Sem revolução não há independência

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/58/3a.jpg

Em sua fase imperialista, apodrecida e parasitária, o capitalismo divide o mundo entre um punhado de nações ricas e opressoras por um lado e a imensa maioria de nações pobres e oprimidas por outro. Tomado o mundo em seu conjunto esta é a contradição principal da época imperialista.

Para manter a dominação sobre as nações exploradas, o imperialismo sustenta no interior destas, classes dominantes de grandes burgueses e latifundiários cevados às custas de muitos privilégios. Estas por sua vez exercem, através de um aparelho de Estado burocrático genocida, o controle e a repressão mais sistemática sobre as classes dominadas, cujo sistema de governo oscila entre gerenciamentos militares e demoliberais.

Esta contradição, ao nível de cada país, só pode ser resolvida através de um processo revolucionário que percorre, inevitavelmente, etapas, no acerto de contas das massas exploradas e oprimidas com suas classes dominantes locais e de ruptura com o imperialismo (revolução democrática agrária anti-imperialista). Condições estas essenciais e imprescindíveis para que a revolução passe ininterruptamente ao socialismo.

No Brasil, portanto, assim como nos demais países dominados pelo imperialismo, a independência nacional é algo a ser conquistado, muito embora, formalmente, estes países tenham declarado sua independência do jugo colonial a que se encontravam submetidos. Na prática, porém, permaneceram dependentes política, econômica e culturalmente dos países imperialistas, subjugados a um novo colonialismo.

Uma aparência de independente e uma essência de dominado, é essa a situação que caracteriza a sua condição de país semicolonial.

Já em 1972, por ocasião do transcurso dos 150 anos da proclamação da independência do Brasil em relação a Portugal, o jornal A Classe Operária, n.º 68, publicou artigo do grande dirigente comunista brasileiro Pedro Pomar, com o qual expressa seu profundo conhecimento sobre o desenvolvimento histórico de nosso povo e uma inabalável fé na revolução. Seu texto nos anima e encoraja quando afirma que "O povo brasileiro, em face do crescente empobrecimento e da falta de direitos, acha-se numa situação penosa. Em seu coração, porém, arde mais forte do que nunca a chama da liberdade. Sua consciência nacional elevou-se. Não suportará, pois, indefinidamente, a tutela estrangeira nem aceitará que permaneçam intocados os privilégios da minoria exploradora e opressora."

Ele que é um dos mártires da luta do proletariado brasileiro e de seu partido, escreveu no mesmo documento: "As páginas mais gloriosas da história brasileira foram escritas com o sangue desses heróis e mártires. As forças obscurantistas e retrógradas tudo fizeram e fazem para frustrar os anseios do povo e impedir o desenvolvimento independente da nação. Levantaram forcas, esquartejaram, fuzilaram, massacraram os verdadeiros patriotas.

Espalharam pelourinhos, cárceres, calabouços e masmorras pelo país inteiro para castigar os combatentes populares. Em defesa de seus mesquinhos interesses de classe, aliaram-se aos piores inimigos da Pátria. Foram incapazes de salvaguardar a soberania nacional e de levar o Brasil a seu justo destino. A expressão mais acabada de sua política antinacional, de seu ódio à liberdade, é a atual ditadura militar que oprime e avilta a nação."

Em que pese ter terminado o gerenciamento militar fascista a que se refere Pedro Pomar, a estrutura de dominação imperialista e os odiosos privilégios das classes lacaias no país seguiram inabaláveis. Mais que isto, tal condição de subjugação só fez aprofundar-se ano após ano.

O monopólio da empáfia

Foi no convescote de sanguessugas, composto por pelegos, burocratas e exploradores dos trabalhadores, denominado de Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que Luiz Inácio condenou a atitude de empresários que se recusaram a investir diante da incerteza provocada pela crise que ainda persiste no Brasil e no mundo; condenou a parte da imprensa que advertia para a gravidade da crise; e condenou os trabalhadores que não quiseram ceder às chantagens da patronal em arrochar mais ainda os seus salários. A estas atitudes de resistência ele chamou de empáfia. Tudo isto com a maior empáfia, ou seja, reclamou para si o privilégio de, daqui para frente, ser o único a adotar este tipo de comportamento.

Foi também com grande soberba que, na véspera do 7 de setembro, se atreveu a falar de independência, de uma nova independência, concluindo que não se tinha mais que enaltecer só o passado, mas também o futuro que se abria. Ora, um país que se torna independente e necessita de uma nova independência é porque, na realidade, não se tornou independente coisa alguma.

Mesmo que o pré-sal seja uma das maiores descobertas e que se confirme seu potencial e que a Petrobras seja a operadora de toda a área, criando-se uma nova estatal, a Petrosal, para gerir os contratos de partilha e comercialização, nada disso indica que os resultados serão revertidos em prol da maioria dos brasileiros.

De quem é o Estado?

De nada vale para os trabalhadores uma estatal controlada por um Estado apodrecido e decrépito submisso ao imperialismo e gerenciado pelo oportunismo em conluio com a grande burguesia e o latifúndio. Não passa, pois, de demagogia patrioteira as afirmações de que o petróleo e o gás pertencem ao povo brasileiro.

Os consórcios montados pelas grandes petroleiras, as prestadoras de serviço, como a ianque Halliburton, as empreiteiras e os bancos levarão a parte do leão enquanto os parlamentares, burocratas e pelegos se engalfinharão como hienas em grande luta pelas sobras que lhes correspondem. Ao povo restará o discurso de sempre, de esperar o futuro. No presente as prioridades já estão definidas com o superavit primário destinado a pagar as impagáveis dívidas interna e externa na mão dos bancos, com a compra de armamentos, submarinos, helicópteros e caças do USA e da França, com a renúncia fiscal em favor das transnacionais e os adjutórios ao agronegócio, entre outros.

Qualquer saldo no caixa da semicolônia, o imperialismo prontamente apresenta uma lista de bugigangas para esvaziá-lo. No passado, foi assim com o superávit da balança comercial com o USA depois da II Grande Guerra Mundial. Mais recentemente, com a venda das estatais, a história veio a se repetir.

Não há independência sem revolução

Toda a podridão que supura em nossa sociedade baseada na velha cultura dos privilégios vai mostrando graves sinais de esgotamento. Sinal disto é o aumento da opressão e da criminalização sobre as massas exploradas, pelos que seguem insistindo em viver como antes. Por outro lado, estas massas já dão sinais visíveis de que não se sujeitarão a continuar oprimidas e exploradas como antes. Não há como negar que, nos intestinos de nossa sociedade, desenvolve-se uma situação revolucionária.

Mesmo enfrentando toda a sorte de freios a sua ação, como as direções oportunistas, pelegos, partidos reformistas eleitoreiros, ong’s pacifistas, as massas do campo e da cidade se rebelam e sacodem as apodrecidas estruturas deste carcomido Estado brasileiro, clamando por uma direção revolucionária que as conduza rumo a um Estado popular de Nova Democracia e ao Socialismo.

Aproxima-se a hora em que todos serão chamados a tomar uma definição por qual lado se postar: do lado dos explorados e oprimidos rebelados ou do lado de seus exploradores e opressores. A radicalização da refrega não deixará margem a neutralidades.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait