Nilson Chaves, o 'violeiro amazônico'

A- A A+

http://anovademocracia.com.br/44/22c.jpg

Cantor, compositor e violonista, Nilson Chaves é um dos grandes representantes da música brasileira da região amazônica. Aos 50 anos de idade e dezessete discos gravados, ganhador de vários prêmios no Brasil e exterior, ele se orgulha de ser um 'cantador' fiel da legítima música popular brasileira.

Quando criança, seu pai trabalhava fazendo bailes na região, o que mantinha a família envolvida com música. Já aos 7 anos de idade começou a ouvir Dolores Duran, Maysa, Tito Madi, João Gilberto, Nara Leão, entre outros. Aos 12 passou a aprender violão e tentar compor.

— Conheci Vital Lima nessa época e crescemos musicalmente juntos, compondo, fazendo música para teatro e atuando como ator. Isso tudo em Belém — conta.

Mais tarde mudou-se para o Rio, levando consigo cartas de apresentação do maestro Waldemar Henrique, e as entregando, entre outros, a Sebastião Tapajós e ao maestro Guerra Peixe.

— Tornei-me amigo e irmão de Sebastião Tapajós, e passamos a tocar e compor juntos. O Maestro Guerra Peixe me atendeu carinhosamente e, durante seis meses, passei a estudar de graça com ele. Até 1980 considero minha vida musical um aprendizado — diz.

Nilson considera que sua carreira de músico profissional começou quando gravou seu primeiro vinil, em 1981, com a ajuda de Cristovan Araújo, um grande amigo.

— Ele é meu parceiro na canção Olho de Boto que é um hino até hoje em Belém. Foram muitos os que me inspiraram e também me apoiaram, como: Antonio Adolfo, Taiguara, Toninho Horta, Flavio Venturini, Lenine, Leci Brandão, João do Vale, Celso Viáfora e Gonzaguinha, de quem fiquei bem próximo — enumera.

— Tive o privilégio de viver sempre de música. De 1980 até 86 fiz muitos festivais, sendo que em 1984 com o lançamento do meu segundo vinil, em parceria com Vital Lima, comecei a direcionar minha carreira em shows e viagens pelo Brasil, sempre participando do programa de televisão Som Brasil, apresentado na época por Rolando Boldrin, uma pessoa que admiro muito — elogia.

Longe da sua região, Nilson sentia muita saudade e para aliviar criava canções falando desse sentimento, mencionando nas letras tudo o que o levava até lá: os sabores, as lendas, os hábitos, o sotaque, cheiro de rios, florestas e tudo que estava nele e permanece até hoje.

— Assumi a música amazônica mesmo sabendo que o mercado brasileiro não tinha interesse em tocá-la. Sabia que era difícil, mas acreditava que um dia poderia ser respeitado, apesar de ter recebido propostas de gravadoras para mudar meu estilo e passar a cantar algo dentro do mercado, o que sempre recusei — declara.

Parcerias, viagens e resistências

Nilson já fez parcerias, entre outros, com artistas da região amazônica, como Zé Miguel do Amapá, Bado de Roraima, Graça Gomes e Sérgio Souto do Acre, Eliana da Amazonas e muitos outros.

— Sempre gostei de dividir palco com companheiros. Esses encontros renderam-me experiência, admiração, aprendizado, tudo que é positivo em um encontro de pessoas. Sempre que vou a uma cidade, procuro ouvir e conhecer os companheiros. Isso me enriquece.

Há mais de dez anos Nilson tem levado as tradições amazônicas para o exterior, através de muitas turnês, principalmente a países da Europa. Já teve, inclusive, dois CDs, Tudo Índio e Amazônia Brasileira, gravados por um selo alemão.

— Essas viagens são exatamente por eu cantar a música brasileira amazônica que tem nome muito forte lá fora. O que fazemos na verdade é a música brasileira, mas com uma cara amazônica. Costumo dizer que se eu fizesse um samba, ele seria um samba amazônico e não carioca, porém continuaria a ser brasileiro — fala.

— Por aqui temos ritmos populares como carimbó, lundu, marujada, retumbão, síria no Pará, batuque e caribenho/indígeno, boi-bumbá, os cantos ribeirinhos do Amazonas, enfim, uma variedade de ritmos brasileiros de qualidade.

Nilson tem recebido os títulos de 'violeiro amazônico' e 'cantador paraense', ao longo de sua carreira, o que lhe faz sentir-se honrado.

— Meu instrumento é o violão. O título de violeiro é mais por cantar uma música nativa falando de seus hábitos e raízes. Não temos viola por aqui e nem essa cultura violeira, e sim tambores, violão, e outros instrumentos naturais. Imagino que esses títulos vieram de minha postura insistente de cantar a região. E o povo daqui ama sua cultura e tem orgulho disso.

Segundo Nilson o artista sempre foi e continuará sendo uma força de resistência.

— Grandes movimentos musicais brasileiros aconteceram dentro de uma situação caótica do país, a ditadura militar. O artista tem na sua arte o seu motivo de vida, e quanto mais sofre mais cria força de superação. Em geral, a arte verdadeira é resistente, questionadora, audaciosa, apaixonante e duradoura — declara.

— E essa arte sofre opressão. Por exemplo, hoje não temos chance de aparecer na grande mídia, porque vamos provocar reflexões no povo. Vivemos em uma democracia que tem o comportamento de: 'tudo pode ser dito e falado, tudo é livre, você pode dizer o que quiser, mas o poder também tem direito 'democrático' de publicar, divulgar ou não'. E é muito prática essa democracia vestida de uma liberdade silenciosa e demagoga— acrescenta.

Nilson questiona o fato das músicas descartáveis, como axés, pagodes, funks, sertanejos e outros, serem consideradas populares.

— A música popular no meu entender é aquela que se identifica com seu povo. Que retrata suas angústias, seus amores, seu hábito, seu cotidiano, sua história — declara.

— É muito fácil ser popular quando se tem por traz rádios, televisões e jornais massificando-as. Popular para mim é Geraldo Azevedo, Paulinho Pedra Azul, Chico César, Chico Buarque, Xangai, Zeca Baleiro e tantos outros, e o povo canta suas músicas mesmo sem essas tocarem nas grandes rádios e Tvs abertas — acrescenta.

Ele se considera um cantador que construiu uma base para o seu trabalho durante muitos anos, sempre considerando sua raíz, juntamente com outros artistas que fazem um trabalho dentro da música brasileira.

— Nós resistimos, porque fazemos parte da história e não dos descartáveis. O público torce pelo nosso trabalho e compra nossos CDs. Os artistas da noite cantam nossas canções e assim nos mantém vivos — fala.

Nilson Chaves lançou em maio o DVD Gente da mesma floresta, com um show que considerou 'forte e inesquecível', e no momento está preparando outro DVD, com Vital Lima e um CD/DVD com o Trio Manari e o percussionista Mapyu.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait