A falência da justiça de um Estado em decomposição

A- A A+

A sociedade brasileira, onde meia dúzia de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, detém a maior parcela do produto do trabalho da nação enquanto a grande massa da população sobrevive a duras penas.

http://www.anovademocracia.com.br/50/3a.jpgTudo isso que chamam de democracia brasileira está bichado de tal  maneira que só os tolos podem acreditar que o momento no qual vivemos é parte de um processo de aperfeiçoamento democrático, como afirmam os mistificadores de nossa realidade.

O monopólio dos meios de comunicação não se cansa de cantar em prosa e verso o que eles consagraram como a democracia brasileira. Para isto, mascaram a realidade de tal maneira que levam as pessoas a não enxergarem um milímetro sequer além das falsas evidências que eles despejam diariamente através de seus veículos.

Recebeu destaque no início deste ano a pesquisa realizada pelo Instituto Nexus sobre as instituições brasileiras. A Justiça Eleitoral foi avaliada como a instituição com maior credibilidade por 73% dos entrevistados, em seguida aparece a Polícia Federal, com 67%, o Governo Federal, com 65% e o poder judiciário com 64%.

Vejam só como funcionam as tais pesquisas de conveniência: os monopólios expõem, geralmente através da propaganda paga, a instituição a ser avaliada e, em seguida, os institutos “constatam”, através de pesquisas, a aceitação do “produto”  pela população. Alguns exemplos explicam melhor como se processa a formação da “opinião pública”: nas últimas eleições, rios de dinheiro foram gastos pela Justiça Eleitoral para  acobertar o corrupto e apodrecido processo eleitoral praticado no Brasil. As espetaculares ações da Polícia Federal no jogo de faz-de-conta em que se transformou a prisão de corruptos de alto coturno no Brasil, onde horas de noticiário são gastos para  mostrar a  PF em ação e no dia seguinte, em apenas alguns segundos, o âncora do telejornal anuncia  que a Justiça mandou soltar o preso; o governo federal descarrega uma verdadeira enxurrada de propaganda de programas focalizados, segundo uma orientação do Banco Mundial, para atender algumas parcelas da população, mas o anúncio dá a entender que ela é ampla e irrestrita.

Como pode a justiça ser bem avaliada num dos países mais injustos do mundo? Se utilizarmos as informações das próprias agências do imperialismo, como é o caso do Pnud, órgão que faz a aferição do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), constataremos  que a injustiça está na base da sociedade brasileira, onde meia dúzia de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, detém a maior parcela do produto do trabalho da nação enquanto a grande massa da população sobrevive a duras penas.

No Brasil, a fatia mais rica tem um IDH de 0,997, próximo do máximo (1,000). O número é maior que o IDH do país que encabeça o último ranking, a Islândia (IDH de 0,968), e supera o valor correspondente aos 20% mais ricos de todos os outros países calculados, incluindo o do Canadá (0,967) e o da Suécia (0,959), terceiro e sétimo lugar na lista, respectivamente. O atual IDH do Brasil é de 0,807, mas as camadas mais pobres estariam sujeitas a condições correspondentes a um IDH de 0,610, ficando abaixo do segmento mais pobre da Indonésia (0,613), do Vietnã (0,626), do Paraguai (0,644) e da Colômbia (0,662). O IDH dos mais pobres brasileiros é comparável ao IDH da Índia (0,609).

As instituições deste Estado deteriorado funcionam em função de garantir a manutenção deste status quo e não de sua superação. As instituições jurídicas, desde os conteúdos curriculares dos cursos jurídicos, estão em função de assegurar a semicolonialidade e  a semifeudalidade que apadrinham os privilégios dos mais ricos e asseguram a exploração dos mais pobres.

Já tivemos oportunidade, aqui em AND, de mostrar como esta decomposição se manifesta tanto no chamado poder executivo quanto no chamado poder legislativo. Citaremos a seguir alguns acontecimentos recentes que reforçam nossas afirmações sobre o caráter das instituições brasileiras, concentrando no funcionamento da Justiça em função da manutenção da injustiça subjacente na sociedade brasileira.

O cotidiano da podre justiça brasileira:

Episódio 1
Satiagraha abriu uma verdadeira "caixa de Pandora". Negócios ligados ao nome do banqueiro Daniel Dantas, desde o governo Fernando Henrique até a gestão Lula, foram colocados no centro do debate político de uma hora para outra. O Judiciário está em polvorosa por conta do embate entre a Justiça Federal de primeira instância e o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal). É discutida a necessidade de manter ou não o banqueiro preso. (Folha Online de 14/07/2008)

Episódio 2
Revelações do delegado da Polícia Federal Carlos Eduardo Pellegrini, que atuou na Operação Satiagraha, indicam que a PF apreendeu, no apartamento do banqueiro Daniel Dantas, documentos que comprovam o pagamento “de propinas a políticos, juiz, jornalistas” no valor de R$ 18 milhões. (Wikipédia.org)

Episódio 3
A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira o presidente do TJ (Tribunal de Justiça) do Espírito Santo, desembargador Frederico Pimentel, e mais seis pessoas suspeitas de participarem de um suposto esquema de venda de sentenças em troca de favores e vantagens pessoais.  (Folha Online, 09/12/2008)

Episódio 4
O cabo da Polícia Militar (PM) do Rio William de Paula foi absolvido na noite desta quarta-feira da acusação de matar o menino João Roberto Amorim, de 3 anos, em julho deste ano, durante uma perseguição policial na zona norte da cidade. No entanto, ele foi considerado culpado pelo crime de lesão corporal leve à mãe do garoto, Alessandra Amorim Soares, e ao irmão de João Roberto, Vinícius, que estavam no carro que foi confundido com o veículo de criminosos. Por isso, o PM deverá prestar 7 meses de serviços comunitários. (Estado de São Paulo, 11/12/2008)

Episódio 5
Brasília – Por dez votos a quatro, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara rejeitou, há pouco, o parecer do deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que propunha a cassação do mandato do deputado Paulo Pereira (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical. O parlamentar é acusado de participar de esquema de desvio de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BDES). (Valor Online, 11/12/2008)

Episódio 6
Brasília – O banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunity, foi condenado hoje (2) a dez anos de prisão por corrupção ativa, em sentença assinada pelo juiz Fausto De Sanctis, da 6ª Vara Criminal de São Paulo. Dantas é acusado de tentar subornar um delegado da Polícia Federal para ter seu nome excluído das investigações da Operação Satiagraha, da Polícia Federal. Foram condenados ainda o consultor Hugo Chicaroni e o assessor de Dantas, Humberto Braz, ambos a sete anos de prisão, por terem cumprido o papel de intermediários na oferta de suborno. Eles teriam oferecido ao delegado da PF Victor Hugo Rodrigues Alves US$ 1 milhão para excluir o nome de Dantas da investigação. Todos eles podem recorrer da decisão em liberdade, uma vez que o juiz não expediu mandado de prisão contra eles. (Gazeta Mercantil,12/02/2008)

Episódio 7
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu nesta quarta-feira (5) à noite liminar que suspende decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia que havia cassado o mandato do governador Ivo Cassol (sem partido). Cassol e seu vice,  João Aparecido Cahulla, eram acusados de compra de votos na eleição de 2006. Pela decisão, Cassol fica no cargo até julgamento definitivo pelo TRE de Rondônia. (G1, 05/11/2008)

Episódio 8
Em sentença publicada agora (12.01.2009), no Diário da Justiça, o juiz da 9ª Vara Federal Judiciária do Distrito Federal (DF), Alaor Piacini, acolheu a defesa prévia apresentada por José Dirceu e seu advogado, Rodrigo Alves Chaves, e o excluiu liminarmente da ação. Um dos argumentos em que fundamentou sua sentença, segundo o juiz, é que de acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), fixada a partir do julgamento de reclamação feita à Corte, ministros de Estado — cargo que José Dirceu ocupava quando teria praticado o ato do qual foi acusado — por atuarem sob a égide da Lei do Crime de Responsabilidade, não se submetem aos dispositivos da Lei de Improbidade Administrativa. (Blog do Noblat, 12/01/2009)

Episódio 9
Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, concedeu ontem liminar em habeas corpus para livrar da prisão o publicitário Marcos Valério. Valério estava preso desde 17 de outubro passado, quando a Polícia Federal realizou a Operação Avalanche com o objetivo de desbaratar uma quadrilha acusada de praticar extorsão, fraudes fiscais e corrupção. Segundo a PF, a quadrilha era composta por empresários e funcionários públicos que atuavam em São Paulo e em Minas Gerais.

Além de Valério, Mendes também determinou a soltura de seu ex-sócio Rogério Lanza Tolentino e dos agentes da PF Paulo Endo e Daniel Ruiz Balde. Eles estavam presos na Penitenciária II de Tremembé, em São Paulo.

O presidente do STF justificou a decisão alegando que é entendimento do tribunal de que os acusados em operações da PF só devem ser mantidos presos caso seja necessário para manter a condução das investigações, ou na hipótese de eles apresentarem riscos à sociedade. Mendes considerou que os argumentos da 6ª Vara de Santos para que eles fossem mantidos presos - o risco de a quadrilha prejudicar as investigações - eram "fortemente especulativos". (O Globo, 15/01/2009)

Episódio 10
Já a gaúcha Caroline Pivetta da Mota, por causa de uma simples pixação na Bienal, foi presa com violência e ficou detida por 54 dias na penitenciária feminina no bairro do Carandiru na Zona Norte de São Paulo.

Quando falamos em  falência, apodrecimento e deterioração do Estado e suas instituições não estamos afirmando que em um determinado período da nossa história eles foram sãos e verdadeiramente democráticos. Não, desde o seu surgimento como Estado semicolonial, albergando os resquícios da feudalidade, ele tem  estas características. O que queremos ressaltar aqui é que com o aumento da exploração imperialista sobre a nação estas características são exacerbadas, elevando-se à enésima potência. Assim, a Presidência da República e seus  ministérios,  as forças armadas e policiais em todos os níveis, os Tribunais de Justiça em todos os níveis, o Senado Federal e a  Câmara dos Deputados, os Bancos Oficiais, os Governos e assembléias estaduais, as prefeituras e câmaras  municipais, são todos correia de transmissão de um sistema espoliativo  à semelhança de um tumor canceroso que se nutre de todo o organismo.

Afinal, a eleição de Michel Temer e José Sarney, respectivamente, para as presidências da Câmara e do Senado, como deprimente retrato da realidade da política oficial do país, não é um escarro na cara de quem não quer ver por detrás das brilhantes e luxuosas fachadas o monturo colossal que chegou o velho Estado brasileiro? Mas a que mais poderia chegar o quase bicentenário Estado burocrático e genocida dos grandes burgueses e latifundiários, a serviço do imperialismo?

Diferente dos oportunistas de todo tipo (a falsa esquerda reformista e eleitoreira) e dos ingênuos que acreditam poder corrigir tais instituições salgando carne podre, nós afirmamos com os precursores e continuadores do socialismo científico que uma  sociedade justa e verdadeiramente democrática em nosso país só poderá erigir-se sobre os escombros calcinados destas velhas e carcomidas instituições.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait