Editorial - A infinita heroicidade do povo palestino

A- A A+

Mais de vinte dias de bombardeios aéreos e ataques terrestres por parte do Estado fascista de Israel, 1.300 mortos, mais de cinco mil feridos e muito da infra-estrutura destruída não foram capazes de dobrar os palestinos que resistem há mais de 60 anos ao roubo de suas terras pelos imperialistas e sionistas. Um ataque covarde, justificado por mentiras pré-fabricadas e obedecendo a um plano anterior de extermínio dos palestinos confinados na Faixa de Gaza.

Dezoito meses de bloqueio após a vitória do Hamas nas eleições que derrotaram o capitulacionismo e servilismo da Al Fatah, do pusilânime Mohamed Abbas, tentaram enfraquecer a Resistência para que fosse descabeçada e eliminada, mas o que se viu foi um devotamento sem par à causa da libertação nacional dos palestinos.

O Hamas, hoje, é de forma inconteste a liderança mais firme e genuína da Resistência e causa de libertação da Palestina. Organizou as massas para prosseguir a Resistência, liderou os combates e protegeu o que pôde para não ficar esfacelado pelos genocidas ataques sionistas. Tudo isso para poder, dentro do seu terreno, aniquilar um a um o invasor numa batalha prolongada. O que restou aos facínoras foi a retirada de suas hordas sanguinolentas sem derrotar a direção da Resistência.

Escorraçados anteriormente do Líbano, pensaram ter aprendido com a derrota humilhante e lançaram um ataque de surpresa, devastador e relâmpago com o objetivo de em um só golpe destruir a infra-estrutura e a direção da Resistência, para em seguida dar posse aos colaboracionistas da títere "Autoridade Palestina". Fracassaram rotundamente! Mais um covarde, genocida e protervo crime de lesa humanidade coroado de derrota, que ademais de sua monstruosidade nazista só conseguiu coesionar ainda mais as massas palestinas na Resistência indobrável chefiada pelo Hamas e acumular um saldo de razões que no futuro negarão quaisquer direito de existência de tal medonho Estado. O Estado de Israel, como outros monstros, está condenados à tumba negra e oprobriosa da história.

O monopólio dos meios de comunicação tenta a todo custo fazer parecer que o Estado fascista de Israel é uma instituição "democrática" e "pacífica", que apenas "revida" aos ataques dos "terroristas" palestinos, etc. Mentiras repetidas à exaustão, mas que não colam mais nas mentes dos povos do mundo inteiro, que foram às ruas em milhares de cidades para exigir o fim dos ataques e imediato reconhecimento do Estado palestino sobre seus históricos territórios roubados pelos sionistas a serviço do imperialismo, principalmente ianque.

A chamada "comunidade internacional" mais uma vez se calou ante os ataques e os crimes de guerra cometidos pelo exército israelense sob os desígnios do imperialismo, ao tempo que disparam seu boquirroto e desbocado rosário de justificativas imorais. E o que dizer dos "governos" dos países árabes, que há muito não passam de títeres faraós, lacaios feudais ou dóceis gerentes dos interesses do imperialismo. O gerente semicolonial do Egito, Hosni Mubarak, por exemplo, desdobra-se em esforços para melhor servir a ianques e sionistas e se comprometeu a reprimir também a Resistência Palestina, tecendo um acordo vil para estrangular ainda mais a população da Faixa de Gaza.

Porém, o que se viu em Gaza foi uma lição para os povos do mundo. Uma população indômita, que nunca desistiu de lutar pela suas terras e seu Estado, negados pelo imperialismo desde a criação artificial e imposição do Estado de Israel. Com unhas e dentes, de pedras e paus até foguetes, tudo se transforma em armas nas mãos desse povo que trava uma guerra justa de Libertação Nacional contra o imperialismo e os usurpadores de suas terras. Resistência heróica encarnada em uma criança que declarou a um repórter da TV Al Jazeera: "Resistimos e somos inquebrantáveis. Não iremos embora desta terra. Se voltarem, nos encontrarão nesta terra. E ficaremos nesta terra, em nossa terra. Seguiremos sendo inquebrantáveis".

II

Já no Brasil, mais um confronto entre a população da favela de Paraisópolis, na capital paulista, e a polícia revela a persistência da política de criminalização da pobreza executada pelo Estado brasileiro e seus gerentes de turno.

Segundo a polícia, tudo começou após a morte de um "bandido" por soldados. Nenhuma palavra sobre uma chamada "Operação Saturação", que há três meses impunha o terror à comunidade, com constantes achaques, humilhações, agressões e outras arbitrariedades cometidas contra a população.

A execução de um suposto ladrão e a prisão de seu acompanhante, que testemunhou o assassinato, a população se revoltou, montou barricadas e queimou carros e pneus. A batalha com a polícia deixou dois moradores e quatro policiais feridos.

A todo o momento o monopólio dos meios de comunicação se referia aos moradores como "bandidos" e "vândalos", e os noticiários histericamente narravam o confronto como se os policiais fossem destemidos heróis. Esse é o comportamento típico dessa imprensa dominante, que não mede esforços em inverter os papéis e culpar o povo pelos crimes do Estado.

É notório que existe uma política de extermínio de pobres em curso, vide a operação da polícia do Rio de Janeiro em 4 de fevereiro que matou outras 10 pessoas na Favela da Coréia, mesmo lugar onde foram assassinadas outras 13 pessoas em 2008, inclusive um menino de 4 anos. Ou então a de 18 de dezembro, no complexo da Maré, quando quatro jovens foram assassinados e outros dois ficaram feridos. Há exemplos demais, mas ainda há quem duvide que isto ocorra.

No caso de Paraisópolis, ocorreu o que vem se repetindo com cada vez mais frequência e brutalidade nas pequenas e grandes cidades brasileiras. A população não tolera mais a opressão, a repressão, a corrupção, a truculência, etc, e descarrega sua ira nas instituições do Estado que são a cara fiel de sua podridão. Toda essa revolta, no entanto, ainda está fragmentada e dispersa, sem uma direção consequente que consiga conduzir essas massas a objetivos políticos, identificando seus reais inimigos e combatendo-os até a vitória.

Evidentemente, essa direção tem que unir todo o povo brasileiro contra esse velho Estado burguês-latifundiário e contra o imperialismo que explora nossa Nação, que nunca foi independente de fato.

Por tudo isso, é preciso que se diga que a rebelião das massas se justifica e são elas, e somente elas, capazes de, com uma direção justa, derrubar todo esse velho Estado e erigir em seu lugar uma verdadeira e nova democracia para um novo Brasil.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait