Golpe no ar

A- A A+

Atuação na crise aérea é exemplo do poder do Fórum Nacional. Após emplacar Jobim no ministério e forçar a abertura do capital da Infraero, grupo quer abrir aviação a monopólios estrangeiros.

No dia 02 de agosto de 2007, em plena crise aérea, o Fórum Nacional realizou um encontro extraordinário denominado "Transformando crise em oportunidade: segurança e desenvolvimento no sistema aéreo — diagnóstico e bases para um plano de desenvolvimento da aviação comercial brasileira".Sua estrela foi Nelson Jobim, membro do Conselho Diretor da entidade, empossado uma semana antes ministro da Defesa.

Sem ligação com o setor, Jobim tampouco mantivera, até então, qualquer proximidade com a administração Luíz Inácio. Homem do círculo íntimo de F. H. — que o colocou no STF após tê-lo como ministro da Justiça —, sempre se identificara, apesar de filiado ao PMDB, com o bloco PSDB-DEM (ex-PFL). Precedida por um intenso bombardeio da imprensa monopolista ao ministro anterior, Waldir Pires, sua imposição a Luíz Inácio mostra que a ascendência dos interesses aglutinados no Fórum sobre o Estado brasileiro suplanta as rusgas existentes entre os encarregados de gerí-lo.

A conquista da Infraero

Mais do que celebrar o sucesso dessa operação, porém, o I Fórum Extraordinário serviu para estabelecer uma lista de medidas a serem executadas por Jobim à frente dele.

Como de hábito, a apresentação desse programa foi precedida de diagnósticos a cargo de "consultores" e "especialistas". Um deles, José Carlos Mello, vice-presidente da Gol, apontou no sistema de controle de tráfego áereo "falhas humanas inimagináveis": os controladores, além de indisciplinados, não sabiam falar inglês.

Coube a outro ex-ministro de Cardoso a exposição detalhada do programa aéreo do Fórum. Num documento intitulado "Idéias para o Planejamento Estratégico da Aviação Comercial no Brasil", o brigadeiro Mauro Gandra (ex-titular da pasta da Aeronáutica e protagonista do escândalo Sivam/Raytheon, em 1995) defendeu a privatização parcial dos aeroportos, colocando como uma de suas três formas possíveis a abertura do capital da Infraero. Quase ao mesmo tempo, Luíz Inácio anunciou a venda de metade das ações da empresa.

O próximo passo

Gandra expôs também outras diretrizes definidas pelos interesses que o Fórum representa. "Poderia ser a hora de propor-se a ampliação da participação do capital estrangeiro no controle acionário das empresas aéreas nacionais para números entre 35 e 40%" — acrescentando que esta ampliação daria "mais conforto ao investidor estrangeiro que, poderia transformar muitas ações preferenciais que hoje detém, por ações ordinárias com direito a voto". Em 11 de dezembro, ao falar na Comissão de Serviços de Infra-Estrutura do Senado, a presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) nomeada por Jobim, Solange Vieira, anunciou a intenção de promover essa abertura, alterando apenas o percentual: 49%.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait