa — a "Constituição Européia", que foi devidamente rechaçada pelos povos da França e da Holanda.

A concentração das centrais e confederações pelegas vinha sendo articulada já há algum tempo, sempre com o intuito de minimizar os perigos que o acirramento da luta de classes representa para o sistema capitalista, boicotando as perspectivas revolucionárias do proletariado e batendo na tecla do reformismo, postura tão cara à falsa esquerda e tão conveniente para o poder econômico.

Essa atualização do anti-sindicalismo ocorreu no fim do ano passado, simultaneamente ao ápice do empenho dos governos e do patronato europeus em uma nova ofensiva anticomunista, com direito a ilegalização dos partidos comunistas do Leste da Europa. Esses partidos foram intimados a abdicar de seus programas revolucionários e substituí-los por plataformas reformistas, sob pena de serem declarados organizações clandestinas.

O silêncio e a complacência da nova/velha Confederação Sindical Internacional com o anticomunismo da Nova Ordem imperialista é muito coerente com a linha de atuação adotada por sua precursora, a CIOSL, que desde sua fundação tem como principal mote o ataque à influência de lideranças comunistas entre a classe trabalhadora, a fim de minar o desenvolvimento de um programa político comprometido com os interesses dos povos.

Durante a preparação para a fusão com a CMT, A Ciosl insistia permanentemente que a unificação só poderia ter lugar com base nos chavões do "sindicalismo democrático e independente", forma de dissimular a exclusão do sindicalismo autêntico na utilização oportunista dos conceitos de democracia e independência.

Aqueles que a Ciosl não considera "democráticos e independentes" são os mesmos que os porta-vozes do imperialismo e da propaganda contra-revolucionária criminalizam.

A Ciosl sempre foi presença confirmada nas reuniões do capital monopolista, além de receber, em determinada ocasião e em seu próprio congresso pretensamente soberano, o então diretor geral do FMI, Michel Camdessus. Isso, para ela, é ser "democrático e independente".

AFL-CIA

E o imperialismo sindical vem de longe, de muito longe. A ligação da nova/velha Confederação Sindical Internacional com o imperialismo é a atualização de uma dobradinha que vem desde sua "tataravó".

A CSI nasceu da Ciosl, que nasceu da AFL-CIO, que nasceu da AFL, que depois da Primeira Guerra Mundial tentou, sem sucesso, criar uma Federação Pan-Americana de Sindicatos para cooptar as organizações de trabalhadores das Américas do Norte, Central e do Sul.

Como acontece nos dias de hoje, essa tentativa — frustrada pelos povos de todo o continente — de disseminar a cooptação e o divisionismo foi obviamente apoiada pelos patrões. Na época, o então presidente do USA, Edmund Wilson, financiou a natimorta iniciativa anti-trabalhista com uma doação de 50 mil dólares.

Seria ilusão pensar que essas artimanhas do patronato e dos governos são coisas que ficaram no passado.

Agora mesmo, no próprio USA, movimentos legítimos de trabalhadores tentam tornar públicos os arquivos secretos da AFL-CIO, precursora direta da Ciosl, através de uma campanha chamada "limpeza do ar", cujo objetivo é trazer à tona os detalhes da colaboração entre a AFL-CIO e a CIA em operações internacionais de sabotagem a sindicatos, governos democráticos e interesses nacionais contrários aos interesses do imperialismo ianque — o que rendeu a AFL-CIO a alcunha de AFL-CIA.

A direção da AFL-CIO resiste a abrir os arquivos da podridão, mas os trabalhadores voltam à carga, na luta, na independência e na liberdade.

A nata do colaboracionismo

Financiada pelos USA, a Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres — Ciosl surge em 1949 como uma dissidência da gloriosa Federação Sindical Mundial FSM. Antes de cair nas mãos do social-imperialismo russo que comandava o retorno ao capitalismo, não apenas na URSS como em todo o campo socialista, a FSM chegou a ser a mais combativa central sindical do mundo, contando com 190 milhões de membros,.

A FSM foi criada em Paris, em 1945, no I Congresso Mundial dos Sindicatos. Seus objetivos, constantes nos estatutos eram:

A luta contra a guerra e suas causas; defesa dos mais prementes interesses dos trabalhadores de todo o mundo; estabelecimento de uma frente comum dos sindicatos de todos os países em defesa dos direitos econômicos e sociais dos trabalhadores e de suas liberdades econômicas, organização das informações entre sindicatos referentes à unidade internacional.

O último Congresso da Federação Sindical Mundial ocorreu em Pequim, em 1960. O conluio entre o social imperialismo russo e o imperialismo ianque permitiu a sobrevivência da Ciosl somente quando destruiu inteiramente a FSM.

Ciosl e CMT

A Ciosl é uma junção da Trades Union Congress TUC, a federação inglesa, e com a AFL-CIO, a maior central sindical do USA — fundada sob uma plataforma reformista, anticomunista e anti-grevista, sob o lema oportunista da "paz entre as classes" — que, por sua vez, é resultado da fusão entre a Federação Americana de Trabalhadores e o Congresso das Organizações Industriais dos Estados Unidos.

O conluio oficializado em novembro de 2006 entre a própria Ciosl e a Confederação Mundial do Trabalho, que resultou na formação da Central Sindical Internacional, é o desdobramento, ao longo dos anos, de outras fusões entre organizações de cunho colaboracionista e ligadas ao imperialismo, realizadas sob a mesma lógica daquelas fusões através das quais o capital monopolista se organiza melhor para aumentar os lucros e acirrar a exploração dos trabalhadores.

A CMT é obra do Vaticano e congrega os sindicatos amarelos ou confessionais. É a política dirigida pela burguesia mais reacionária que cria instrumentos aparentemente destinados à luta para confundir os setores mais atrasados do movimento operário. Com a queda do fascismo tradicional na Segunda Guerra, a parte não derrotada do imperialismo encampou os sindicatos amarelos e generalizou o controle dos sindicatos e suas organizações superiores, organizações juvenis, ONGs e até partidos políticos, após terem eliminado fisicamente os dirigentes sindicais que mais se destacavam no mundo.

Originalmente a expressão sindicalismo amarelo proveniente do uso da bandeira do Vaticano, amarela, enquanto que os proletários conscientes preferem a cor tradicional da revolução: a bandeira vermelha.

Foi o grupo de Luiz Inácio, Articulação, quem filiou a CUT à Ciosl.

O braço da Ciosl na América Latina, conhecido como Organização Regional Interamericana dos Trabalhadores ORIT, continua seu trabalho de cooptação e divisionismo, mesmo depois da fusão que transformou a Ciosl na nova/velha CSI.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait