De produtores a "compradores"

A- A A+

Renunciando a lutar pela preservação e pelo controle de suas empresas, a burguesia brasileira busca formas de associação subordinada com o capital externo dentro mesmo do âmbito delas. O saldo deste processo é uma razoável mudança qualitativa em seu perfil. De proprietários de empresas, vários de seus membros passam a meros estafetas dos monopólios transnacionais de produtores autônomos, outros tantos convertem-se em operadores de elos subordinados da cadeia produtiva desses monopólios. Este processo pode ser chamado de compradorização.

http://www.anovademocracia.com.br/43/07.jpgCom atuação nos setores papeleiro, gráfico, editorial e na produção de celulose, a Melhoramentos é uma das empresas mais antigas do Brasil. Desde a década de 1990, atravessa sérias dificuldades. O coquetel de retração econômica, juros altos e privilégios a concorrentes estrangeiros que caracteriza a economia brasileira sob o Plano Real afetou drasticamente seus negócios, dependentes da demanda interna.

Quem supõe que os controladores da Melhoramentos alimentem algum antagonismo com a política econômica em curso, porém, está enganado. O presidente de seu Conselho de Administração, Alfried Plöger, é um entusiasmado defensor de todos os aspectos que caracterizam a economia brasileira pós-1994. Em lugar de erguer a voz contra a financeirização e os privilégios do capital estrangeiro, ele optou por inserir a Melhoramentos na cadeia produtiva do monopólio gráfico canadense Quebecor, cedendo-lhe, em 2001, 75% das ações de sua empresa em troca da subcontratação das encomendas de clientes dos canadenses (Carrefour, Avon e outros monopólios de diversos ramos) destinadas à distribuição no mercado brasileiro.

O caso da Melhoramentos é emblemático por três razões. Primeiro, por tratar-se de uma empresa tradicionalíssima. Segundo, pelo fato de Plöger ter assumido a associação com o capital estrangeiro monopolista não somente como solução pragmática, mas como bandeira de luta: na condição de presidente da Abrasca (Associação Brasileira das Companhias Abertas), que reúne empresas com ações em bolsa, ele foi, entre 2004 e 2007, um dos dirigentes mais ativos do Plano Diretor do Mercado de Capitais (PDMC). Terceiro, porque a Melhoramentos continua acumulando prejuízos, o que diz bastante sobre o futuro que essa subordinação reserva às empresas que se submetem a ela e sobre a capacidade de seus impulsores como empresários. Ele é, no entanto, representativo de um fenômeno bem mais amplo.

Solução de compromisso

Com o regime de 64, associado ao crescimento da penetração imperialista, consolidou-se no Brasil — às custas do enfraquecimento da burguesia efetivamente nacional (média burguesia) — uma poderosa burguesia burocrática. Desde o Plano Real (1994), porém, essa burguesia vem tendo sua posição afetada pela ampliação das concessões ao capital estrangeiro. Durante a década de 1990, centenas de empresas brasileiras de grande porte, tidas como sólidas, desapareceram ou mudaram de mãos. Esse surto foi particularmente intenso em setores como alimentos (por exemplo, Batavo e Neugebauer, absorvidas pela italiana Parmalat) e autopeças (Freios Varga, adquirida pela estadunidense LES; Metal Leve, anexada pela alemã Mahle).

A partir da crise de 1999, essa contradição interna à coalizão das classes dominantes ameaçou desdobrar-se em confronto. Um amplo setor da burguesia burocrática — representado por figuras como o vice-presidente José Alencar (dono da indústria têxtil Coteminas) — rompeu com o bloco PSDB-PFL (atual DEM), que representa os interesses das transnacionais, dos bancos e da burguesia compradora, para disputar com eles o controle do Estado, servindo-se de legendas como o PT, o PMDB e o PL (hoje PRB). Antevendo o choque e com incerteza de seus efeitos, o sistema financeiro e os monopólios transnacionais ofereceram à burguesia burocrática a perspectiva da compradorização como alternativa ao desaparecimento. A instância formuladora e propagadora dessa perspectiva é o Plano Diretor do Mercado de Capitais (PD MC, ver AND 41), elaborado e conduzido por entidades como a Abrasca.

Ao erigir o mercado de ações e títulos em principal fonte de financiamento das grandes empresas, o PDMC abre uma porta para a satisfação de suas necessidades de curto prazo, contornando o potencial enfrentamento entre elas e o sistema financeiro por conta das taxas de juros. Em contrapartida, é também um mecanismo de absorção do controle dessas empresas (em português mais claro, de expropriação da burguesia burocrática), já que, ao abrir o capital e negociarem ações na bolsa, seus donos sujeitam-se a dividi-lo com os novos acionistas — em geral, fundos de investimento estrangeiros. Em 2007, 64 empresas lançaram ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa); 76% do dinheiro investido nessas ações — cuja contrapartida é a parcela do controle da empresa que elas representam — veio do exterior, principalmente dos EUA e UE.

A casa é deles

Esses acionistas estrangeiros passam a dirigir, nas sombras, os destinos de inúmeras empresas — muitas delas, bastante conhecidas. Muitas vezes, mantêm os antigos controladores como "rainhas da Inglaterra", mas passam a dar as cartas através de seus representantes nos conselhos de administração. Para esta tarefa, indicam seus homens de confiança — vários deles, dirigentes e nomes de destaque do Fórum Nacional e do PDMC, como Francisco Gros.

Gros preside, atualmente — por imposição do banco Credit Suisse, responsável pela venda das ações da empresa na bolsa —, o conselho administrativo da centenária Lojas Renner, capturada por fundos de investimento estrangeiros em 2005, após o antigo controlador (o grupo estadunidense J.C. Penney, que havia adquirido a empresa da família Renner em 1998) desfazer-se de todas as suas ações. Ao mesmo tempo, é vice-presidente do conselho da rede varejista Ponto Frio. Em meados de fevereiro deste ano, a revista IstoÉ Dinheiro noticiou que ele pressionava a família Safra-Monteverde, proprietária da empresa, a abdicar de seu controle, seguindo o exemplo da Renner e desfazendo-se da totalidade das ações que possui. A mesma matéria informava que os proprietários já haviam concordado em reduzir o percentual de ações em seu poder dos atuais 70% para 20%, abrindo espaço a sócios estrangeiros.

Entre a cruz e a espada

Não é para todos os segmentos, porém, que essa rendição pode dar-se de maneira confortável e isenta de percalços. Ela só é possível na medida em que for funcional para o imperialismo — o que não ocorre, por exemplo, nos setores têxtil e calçadista. Esses setores enfrentam, desde o início do Plano Real, uma situação bastante delicada. De um lado, perdem dinheiro com a constrição da demanda interna motivada pela queda do poder aquisitivo da população brasileira. De outro, têm que enfrentar, tanto aqui quanto em seus mercados de exportação, a concorrência predatória dos artigos asiáticos (cuja produção é baseada em padrões de exploração do trabalho ainda piores que os vigentes no Brasil). Estes fatores objetivos reforçam, em muitos representantes desses setores, um fator subjetivo: a resistência a renunciar à condição de controladores de empresas — condição que é a fonte de sua identidade sócio-econômica e de seu poder político. É o caso, por exemplo, de José Alencar, que passou a importar tecidos da China, recentemente demitindo 800 operários de sua fábrica em Montes Claros (MG). E busca ganhar mais ainda com isto: as demissões ocorreram há mais de 3 meses e até hoje não pagou ninguém.

Mas se, por um lado, essas circunstâncias colocam esse setor do empresariado em rota de colisão com o sistema financeiro (vide as constantes reclamações de Alencar sobre os juros), por outro, ele não se mostra capaz de formular sequer uma proposta de ruptura com a hegemonia financista e os monopólios transnacionais. Após sofrer, durante anos, a sangria e a expropriação imposta pelos bancos e pelas multinacionais, o máximo que a burguesia burocrática fez em termos de enfrentamento com eles foi tentar assustá-los com a eleição de Luiz Inácio — que, no final das contas, é tão ou mais benéfico para eles do que para ela própria. O fator determinante desta incapacidade de ruptura é constituído pelos antigos vínculos (inclusive familiares) entre essa burguesia e o latifúndio — peça-chave do sistema de poder e principal fator de atraso da economia brasileira e pobreza da população.

O cenário estrutural da economia, porém, não indica que a burguesia burocrática tenha possibilidades de estender muito (em termos de tempo histórico) suas possibilidades de sobrevivência. A opção que, cada vez mais, se coloca diante dela é: ou se compradoriza (e perde, com isto, a limitada autonomia que possui frente ao imperialismo), ou rompe com o bloco comprador-latifundiário-imperialista para se somar ao da burguesia nacional (média burguesia) e das classes populares (o que, pelas razões mencionadas, não ocorrerá, a não ser em termos de possíveis exceções individuais) ou desaparece. Não irá fazer muita falta.

A origem da expressão

A expressão "burguesia compradora" foi cunhada por Mao Tsetung durante a década de 1920. Mao identificou dois grandes segmentos na burguesia chinesa. O primeiro era a genuína burguesia nacional, formado, em sua maioria, por pequenos e médios industriais e comerciantes. Este setor era um aliado potencial dos trabalhadores, já que tinha real interesse no desenvolvimento autônomo da economia chinesa contra a ingerência imperialista.

O segundo era o que ele chamou de burguesia burocrática, constituída por grandes empresários vinculados ao sistema de poder latifundiário-imperialista. A burguesia burocrática divide-se em duas frações: a burocrática propriamente dita, cujo poder reside, antes de tudo, na relação privilegiada com as estruturas do Estado; e a compradora, que, sem abrir mão desse aspecto, tem na associação com o capital externo sua razão de ser, atuando como extensão dele.

Na China, esta última fração era constituída, principalmente, por comerciantes que adquiriam produtos europeus (preferencialmente ingleses) para revendê-los, controlando o mercado local em regime de monopólio. Daí a origem da expressão. O que caracteriza determinados setores das burguesias do terceiro mundo como compradores, porém, não é necessariamente a atuação como intermediários mercantis (que pode ocorrer ou não), mas, sobretudo, a integração subordinada à cadeia produtiva dos monopólios transnacionais (que pode assumir várias formas).

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait