Rebelião popular destrói Fórum em Alagoas

A- A A+

Assim como ocorreu no Pará no ano passado, a revolta das massas se voltou dessa vez contra as instituições do velho Estado em Alagoas, no município de Matriz de Camaragibe, distante 77 quilômetros da capital Maceió. O protesto popular contra dois aliciadores (gatos) de camponeses que roubaram centenas de pessoas com a promessa de trabalho em outros estados explodiu em uma grande revolta.

http://www.anovademocracia.com.br/52/10d.jpg  http://www.anovademocracia.com.br/52/10c.jpg
O bloqueio da rodovia AL-101 Norte foi o início
do protesto que culminou com a destruição do Fórum

O estopim para a rebelião do povo de Matriz de Camaragibe foi a liberação de Cícero Gomes dos Santos e José Ferreira Lins Filho, acusados de aliciamento de camponeses. Cerca de 900 camponeses foram atraídos pelos dois com a promessa de trabalho na lavoura da cana-de-açúcar em Minas Gerais e São Paulo. Para “garantirem” os empregos, os aliciadores extorquiram R$ 120,00 de cada camponês e suas carteiras de trabalho. O golpe dos aliciadores foi desmascarado pela Delegacia Regional do Trabalho, numa investigação conjunta com a Procuradoria Regional do Trabalho e a Polícia Rodoviária Federal.

Com isso, no dia 26 de março, os aliciadores foram transferidos para a sede da Polícia Federal em Maceió, sob a ameaça de linchamento pela população de Matriz do Camaragibe. Mas como os dois eram réus primários e a extorsão do povo (além dos impostos e taxas infindáveis cobrados pelo Estado) é um crime afiançável, ambos pagaram fiança e foram liberados desaparecendo em seguida.

Isso foi a gota d’água para os camponeses e todo o povo de Matriz que não conquistaram o emprego e ainda tiveram seu dinheiro e documentos roubados.

Que Justiça é essa que nem os nossos documentos devolve e ainda libera esses golpistas, que ficaram com o nosso dinheiro? — protestou um trabalhador ao jornal O Estado de S. Paulo de 2 de abril.

 A onda de protestos começou no dia 31 de março pela manhã com a paralisação da rodovia AL-101 Norte. A população revoltada queimou pneus e denunciou a proteção do Estado aos golpistas. Na noite do mesmo dia a população revoltada cercou e ocupou os prédios da prefeitura e o Fórum de Matriz de Camaragibe. Durante o protesto os manifestantes queimaram todos os documentos do Cartório Eleitoral.

O juiz da comarca local fugiu escoltado pela polícia. Revoltados, manifestantes foram até o fórum e não deixaram pedra sobre pedra. A fachada do prédio ficou completamente destruída. Pedaços de vidro e pedras ficaram espalhados pelos corredores e salas. As sedes das secretarias de Saúde, da Assistência Social, um centro de reabilitação e um posto de saúde também foram alvo da Revolta Popular.

A tropa do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar de Alagoas — Bope foi acionada pela prefeitura e foi recebida a pedradas. A população enfrentou os policiais que agrediram brutalmente centenas de pessoas. Equipes da Força Nacional de Segurança e do Bope patrulharam as ruas e tentaram impor um toque de recolher que foi desobedecido pela população.

Mais de cem manifestantes foram presos durante os confrontos e 35 foram transferidos para a carceragem da Polícia Federal em Maceió acusados de cometerem crime federal. O povo de Matriz do Camaragibe é condenado como criminoso enquanto os verdadeiros bandidos que os lesaram escapara ilesos, com a guarida da justiça.

Essa foi mais uma demonstração recente da contenda permanente entre as massas oprimidas de milhões de camponeses contra o velho Estado burguês-latifundiário serviçal do imperialismo. Como brilhantemente apontou o gigante do proletariado internacional Friedrich Engels, de fato existem dois poderes sobre a terra: o poder do Estado burguês e o poder desorganizado das massas. Cabe ao povo forjar na sua justa rebelião uma vanguarda capaz de organizar esse poder desorganizado para que o povo exerça seu direito à rebelião e à violência revolucionária contra esse sistema. A organização científica da pobreza para desencadear a Revolução e varrer de uma vez por todas o velho Estado, conquistando um novo poder.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait