Geórgia/Ossétia do Sul: Mais uma guerra pela partilha do mundo

A- A A+

Durante quatro dias, de 7 a 11 de agosto, a Ossétia do Sul, na Geórgia, região da Transcaucásia — entre os mares Negro e Cáspio — viveu um intenso bombardeio e ocupação por parte da Rússia, numa guerra há muito anunciada e fomentada pelas principais potências imperialistas mundiais com vistas a disputar esta região geoestratégica.

http://anovademocracia.com.br/46/15.jpg

Região autônoma remanescente da antiga União Soviética, a Ossétia do Sul, ainda submetida à Geórgia, declarou independência em 1992, logo após a dissolução da URSS, sendo, desde então, duramente reprimida pelos governos georgianos. Como a maioria da população possui cidadania russa, a sua proteção se tornou a principal justificativa para a ofensiva da Rússia contra a Geórgia.

É importante destacar que o ataque da Rússia foi desfechado em resposta a uma série de ações político-militares repressivas aos ossetianos por parte do governo da Geórgia, que em 7 de agosto enviou tropas à Ossétia para ocupar a região separatista, tudo sob as bençãos do governo ianque, que alimenta grandes interesses naquela região, tradicional área de influência do imperialismo russo. As tropas georgianas bombardearam intensamente a capital da Ossétia do Sul, Tskhinvali, deixando cerca de 2 mil mortos, outros milhares de feridos e uma multidão de refugiados.

Após o ataque russo, choveram acusações de parte a parte sobre genocídio e "limpeza étnica". De um lado, o presidente da Geórgia Mikhail Saakashvili, denunciou que a Rússia vinha patrocinando os ossetianos de origem russa a exterminar os georgianos que habitavam a região desde que esta se proclamou independente em 1992. Por outro lado, os russos rebatem dizendo que a Geórgia promovia a perseguição aos russos no país.

As tropas russas ocuparam boa parte do território georgiano já fora da Ossétia, chegando até a cidade de Gori (terra natal de Stálin), de onde recuaram depois do acordo de paz entre Saakashvili e o testa-de-ferro de Vladimir Putin, Dimitri Medvedev, o presidente da Rússia.

Para se entender a essência dos conflitos na região é necessário saber o que está em jogo e o papel do USA, da União Européia e a desmoralizada ONU.

Petróleo, sempre o petróleo

O controle das fontes de energia é fundamental para o imperialismo, principalmente neste momento de agudização da crise econômica. A região dos Bálcãs e do Mar Cáspio, há muito controlada pelos russos se tornou área de intensa disputa interimperialista, tanto as regiões produtoras propriamente ditas, como as adjacentes, cortadas por imensa rede de oleodutos e com vários outros em planejamento ou construção.

Por um lado a Rússia, se recuperando economicamente graças ao petróleo, tenta manter a influência econômica na região. Por outro, o USA tenta implantar suas bases, sendo parte deste esforço as invasões do Iraque e do Afeganistão, bem como o armamento da Geórgia para a guerra da vez. Há ainda o projeto de escudo anti-mísseis que o USA pretende instalar nas fronteiras da Rússia, particularmente se aproveitando da passagem ao domínio ianque das ex-repúblicas soviéticas, como a Ucrânia, Estônia, Letônia, Lituânia, a própria Geórgia — que negocia sua aceitação na OTAN — e outras. Ainda durante a crise no Cáucaso, a Polônia assinou o acordo que permite ao USA a instalação do escudo em seu território.

A União Européia, por sua vez, tenta diminuir a influência russa na Eurásia, particularmente reduzindo a dependência que tem do petróleo daquele país. Esta dependência se inicia pelo oleoduto de Druzhba (amizade) construído para abastecer o então bloco socialista. É o oleoduto mais longo do mundo (4.000 km) atingindo a Hungria e Alemanha para onde leva 1,4 milhões de barris de petróleo vindos da Sibéria. Os russos construíram ainda outros oleodutos e gasodutos para abastecer a Europa, a China e o Japão. Atualmente está sendo construído um gasoduto que vai pelo Báltico até a Alemanha a um custo de 8 bilhões de Euros, que deverá suprir 25% das necessidades de gás da Europa, sendo estes apenas alguns exemplos.

Para tentar diminuir a dependência, a União Européia utiliza-se do duto azerbaijano-turco, financiado pelo USA, que transporta óleo desde o Cáspio até o Mediterrâneo, sendo o segundo mais longo oleoduto do mundo. Outro exemplo é o consórcio Sarmantia cujo oleoduto parte do Cáspio passa pelo Mar Negro e chega até o Báltico, passando pela Geórgia, Ucrânia, Polônia e Lituânia. Os dois dutos não tocam solo russo.

E o tal mundo unipolar?

Esse quadro mostra as manobras políticas feitas pelo USA, a União Européia e a Rússia na região e que conflitos regionais só tendem a se agravar. A guerra relâmpago entre a Rússia e a Geórgia é um dado deste quadro intrincado de interesses econômicos e geopolíticos. A Rússia vem ainda se posicionando do lado do Irã, que se recusa a se submeter às imposições do USA através da ONU a respeito do projeto envolvendo energia nuclear e sua tecnologia. Há, portanto, a conformação de blocos econômico-militares que expressam essas contradições interimperialistas, na disputa pela partilha e repartilha do mundo, tendo que recorrer à guerra como "argumento" final.

O imperialismo é "viciado" em petróleo, com um consumo intenso e desregrado, fruto de uma produção anárquica, o que torna urgente a repartilha daquela parte do mundo (o que não quer dizer que o processo de partilha não seja mundial). Esta partilha foi preparada com a guerra do Afeganistão e se iniciou de fato com a invasão do Iraque. Mas enganaram-se aqueles que acreditaram que o USA poderia manter inalterada sua condição de superpotência única no mundo, e que as contradições interimperialistas haviam cessado no mundo, como querem fazer crer alguns teóricos burgueses e revisionistas/oportunistas. A atual postura dos russos, mostrando que não abrirão mão de seus interesses chauvinistas, particularmente na região que conformou a ex-União Soviética, é prova de que as contradições interimperialistas só tendem a se agravar no futuro próximo. Essas são as novas condições da partilha do mundo pós-Guerra Fria, em que a Rússia — que nuca perdeu seu posto de potência militar-nuclear — vem recuperando certo poder econômico e lutando para não perder suas áreas de influência num mundo cada vez mais retalhado e disputado pelas potências imperialistas.

A ONU, atuando como o verdadeiro balcão de negócios que é, assiste a tudo de mão atadas pelos interesses das grandes potências militares. Uma vez que o USA e a União Européia exigem a condenação internacional do ataque russo, a ONU nada pode fazer, porque a Rússia tem poder de veto em seu conselho de segurança, o que inviabiliza qualquer medida punitiva.

Guerra e eleições no USA

Nas atuais condições de grave crise geral do sistema, tornou-se impossível a sobrevivência do imperialismo sem a manutenção de sua guerra infinita aos povos das colônias e semicolônias, além da repressão interna e da possibilidade de confrontos entre as potências.

As guerras de agressão promovidas principalmente pelo USA, mas com concurso de outras potências, notadamente da Europa, mostram o beco sem saída em que se encontram. O Iraque está longe de chegar à paz dos cemitérios desejada pelos monopólios mundiais, devido a atuação firme da heróica resistência iraquiana. O Afeganistão vive um novo auge da resistência e os inúmeros processos revolucionários que se desenvolvem em diferentes partes do mundo demonstram que o imperialismo não é imbatível e que seu poder está sendo ameaçado. Uma vez que esta situação trágica é ainda a condição da existência do imperialismo, é impossível a suspensão da política de guerras de rapina.

Devido à política claramente belicista dos republicanos o presente quadro pode influenciar decisivamente as eleições presidenciais no USA em favor dos democratas. No entanto, a diferença entre Obama e McCain é basicamente de estilo e tanto as guerras imperialistas como as contradições interimperialistas seguirão se agravando, podendo levar a um novo conflito de proporções mundiais, que colocaria novamente a Europa no centro.

A situação no Cáucaso é bem diferente da ocorrida nos Bálcãs, por exemplo, onde a Rússia tinha poucas condições de intervir no conflito, que teve o destino selado pela atuação da OTAN, mais uma vez capitaneada pelo USA. No caso da Ossétia, pelo contrário, a resposta russa seria imediata, como demonstrou a reação contra a Geórgia.

Como o socialismo tratou o problema nacional

A autodeterminação (política, econômica e cultural) dos povos, ou seja, o direito das nações disporem de si próprias para o que quiserem, sempre foi tema de estudo entre os revolucionários do mundo. O marxismo, particularmente, desenvolveu a solução mais avançada e acorde com os interesses do proletariado mundial a respeito do tratamento das minorias nacionais tanto sob o imperialismo como no socialismo.

Uma das obras de destaque nesse campo é o estudo de Stálin O marxismo e o problema nacional e colonial,na qual são expostas as condições para a identificação de uma nacionalidade e a política a ser adotada pelos comunistas quanto à luta contra a opressão nacional.

Historicamente, apenas os Estados socialistas foram capazes de solucionar satisfatoriamente o problema nacional, isto porque, mesmo sob uma federação, as nacionalidades mantiveram a liberdade de decidir seu futuro. Um dos primeiros decretos de Lenin após a Revolução Russa reconhecia o direito de autodeterminação das nações oprimidas pelo Império Russo e conclamava o proletariado e o campesinato dessas nações a garantirem o triunfo da Revolução também em seus territórios. Em primeiro de dezembro de 1922, numa união voluntária de dezenas de nacionalidades e repúblicas, era criada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

A política soviética para as nacionalidades reconhecia a importância do ensino da língua nacional, criou universidades e publicou milhares de livros e jornais nas diferentes línguas dos povos que compunham a URSS. Os povos continuaram a desenvolver suas culturas próprias, numa ampla rejeição dos costumes feudais, uma vez que o processo era dirigido pelo proletariado. A economia das diferentes regiões era planejada de acordo com as necessidades dos diferentes povos e de toda URSS, já que se desenvolvia intensa cooperação entre as repúblicas.

Em 2 de maio de 1945, a bandeira vermelha da URSS tremulava em Berlim, estava derrotado o nazismo. Por mais que se tente minimizar o papel da URSS na guerra, não resta dúvida sobre qual foi a principal força aliada naquele feito histórico e muito menos sobre a justeza daquela guerra antifascista. Tal vitória só foi possível devido à união de povos como o russo, armênio, georgiano, ucraniano, tadjiques, para citar apenas alguns. O Exército Vermelho falava em diversos idiomas a consigna de derrotar o nazismo, de libertar a União Soviética e o mundo.

Esse clima de cooperação, no entanto, foi substituído por um chauvinismo de grande potência quando da restauração do capitalismo na URSS pelas mãos de Kruchev, inaugurando a fase social-imperialista da Rússia, quando as nacionalidades voltaram a ser subjugadas e tratadas como semicolônias. A partir daí e mais ainda com o fim da URSS, a paz e a união deram lugar ao canhão no que diz respeito à questão nacional, que o digam o Kosovo, a Tchechênia e agora a Geórgia e a Ossétia.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait