Igreja quer manter as mulheres sob a violência da Idade Média

A- A A+

O aborto legal realizado em uma criança de 9 anos que interrompeu uma gestação de gêmeos desatou uma verdadeira crise de histeria nas classes reacionárias, do alto clero e da semifeudalidade que fizeram dos veículos do monopólio de imprensa verdadeiras tribunas medievais.

O caso trata de uma criança, cuja primeira ovulação ocorrera há quatro meses, com apenas 1,33 metro, pesando 33 quilos, que era estuprada pelo padrasto desde os 6 anos de idade, bem como a sua irmã mais velha, de 14 anos.

O aborto foi realizado pela equipe médica do Centro Integrado Amaury de Medeiros — Cisam — da Universidade de Pernambuco, em Recife, e contou com o apoio dos representantes dos Conselhos Regionais e Sindicatos de Medicina do Nordeste que divulgaram uma nota de apoio à conduta dos médicos declarando que "tal procedimento caracteriza um aborto legal, correto e irrepreensível do ponto de vista técnico e ético".

Mas após esse acontecimento, que salvou a vida de uma criança, contando com o amparo de uma equipe especializada, o que deveria ser direito de todas as mulheres, veio o fato mais estapafúrdio: toda a equipe médica que participou do procedimento e a mãe da criança, que autorizou o aborto, foram excomungadas pelo arcebispo de Olinda e Recife, "Dom" José Cardoso Sobrinho, tudo isso com a ampla defesa da cúpula do Vaticano.

A atitude do bispo só pôde soar como os vapores do período da caça às bruxas e das fogueiras inquisitórias, já que a excomunhão não é coisa que interfira na vida das pessoas. Essa foi mais uma campanha reacionária da instituição religiosa na pretensão de que seus velhos dogmas se sobreponham a tudo, que além da criminalização do aborto, ainda lhe dão conotação de "pecado". O velho Estado reacionário e a igreja, com sua moral feudal e hipócrita, atiram impiedosamente contra as mulheres do povo que, sob esse sistema podre, são alvo de todo tipo de abusos, discriminação, assédio sexual, estupro, espancamentos e do feminicídio. Assim como atacam mulheres vítimas de estupro, como o caso dessa criança em Pernambuco e outros milhares de casos que ocorrem em todo o país, criminalizam também as mulheres que pretendem abortar gestações cujo feto apresenta graves anomalias como a anencefalia (ausência do cérebro). Vide a onda reacionária que varreu o Mato Grosso do Sul, onde o Ministério Público indiciou centenas de mulheres pobres por terem feito o aborto.

Mas esse episódio da excomunhão é outro daqueles que revelam de tempos em tempos o anacronismo da existência de instituições feudais e obscurantistas como a Igreja Católica. São impedimentos do desenvolvimento científico, como a pesquisa com células-tronco e outras, através do lobby religioso no Congresso, a condenação do uso de métodos contraceptivos, do aborto, das mães solteiras e do divórcio, que visam manter a mulher cada vez mais presa a dogmas reacionários, à escravidão e a opressão sexual. Ainda a pretensão de que "a lei de Deus está acima da lei dos homens", tentativa de fazer com que o direito canônico se sobreponha aos códigos dos diversos países. Sem falar que só em 1992 o Vaticano "perdoou" Galileu Galilei do "crime" de ter dito no século XVII que a terra girava em torno do Sol.

E o bispo José Cardoso excomunga os médicos e a mãe da criança. Para a cúpula do Vaticano "as crianças não tinham culpa", nem o "santo" estuprador, que mantém intacta sua integridade religiosa. Grande vantagem. E depois das declarações, ainda somos obrigados a assistir o disse-me-disse da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil — CNBB sobre o que de fato significa uma excomunhão, que "não é bem assim..." e etc. Ora vamos!

Ainda sobre a questão do aborto, que é parte da luta pela emancipação da mulher, há ainda muitas questões que devemos abordar em artigo mais extenso e completo que trate dos aspectos científicos e sobre a própria concepção do embrião humano e seu desenvolvimento até o nascimento do bebê, o direito da mulher sobre seu próprio corpo e a luta contra a criminalização do aborto.

Em pleno século XXI segue a luta contra o obscurantismo, pela desmistificação dos dogmas feudais e pela vitória da verdade científica em favor do povo.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait