Cordel do Fogo Encantado: O som do sertão, de Arcoverde para o mundo

A- A A+

Com a proposta de expor a dura realidade do povo sertanejo, assim como os detalhes de sua rica cultura, surge em 1997 o espetáculo teatral Cordel do Fogo Encantado, que dois anos depois ganharia fortes traços musicais, transformando-se em uma das maiores representações artísticas do nordeste na última década.

http://www.anovademocracia.com.br/53/24A-cordel%20do%20fogo%20encantado.jpg

Localizada a 252 quilômetros de Recife, a cidade de Arcoverde não é só considerada a capital do sertão pernambucano, mas também um berço da produção artística e cultural do nordeste, de uma vasta gama de artesãos, músicos e artistas plásticos; conhecida como a terra do Samba de Coco, com seus "coqueiros" contando o cotidiano da labuta e a história de seu povo. Assim como o Cordel do Fogo Encantado que em 1999 deixa Pernambuco para levar a riqueza da cultura do sertão, seus sons, costumes e as lutas de seu povo, para os confins do Brasil e do mundo. Na formação, Lira Paes no vocal, Clayton Barros no violão e na percussão, a batucada arretada de Emerson Calado, Rafa Almeida e Nego Henrique.

No nome do grupo, o Cordel — tradicional poesia popular falada e escrita — ganha o criativo contorno do Fogo Encantado das fogueiras de São João, representando a cultura e os outros traços do povo sertanejo pelas palavras de um cantador. O aspecto regional das letras, explica-se no primeiro contato com "Lirinha" — como é conhecido o vocalista — compositor de grande parte das letras e dono de um carregado sotaque pernambucano, ao falar e ao cantar, evidência de suas raízes e de sua lealdade cultural ao sertão nordestino.

A origem teatral do Cordel do Fogo Encantado também é perceptível nas apresentações do grupo, onde Lirinha faz expressões corporais muito bem sincronizadas com a evolução musical dos shows, marcados também pela percussão e sua variedade de ritmos, como o Samba de Coco, o Reisado e o Toré.

Em entrevista exclusiva para A Nova Democracia, Lira Paes exaltou a importância do teatro e da música para a disseminação da cultura popular, assim como a extraordinária responsabilidade de músicos, atores e demais artistas dentro desse contexto.

Tem primeiro que haver uma sinceridade de quem está emitindo a mensagem, seja pelo teatro ou pela música. No momento em que isso vira uma coisa estética, toda a questão cultural desaparece. A abordagem política às vezes tem coisas legais e às vezes não, porque tem muita gente faltando com a verdade. A gente tem muito cuidado no sentido de misturar a abordagem política com a questão poética, porque nosso objetivo é tirar o povo de uma situação e colocar em outra. A gente quer que o povo escute as músicas que têm uma abordagem política e decifre da mesma maneira que outro tipo de música, sem que isso seja uma especialidade. A gente canta o tipo de mundo que a gente imagina alternativo a esse — conta Lirinha.

Nas letras, o protagonista é sempre o povo, suas amarguras, felicidades e demais peripécias. Em algumas músicas, como Pedra e Bala, o grupo revela criteriosamente a agonia da vida no sertão e a revolta dos sertanejos, com sua "face marcada pela mesma vida seca, como a terra, rachada".

Essa música surgiu com o B Negão, que é meu parceiro, e a gente queria falar dessa intifada que o povo enfrenta hoje em dia. A ‘pedra contra o tanque’ é como remar contra a maré. Na década de 70 havia um forte movimento nesse sentido, com letras politizadas, mas de lá pra cá, pouca coisa mudou socialmente para o povo, então a gente acha que é legal a poesia social, já que faz o povo escutar a música e ter uma identificação enquanto classe, mas a gente acha que também tem que ter uma ação concreta para que essas coisas mudem — explica o músico, que trata o tema da terra como uma das prioridades no trabalho do Cordel do Fogo Encantado e a essência de transformações sociais muito mais amplas.

O tema da terra é muito presente no nosso trabalho, porque nele está embutida a grande solução para os problemas do nosso país. Acho que muita coisa vai mudar quando a gente encarar com mais seriedade o problema agrário no Brasil. Eu acredito em uma nova condição e em um novo homem, porque para se haver um novo mundo, um novo homem deve surgir, processo do qual nós queremos fazer parte, dando condição para que o homem mude e em seguida mude a sua condição. Eu não acredito na transformação do mundo sem que isso passe pelas pessoas­ — comenta o vocalista.

Em mais de dez anos de existência, o Cordel do Fogo Encantado passou por diversos lugares, no Brasil e fora dele. Países como Bélgica, Alemanha e França já tiveram o privilégio de apreciar o melhor da cultura popular brasileira, dos segredos do sertão e da realidade sofrida de seu povo. Experiência que, de acordo com Lirinha, foi fonte de importantes lições.

É difícil fazer show pra turista. A nossa música tem uma percussão agressiva. Mas foi muito interessante essa viagem pra Europa, porque a gente percebeu que esses limites regionais são invenções nossas. A turma de lá se identificou muito, mesmo não conhecendo Arcoverde e não conhecendo o sertão. A banda também ganhou outra evolução. Pra turma de Arcoverde a música é oferecida de outra forma. Mas foi uma experiência boa — conta.

E todo o mérito pelo sucesso do grupo pertence apenas aos seus componentes e ao povo que o acompanha, já que o Cordel do Fogo Encantado trata-se de um trabalho independente, desde a sua criação.

– Eu acho que não existe uma régua que meça a qualidade dos trabalhos artísticos. Nós nunca nos guiamos pela música aqui do Rio ou outra que seja mais divulgada ou até mais popular do que a nossa. Nesse aspecto cultural, infelizmente hoje o que representa uma coisa muito boa como elemento pra nossa música, pra maioria dos outros segmentos não representa nada. O Cordel do Fogo Encantado nunca fez parte de gravadora. Desde 1999 que ele é independente. A gente tem orgulho disso e não abre mão, porque depois de todo sofrimento que passamos, hoje a gente já fez show em todos os estados do país e no exterior, mesmo com toda dificuldade. Essa é uma vitória da qual a gente não abre mão. O povo não conhece a música do sertão, por conta do poder da grana, o poder do capital. Esse mundo onde tudo é o cachê e tudo envolve grana. Esse monopólio da industria musical direciona o que o povo vai escutar, mas nós estamos aí com a nossa guerrilha e vamos lá — diz Lirinha.

Quando lhe apresentamos um exemplar de A Nova Democracia, Lirinha emenda:

A Nova Democracia, uma coincidência, porque isso é tudo que a gente quer. Eu digo que nessa luta a gente tem que seguir em frente, tem muita gente impedindo o povo de lutar, muitos obstáculos, mas a força do povo é infinita.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait