O pacto da canalhice

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/57/3a.jpg

A governabilidade tem sido proclamada por todos os gerenciamentos pós-regime militar para justificar a manutenção dos grupos de poder apojados às tetas do velho e apodrecido Estado brasileiro. As composições e rearranjos entre os diferentes grupos de poder das classes dominantes no gerenciamento do podre Estado às vezes tomam aspecto de intensa pugna. Ela é, nada mais nada menos, que a ante-sala de acordos e conchavos onde cada uma das partes, embora sujeita a perdas e ganhos conjunturais, assegura algum quinhão. Com a ascensão do oportunismo ao gerenciamento do Estado, as pugnas entre os diferentes grupos de poder das classes dominantes cumprem também o objetivo de encobrir e assegurar os interesses deste mais novo, representado por pelegos de múltiplas origens, embora tenham como ponto de convergência servir ao imperialismo e às classes dominantes nativas.

A recente disputa no Senado teve, exatamente, esta feição. O arquivamento dos processos contra Sarney e Artur Virgílio só não é motivo de decepção porque há muito o povo brasileiro não alimenta maiores expectativas nos "seus representantes". Os do Senado então, pouco ou nada lhes dizem respeito.

Funcionando sob a batuta de Luiz Inácio, a chamada base aliada composta de uma escroqueria ímpar na vida pregressa do semicolonial e semifeudal parlamento brasileiro, entrou em conchavo com a oposição de faz-de-conta para livrar as caras de Sarney e Virgílio.

Engana-se, porém, aquele que acha que o que estava em jogo eram as caras destes dois senhores oligarcas. Por trás das disputas estão os interesses de poderosos setores das classes dominantes.

Com a descoberta do pré-sal desencadeou-se uma verdadeira "briga de cachorro grande" entre as empresas petroleiras, as empreiteiras e os bancos para se apoderarem deste patrimônio do nosso povo. Pode-se medir o tamanho das ambições pelo fato de que mesmo antes da notícia da descoberta do pré-sal ser passada aos brasileiros, os ianques já anunciavam a reativação da 4ª. Frota e, agora, aumentam o número de bases militares na Colômbia e no Peru. Este aparato intimidatório visa a proteção de seus interesses junto aos gerenciamentos "flexíveis" do tipo Luiz Inácio.

O setor elétrico é outro alvo da disputa, como de resto tudo que está vinculado à infra-estrutura. Seus representantes dentro do Executivo e no legislativo atuam freneticamente para destinar parcelas cada vez maiores do orçamento para obras e encomendas.

Em editorial de 30 de agosto último, a Folha de São Paulo apontou a injeção do dinheiro público, via BNDES ou Fundos de Pensão, em setores monopolizados da economia. Afirmou o jornal que "nos últimos três anos, intensificou-se a formação de conglomerados, na maior parte das vezes por meio de operações que contaram com dinheiro ou aval do governo. Reconfiguram-se, desse modo, as regras do jogo, o poder econômico e o controle do capital em setores como alimentos, siderurgia, logística, energia, finanças e telefonia".

Ora, estes setores estão entre os que mais aplicam recursos nas campanhas eleitorais tanto para os cargos do Executivo quanto para o Legislativo. Na maior parte dos casos o lobista é o próprio deputado ou senador, ou o ministro ou, ainda, um burocrata de alto coturno. Quando não, os gabinetes de suas excelências servem de boa guarida aos agentes de seus amos.

O cruzamento da crise do Senado com a crise da Receita Federal tem, pois, tudo a ver com estas disputas pela ocupação de cargos nas altas esferas dos três "podres poderes". Os destituídos da Receita Federal denunciaram que havia uma orientação para aliviar a fiscalização dos grandes contribuintes, quando a Petrobras teria sido beneficiada através de uma manobra contábil. Isto, logicamente, trouxe boas repercussões no bolso dos acionistas da empresa, a maior parte no exterior. Em ano pré-eleitoral esses alívios são indicativos de mutreta pesada.

Mas, sendo o centro das disputas dentro do Senado, a peleja para revelar quem serve melhor ao imperialismo, à grande burguesia e ao latifúndio, as eleições presidenciais do próximo ano já estão com suas campanhas em aberto. As candidaturas já colocadas e as que estão por vir têm suas linhas de força amarradas nos monopólios. Ganhará o que mostrar-se mais servil e, como consequência, arrecadar mais contribuições.

Todo o alarido que a imprensa dos monopólios faz em torno das bandalheiras cotidianas é só o molho deste indigesto prato que as classes dominantes empurram no povo, goela abaixo. O mesmo pode ser dito desta oposição centrista de PSOL, PSTU, etc. Oposição de fancaria, avalista deste processo eleitoral farsante e espúrio.

Para eles, não está em questão, além de sua retórica socialisteira, qualquer transformação radical das arcaicas estruturas sociais do país e sequer mesmo uma reforma política que possa dar uma nova fachada ao decrépito Estado Brasileiro. O que eles querem é participar desta encenação de democracia proporcionada pelos dominantes e sonhar com o triunfo das urnas.

Temos repetido nesta página que enquanto as massas populares não forem capazes de intervir de forma organizada e independente no cenário da luta política, toda essa podridão seguirá ocorrendo em ciclos de pugnas e conchavos. A repetição destes ciclos porém engendra perigos.

As revoltas populares que estão ocorrendo, dispersas e atomizadas, mas numa reincidência crescente, parecem pequenos distúrbios e casos de polícia aos olhos de toda política oficial e seus partidos eleitoreiros. Não seria o rastilho de pólvora de uma situação revolucionária em desenvolvimento no continente e no país?

A propaganda de um programa democrático revolucionário e a organização crescente das massas populares, ainda que parte por parte, em torno desse programa mais que nunca está na ordem do dia. Atiçar a agitação no seio das massas na defesa de seu direito à autodefesa e reação violenta contra as ações repressivas do velho Estado, o desmascaramento da política do engano e da demagogia sem limites dos partidários da política oficial (situação e oposição), a luta pelo desmascaramento do novo peleguismo lulista das centrais sindicais em prol de desatar uma luta decidida da classe operária contra o sistemático corte de direitos e o apoio à luta combativa dos camponeses pobres pela terra conformará passo a passo a aliança dos trabalhadores da cidade e do campo e será a base do levantamento pela revolução democrática de novo tipo ininterrupta ao socialismo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait