Defender os CEFETs custe o que custar

A- A A+

Em 24 de abril de 2007, Luis Inácio decretou o fim dos Centros Federais de Educação Tecnológica — CEFETs bem como das Escolas Técnicas Federais. O decreto n° 6095/2007 que cria os chamados Institutos Federais de Educação Tecnológica — IFETs é o aprofundamento da política anti-povo de Cardoso para a educação e tem como objetivo extinguir o ensino técnico vinculado ao ensino médio e transformar os CEFETs em galpões para proliferação do exército de reserva das transnacionais imperialistas. Em depoimento ao AND, o Professor Hélcio Queiroz Braga, diretor do SindCEFET MG, traçou o quadro dos últimos dez anos de luta contra os ataques do governo ao ensino técnico apontando a primazia da luta contra a aplicação das diretrizes do decreto que cria os IFETs.

http://anovademocracia.com.br/40/13.jpg
Manifestação dos alunos do CEFET-MG

O conjunto de decretos e portarias do governo Luiz Inácio, incluindo o decreto de 24 abril de 2007 faz parte do Plano de Desenvolvimento da Educação — PDE, chamado por alguns de "PAC da educação". Este plano tem norteado o conjunto de ataques desferidos contra a educação e dá as diretrizes e metas para a execução da "reforma" Universitária e demais programas antipovo para as Universidades e escolas, públicas e privadas.

— Em síntese, a orientação do governo é ampliar vagas no ensino público para ensino médio e superior sem aumentar de maneira correspondente os recursos para funcionamento do sistema, aumentar a carga horária dos professores e suprimir os recursos públicos. Particularmente nas Escolas Técnicas Federais, aumentar suas atribuições, pôr fim ao ensino técnico profissionalizante vinculado ao ensino médio e subordiná-las aos interesses privados e particulares. — pontuou o professor Hélcio Queiroz.

A aplicação destas medidas resgatam discussões anteriores aos anos de 1996, quando da publicação da Lei de Diretrizes e Bases — LDB. Na ocasião, o governo Cardoso realizou uma manobra utilizando a figura do professor e antropólogo Darcy Ribeiro, mentor do projeto inicial da lei, aprovando um outro projeto enquadrando suas diretrizes às exigências imediatas do imperialismo para o nosso país.

— Em 17 de abril de 1997, Fernando Henrique Cardoso publica o decreto nº 2208, que desvinculou o ensino técnico do ensino médio, determinou o corte de verbas e a criação de fundações para arrecadação e gerenciamento dos recursos para a educação, avançando mais um passo para a extinção do ensino técnico vinculado ao ensino médio. Uma medida provisória determinava que só haveria expansão do sistema com participação da iniciativa privada — destacou o professor.

— Diante da resistência dos professores, técnicos-administrativos e estudantes, Luiz Inácio publicou o decreto n°5224/2004 tornando facultativa a separação do ensino médio e do ensino técnico. Mas como ele se fez mestre na arte de ludibriar, logo na sequência publicou o decreto n° 6095/2007, invalidando o anterior — concluiu Hélcio.

"DesCEFETização"

De acordo com o artigo 4º do decreto, as Instituições deverão apresentar o Plano de Desenvolvimento Institucional Integrado — PDI, de acordo com o artigo 16° do Decreto n° 5773 de maio de 2006, que dentre outras questões determina a criação de um plano de educação à distância.

Quanto ao financiamento das instituições, o artigo 5º determina a aplicação de 50% das verbas governamentais da seguinte forma: 1) na educação profissional técnica de nível médio prioritariamente em cursos e programas integrados ao ensino regular (o grifo é nosso). Textualmente o decreto fala de ensino técnico prioritariamente, e não obrigatoriamente vinculado ao ensino médio; 2) na formação inicial e continuada de trabalhadores e 3) no âmbito do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos — PROEJA. Caberá à direção da instituição indicar como aplicará estes 50% dos recursos entre estas três atribuições. Além destes recursos, outros 20% deverão ser aplicados em cursos de licenciatura e em formação pedagógica dos professores.

O artigo 11° determina que o reitor e o vice-reitor do IFET serão nomeados diretamente pelo presidente da república e os diretores de cada campus serão indicados diretamente pelo reitor.

O processo de transformação dos CEFETs em IFETs é chamado de adesão. Ou seja, a iniciativa deverá partir da instituição. No entanto, o governo não fala como será a distribuição de verbas para as instituições que não aderirem. Hoje, os CEFETs recebem recursos de duas secretarias ligadas ao MEC: a Secretaria do Ensino Superior (SESu), e da Secretaria do Ensino Profissional e Tecnológico. Com a transformação em IFETs os recursos provenientes da SESu serão cortados.

Leia abaixo trechos do depoimento do professor Hélcio Queirós.

Incompetentes e vendilhões

— Não há como falar em qualidade de ensino, muito menos em desenvolver um pensamento técnico e científico genuinamente nacional, voltado para o desenvolvimento do Brasil. Com a aplicação das medidas deste decreto, surge um problema orçamentário que se desdobra em graves problemas didáticos, pedagógicos, e estruturais, contra os quais viemos lutando ao longo dos últimos anos.

— Com a criação de muitas unidades, mas sem seguir um projeto de formação, sem condições estruturais e financeiras vamos perdendo nossas diretrizes e com isso a qualidade do ensino. Além do mais, o governo e o PT vem utilizando seus quadros formados nesta escola de destruição da educação pública, e seus reitores e professores cooptados para aplicar passo a passo suas "reformas". Em algumas escolas já foram feitos projetos para adesão ao IFET e enviados para o governo. Soubemos recentemente que o CEFET de São Paulo já enviou um projeto de transformação em IFET.

A educação profissional vem sendo frontalmente atacada desde 1997. Fizemos muitas manifestações nesta época e me recordo que em uma delas conseguimos marcar uma audiência pública. Naquela época o técnico do Ministério da Educação teve o desplante de dizer que os alunos das escolas técnicas "eram muito caros" e as escolas "eram muito boas" e desta forma "ao invés de irem para o mercado os alunos ingressavam na universidade". Isto não seria motivo para sustos vindo do governo FHC, mas com o governo Lula, a surpresa de muitos foi ainda mais desagradável. Embora eu particularmente não tenha me impressionado muito, pois já trabalhei aqui em Belo Horizonte na rede municipal. Naquela época o prefeito Patrus Ananias — PT, hoje ministro do Desenvolvimento Social, dirigiu a implantação da "Escola Plural". Este modelo resultou no fim dos projetos políticos e pedagógicos, a implantação da aprovação automática. Este projeto representou um dos mais duros golpes contra a educação pública.

Como podemos perceber, a estrutura do Ministério da Educação vem das prefeituras e governos estaduais do PT que já vinham aplicando esta linha de cortes de verbas e ataques à educação. E o mais grave: o atual ministro da educação, Fernando Haddad não é sequer da área da educação, ele é economista, sabe fazer contas de quanto quer gastar e quanto vai gastar. A mercantilização, como podemos ver, não está somente na universidade. O governo diz que a educação é cara, que os professores são privilegiados, aumenta nossa carga horária e a exploração, corta recursos, privatiza as instituições e as entrega nas mãos de empresários.

Disputando a consciência

Em 2006, durante o congresso do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, ANDES, realizado em Cuiabá, o secretário geral da entidade disse que travamos uma batalha de longa duração. De fato, travamos uma batalha dura, pois o que está em disputa é a consciência das pessoas para a defesa de princípios históricos, de uma educação de qualidade, que sirva ao nosso país. Tudo isto foi colocado em cheque pelo governo Lula. Várias entidades sindicais compactuam com o governo e muitas dessas sequer participam do Fórum de Defesa da Educação Pública.

Temos a consciência de que no começo da luta somos poucos, mas o que importa de fato é que somos, existimos e prosseguiremos lutando pelos nossos princípios.

O CEFET-MG também pleiteia a sua adesão ao Reuni. Parece que o governo aceita esta proposição e sabemos da elaboração de um projeto para esta adesão. Sabemos também que para consumar a adesão, a instituição é obrigada a contemplar metas como índice de aprovação de 90% dos alunos, aumento de relação professor/aluno seguindo critérios do MEC, dentre outros. (ver AND 37, Novas medidas para destruir a universidade aprofundam os acordos MEC-USAID ). No final do ano passado, tivemos uma conversa com o diretor do CEFET-MG. Na ocasião, ocorria uma reunião do conselho diretor, o órgão máximo da instituição. Ao recebermos a convocação, percebemos que na pauta constava uma discussão sobre o Reuni, mas o diretor disse que não estava pautada. Ele apenas disse que o projeto estava sendo elaborado, mas parece que não querem debater o projeto. Nesta reunião ele inclusive deu a entender que não tem disposição de discutir o IFET com o Sindicato, pois somos contrários à sua adesão.

Custe o que custar

Mas o fato é que precisamos manter a resistência custe o que custar. Não é um processo fácil, não é simples. O grande problema é compreendermos politicamente esta luta, pois a maior diferença desta batalha para a de 1997 é a de que o governo utiliza de um certo acúmulo de apelo popular. Professores que em um dado momento foram batalhadores, ainda alimentam ilusões de que o governo pode ser convencido, há também os que ainda insistem em dizer que o governo está em disputa. Lutamos nestas condições. Disputamos a consciência destas pessoas, e algumas já estão se despertando. Vemos como exemplo concreto os levantamentos de unidades e conselhos contra a aprovação do Reuni em várias regiões do país.

Na universidade de Juiz de Fora colocaram um batalhão da polícia na reunião de um conselho que debateria o Reuni. A resistência está despontando em todo o país. Mas o governo tem trabalhado com seus reitores e apoios nas universidades para fazer passar seus decretos.

Nossa batalha agora vai ser palmo a palmo. O governo Lula tem mentido muito e quem mente muito acaba sendo questionado. Desta forma o governo vem perdendo pouco a pouco a sua sustentação e apoio e a resistência ganhará apoio e somará forças.

Começa a mobilização nacional contra o IFET

Minas GeraisA luta contra o IFET teve seu estopim em Belo Horizonte no dia 26 de outubro do ano passado, quando mais de 500 estudantes organizados pelo Comando de Lutas contra o IFET e União Colegial de Minas Gerais — UC MG paralisaram a Avenida Amazonas, em frente ao campus I do CEFET-MG nos turnos da manhã e tarde. A manifestação foi precedida por uma série de debates e reuniões nas salas de aula que envolveram a maioria dos estudantes e contribuíram para a preparação da luta e fortalecimento do Comando de Lutas.

O Comando de Lutas contra o IFET sustenta as bandeiras de luta contra o decreto nº 6065 e contra o Reuni. A direção do CEFET-MG já faz os preparativos desde o segundo semestre de 2007 para proceder a sua adesão ao Reuni e, segundo denunciaram o SindCEFET e estudantes, esta adesão é preparada de forma anti-democrática, sem a participação de estudantes, professores e técnicos administrativos nos debates sobre o destino da instituição.

No dia 27 de outubro, após a manifestação estudantil, foi realizado o 1º Encontro Mineiro de Estudantes do CEFET que contou com a participação de estudantes do CEFET de BH, Divinópolis e convidados dos CEFETS de São Paulo, Pernambuco e Rio de Janeiro. O encontro que e faz parte da preparação do INTERCEFET, um encontro nacional, debateu a preparação da luta contra o IFET e planejou um calendário de lutas e atividades, prevendo manifestações, reuniões e um dia de greve envolvendo diversas unidades.

Bahia No dia 13 de novembro de 2007 o CEFET-BA parou contra o IFET, contra o Reuni, e a Reestruturação da Universidade Estadual da Bahia.

A Assembléia Geral dos Estudantes, após intenso debate, manifestou-se contrária à adesão ao decreto 6.095, e à adesão da UFBA ao Reuni, bem como ao projeto de reestruturação da UNEB.

A Assembléia determinou o início de uma grande mobilização que iniciou no turno da manhã com agitações nas salas de aula e durou até 13 horas e 30 minutos.

Durante todo o dia, foram ministradas aulas públicas sobre IFET e REUNI, oficinas de dança, stencil, campeonato de xadrez, apresentações culturais, debates sobre o movimento estudantil e exibição de filmes.

Rio de Janeiro Após intensa mobilização, os estudantes do Colégio Técnico da Universidade Rural do Rio de Janeiro — CTUR ocuparam o Conselho Diretor e barraram o IFET.

Assim como ocorreu com o REUNI, os Conselhos Diretores dos CEFETs e Escolas Técnicas tentaram a todo custo aprovar os decretos do governo apesar do posicionamento contrário da maioria dos estudantes, professores e técnicos administrativos. O Conselho Diretor do CTUR RJ marcou a reunião para a adesão ao IFET no período das férias.

Ainda assim, os alunos que vinham se mobilizando durante semanas, decidiram ocupar o conselho e manifestar sua posição contrária à adesão ao IFET. A reunião, esvaziada de professores devido às festas de fim de ano, foi surpreendida por um grupo de estudantes que se fizeram ouvir. Por fim, o Conselho acabou por rejeitar a adesão ao IFET contabilizando 29 votos contrários, 6 a favor e 5 abstenções.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait