Pedro Boi do 'Agreste'

A- A A+

Violonista, compositor, cantor e pesquisador de fatos verídicos de sua região, no norte das Minas Gerais, relacionado à luta pela terra, a guerra entre grileiros e posseiros, Pedro Boi transforma tudo isso em música, além das letras românticas, caipiras, o jeito simples de ser e dizer o que pensa. Aos 56 anos, esse mineiro é um dos artistas brasileiros que luta pela música da terra.

http://www.anovademocracia.com.br/55/24a.jpg

Pedro Boi começou sua carreira em 1977, juntamente com seis companheiros que fizeram parte do lendário Grupo Agreste, quando alguns 'perdedores' de festivais da região resolveram se reunir para gravar suas músicas.

— Existia uma 'panelinha' de festival aqui, que sempre nos prejudicava. Vimos que o único jeito era formarmos um grupo e ganhar de outra forma um lugarzinho ao sol. Depois de passarmos um ano de ensaio nos arriscamos a fazer o primeiro show, a convite do presidente dos diretórios, na Faculdade de Medicina de Montes Claros. Com um auditório cheio fizemos a primeira apresentação, e quando fomos para a segunda, estava completamente lotado, porque os alunos que assistiram, espalharam para todo mundo — conta.

— Na época cantávamos canções de Luiz Gonzaga, da Banda de Pau e Corda, e outros, além das próprias. O nosso descobridor foi Téo Azevedo. Ele nos levou para São Paulo e ajudou a gravar o primeiro LP, ao lado do mestre Zé Coco do Riachão. E nessa estada por lá nos apresentamos no 'Som Brasil' e outros programas famosos, o que ajudou a dar uma decolada na nossa carreira não só para Minas, mas todo o Brasil — acrescenta.

Depois de quase sete anos o grupo gravou seu segundo LP, e depois disso encerrou atividades, porque somente Boi queria dedicar-se à música profissionalmente.

— Esse universo é instável e o pessoal queria ganhar dinheiro de forma segura, com um bom emprego. E cada um foi para um lado diferente. Atualmente faço um trabalho mesclado, um pouco do que fiz independente e para o Agreste, que não posso esquecer, por ter tido uma atuação muito forte, verdadeira — declara.

— Fizemos muitas pesquisas aqui por perto, descobrindo fatos lamentáveis, massacres que os camponeses sofreram na região, e resolvemos retratar isso em forma de música. Jaíba, é uma dessas, e fala de um episódio que aconteceu na cidade de Jaíba, aqui perto, que é um grande pólo de irrigação. A questão é que para se chegar a isso, existiu uma briga 'desgramada' entre grileiros e posseiros. Descobrimos que um dos autores dessas pendengas era um coronel da polícia daqui de Montes Claros. Ele tomava as terras dos mais pobres na força bruta, na base da bala e da faca — relata.

— Depois compusemos Cachoeirinha, falando de um episódio que aconteceu na cidade de Cachoeirinha, que hoje se chama Verdelândia. São casos parecidos sempre de luta do camponês para salvar suas terras, fonte do seu sustento. Aqui e em qualquer outra parte sempre tem o mais rico querendo levar vantagem, mudar a sua cerca, expandindo suas terras e apertando mais o pobre, e por aí vai — continua.

Entre essas músicas, algumas não foram gravadas devido ao fato de serem fortes demais.

— Tem uma que fala do seu Talurzinho, um camponês que resistiu bravamente à polícia, até que o prenderam e destruíram sua vida: deram-lhe choque elétrico, o castraram, até que morreu como mendigo aqui em Montes Claros, depois de ter perdido parte da memória e toda sua família. Ele tinha terras na região, que eram herança legítima, com documentação, mas os opressores não quiseram saber, as tomaram, e ainda fizeram toda essa maldade com ele. Pretendo gravar essa música, mas não sei quando — fala.

Coração estradeiro

Pedro Boi, com toda dificuldade do cantor de música regional, tem conseguido seguir estrada e gravou dois discos.

Coração Estradeiro, foi meu primeiro solo, e tem o mesmo nome de uma música que fiz com Braúna, e que é uma homenagem a mim (risos), fala da minha vida. O disco tem também mais uma porção de músicas boas. Depois gravei Passarinho, e agora estou próximo a fazer outro. Na verdade, Passarinho já tem sete anos, mas isso é normal para nós que gravamos independentes, até porque queremos fazer um trabalho de boa qualidade, uma letra bonita, poética, uma melodia rica, e bons músicos, e isso às vezes leva tempo quando não se tem capital — explica.

— Qualquer pessoa pode fazer um CD em um dia, usando só um computador e um teclado, só que descaracteriza a nossa música. Meu trabalho tem uma viola caipira, uma flauta transversal, uma flauta doce, um baixo acústico, um acordeon, porque queremos as coisas naturais, que não tire aquele empenho da roça — acrescenta.

— Entre as músicas que faço tem sempre um xote, porque gosto de colocar algo mais alegre no meu trabalho, tem também um lado romântico, e o ecológico que estamos sempre defendendo aqui. Toco uma viola caipira, um violão, de vez em quanto uma sanfona. Não costumo gravar música de domínio público por ter muito trabalho meu dentro das gavetas, e preciso desovar isso primeiro — diz.

As letras polêmicas, denunciando opressões sofridas pelo povo, continuam no repertorio de Boi, que não cessou de fazer suas pesquisas. Ele gosta de falar daquilo que faz parte da sua terra.

— Minhas músicas são músicas populares regionais, mas que ganham um corpo também fora daqui. Porém não tenho expectativas de 'sucesso', de milhões de discos vendidos, porque sei que a música cultural brasileira, não faz esse tal 'sucesso' na mídia — constata, acrescentando que os músicos da região, em sua maioria, mantêm trabalhos paralelos para conseguir sustentar a família, por ser praticamente impossível viver de cachês.

— Tenho ganhado meu pão diário, sustentado minha família, formado meus filhos, através da música, honestamente, mas também com a ajuda da minha esposa que trabalha muito como educadora, para me ajudar nas contas, e com o que rende o nosso barzinho, o 'Curralzin do Boi', aqui em Montes Claros, que além de me ajudar a sobreviver, é um espaço para os artistas regionais aparecerem, e também para mim é claro (risos) — declara sempre bem humorado.

— Lá não tocamos música 'sertaneja', aquela 'sertaneja' (risos), que agora virou até 'sertanejo universitário', nos causando vômitos. Imagina que piada macabra difícil de engolir. Primeiro vieram com um tal 'forró universitário', acharam bonito e agora é isso que querem fazer descer 'goela abaixo', mas não dá, porque não somos idiotas e nem bonecos. Gosto de chamar a atenção das pessoas para que elas não vivam como se estivéssemos em um paraíso musical, quando na verdade estamos mais ou menos perto é do inferno — continua.

— A coisa anda meio complicada, mas vamos alegrando as pessoas e sobrevivendo, tocando música de altíssima qualidade, no bar, em cidades históricas de Minas, e aqui pelas barrancas do rio São Francisco, onde sempre tem um lugarzinho querendo nos ouvir tocar — finaliza Boi.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait