Sobre a palavra de ordem dos Estados Unidos da Europa

A- A A+

Nota da redação: Por ocasião da publicação de vários textos que se referem à União Européia, julgamos conveniente a divulgação de parte deste artigo de Lenin, escrito em 1915, onde o autor traça uma perfeita avaliação do que representaria o advento dos "Estados Unidos da Europa", pondo fim aos argumentos oportunistas da II Internacional, que advogava o apoio dos social-democratas (os comunistas) a tal palavra de ordem. Aqui também encontra-se fundamentada a tese leninista de que é possível a realização da revolução socialista em um só país, contrariando também os oportunistas, que acreditavam só ser possível a revolução em todos os países capitalistas da Europa.

http://anovademocracia.com.br/44/18b.jpg(...) Do ponto de vista das condições econômicas do imperialismo, isto é, da exportação de capitais e da partilha do mundo pelas potências coloniais "avançadas" e "civilizadas", os Estados Unidos da Europa, sob o capitalismo, ou são impossíveis, ou são reacionários.

O capital tornou-se internacional e monopolista. O mundo está repartido entre um punhado de grandes potências, isto é, de potências que prosperam na grande pilhagem e opressão das nações. As quatro grandes potências da Europa, Inglaterra, França, Rússia e Alemanha, com uma população de 250 a 300 milhões de habitantes e com uma superfície aproximada de 7 milhões de quilômetros quadrados, possuem colônias com uma população de quase quinhentos milhões (494,5 milhões), com uma superfície de 64,6 milhões de quilômetros quadrados, isto é, quase metade do globo terrestre (133 milhões de quilômetros quadrados sem a região polar). Acrescentai a isto três Estados asiáticos, a China, a Turquia e a Pérsia, que são agora despedaçados pelos salteadores que fazem uma "guerra libertadora", precisamente o Japão, a Rússia, a Inglaterra e a França. Estes três Estados asiáticos, que podem chamar-se semicolônias (de fato eles são agora colônias em 9/10), têm 360 milhões de habitantes e 14,5 milhões de quilômetros quadrados de superfície (isto é, quase 1,5 vez mais do que a superfície de toda a Europa).

Além disso, a Inglaterra, a França e a Alemanha investiram no estrangeiro um capital não inferior a 70 mil milhões de rublos. Para receber o rendimentozinho "legítimo" desta agradável soma — um rendimentozinho superior a três mil milhões de rublos anuais — atuam os comitês nacionais de milionários, chamados governos, dotados de exércitos e de marinhas de guerra, que "instalam" nas colônias e semicolônias os filhinhos e os irmãozinhos do "senhor milhões" na qualidade de vice-reis, cônsules, embaixadores, funcionários de toda a espécie, padres e outros sanguessugas.

Do ponto de vista das
condições econômicas
do imperialismo,
os Estados Unidos da Europa,
sob o capitalismo,
ou são impossíveis,
ou são reacionários

Assim está organizada, na época do mais elevado desenvolvimento do capitalismo, a pilhagem de aproximadamente mil milhões de habitantes da Terra por um punhado de grandes potências. E no capitalismo é impossível qualquer outra forma de organização. Renunciar às colônias, às "esferas de influência", à exportação de capitais? Pensar nisso significa descer ao nível dum padreco que todos os domingos prega aos ricos a grandeza do cristianismo e aconselha a dar aos pobres ... bem, se não uns quantos milhões, pelo menos umas quantas centenas de rublos por ano.

Os Estados Unidos da Europa, no capitalismo, equivalem ao acordo sobre a partilha das colônias. Mas no capitalismo é impossível outra base, outro princípio de partilha que não seja a força. O multi-milionário não pode partilhar o "rendimento nacional" de um país capitalista com quem quer que seja, a não ser numa proporção "segundo o capital" (acrescentando ainda por cima que o capital maior deve receber mais do que lhe cabe). O capitalismo é a propriedade privada dos meios de produção e a anarquia da produção. Preconizar a "justa" partilha do rendimento nesta base é proudhonismo, estupidez de pequeno burguês e filisteu. Não se pode partilhar de outra maneira que não seja "segundo a força". E a força muda no curso do desenvolvimento econômico. Depois de 1871, a Alemanha fortaleceu-se umas 3-4 vezes mais rapidamente do que a Inglaterra e a França, o Japão umas 10 vezes mais rapidamente que a Rússia. Para comprovar a verdadeira força do Estado capitalista, não há nem pode haver outro meio que não seja a guerra. A guerra não está em contradição com as bases da propriedade privada, mas é um desenvolvimento direto e inevitável destas bases. No capitalismo é impossível o crescimento uniforme do desenvolvimento econômico das diferentes economias e dos diferentes Estados. No capitalismo são impossíveis outros meios de restabelecimento de tempos a tempos do equilíbrio alterado que não sejam as crises na indústria e as guerras na política.

Naturalmente, são possíveis acordos temporários entre os capitalistas e entre as potências. Neste sentido são possíveis também os Estados Unidos da Europa, como acordo dos capitalistas europeus... sobre o quê? Unicamente sobre como esmagar conjuntamente o socialismo na Europa, defender conjuntamente as colônias roubadas contra o Japão e a América, os quais foram extremamente lesados com a atual divisão das colônias e se fortaleceram no último meio século com uma rapidez incomensuravelmente maior do que a atrasada e monárquica Europa, que começou a apodrecer de velha. Em comparação com os Estados Unidos da América, a Europa no seu conjunto significa a estagnação econômica. Na atual base econômica, isto é, no capitalismo, os Estados Unidos da Europa significariam a organização da reação para retardar o desenvolvimento mais rápido da América. Os tempos em que a causa da democracia e a causa do socialismo estavam ligados somente à Europa ficaram definitivamente para trás.

Os Estados Unidos do mundo (e não da Europa) são a forma estatal de unificação e de liberdade das nações, que nós relacionamos com o socialismo — enquanto a vitória completa do comunismo não conduzir ao desaparecimento definitivo de todo o Estado, incluindo o democrático. Como palavra de ordem independente, a palavra de ordem dos Estados Unidos do mundo, todavia, dificilmente seria justa, em primeiro lugar porque ela se funde com o socialismo; em segundo lugar, porque poderia dar lugar à falsa interpretação da impossibilidade da vitória do socialismo num só país e das relações deste país com os outros.

A desigualdade do desenvolvimento econômico e político é uma lei absoluta do capitalismo. Daí decorre que é possível a vitória do socialismo primeiramente em poucos países ou mesmo num só país capitalista tomado por separado. O proletariado vitorioso deste país, depois de expropriar os capitalistas e de organizar a produção socialista no seu país, erguer-se-ia contra o resto do mundo, capitalista, atraindo para o seu lado as classes oprimidas dos outros países, levantando neles a insurreição contra os capitalistas, empregando, em caso de necessidade, mesmo a força das armas contra as classes exploradoras e os seus Estados. A forma política da sociedade em que o proletariado é vitorioso, derrubando a burguesia, será a república democrática, que centraliza cada vez mais as forças do proletariado dessa nação ou dessas nações na luta contra os Estados que ainda não passaram ao socialismo. É impossível a liquidação das classes sem a ditadura da classe oprimida, o proletariado. É impossível a livre unificação das nações no socialismo sem uma luta mais ou menos longa e tenaz das repúblicas socialistas contra os Estados atrasados.

Eis por força de que razões, em resultado de repetidas discussões da questão na conferência das secções do POSDR no estrangeiro, e depois da conferência, a relação do Órgão Central chegou à conclusão de que a palavra de ordem dos Estados Unidos da Europa é errada.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait