A senha para o banho de sangue "olímpico" no Rio

A- A A+

Após a espetacular derrubada de um helicóptero da PM, mais de quarenta pessoas morreram no mais recente episódio do conflito entre quadrilhas de criminosos, incluindo a polícia de Cabral, uma das partes mais podres de um Estado em decomposição. Após a disputa, os inimigos do povo repousam sossegados, enquanto nas favelas como os morros dos Macacos, São João, Matriz e Jacarezinho, trabalhadores vivem sob intenso regime de terror disseminado pela PM, que impõe revistas vexatórias, toques de recolher, agressões, torturas e assassinatos. É a ordem do dia do Estado policial, um cotidiano de criminalização e extermínio da pobreza, planejando, dia após dia, novos e maiores massacres, com o falso pretexto de vencer a falsa guerra.


Helicóptero da Polícia Militar abatido por traficantes do Morro do Macaco

Pela sexta vez em dez anos, traficantes varejistas do Rio de Janeiro, entraram em confronto no morro dos Macacos, pelo controle das "bocas de fumo" da região. Ao fim dos tiroteios e nos dias seguintes, mais de quarenta corpos foram contabilizados, entre eles, três jovens trabalhadores. Ainda não se sabe quantas e quais mortes são de responsabilidade da polícia, que ao intervir no confronto, teve um de seus helicópteros abatido por traficantes. Três policiais morreram em consequência da queda da aeronave.

Para chamar a atenção e pedir socorro, ônibus e pneus foram queimados nas ruas de Vila Isabel por moradores da favela, temerosos com o ininterrupto som das rajadas de fuzil que interrompeu a rotina de centenas de trabalhadores no retorno para casa. De acordo com o presidente da Associação de Moradores do Parque Vila Isabel, Mário Lima, dez dias após os confrontos, 60% dos moradores deixaram o morro com medo de novos tiroteios e da intimidadora presença da PM.

A polícia que estava na entrada da comunidade, que era do Choque e faz a ronda da comunidade, nos tratou com deboche, ironias, da pior forma possível. Os boatos que correm na comunidade, e já ouvi isso de vários moradores, dão conta de que um caveirão [carro blindado] da PM dava apoio ao pessoal que invadiu. É uma história que precisa ser averiguada pela polícia — denunciou Mário, completando que a favela está sem luz há mais de uma semana.

Entre os mortos na noite da invasão do morro foram identificados o auxiliar administrativo Leonardo Fernandes Paulino, de 27 anos, o mecânico Marcelo da Costa Ferreira Gomes, de 26 anos, e o ajudante de pedreiro Francisco Ailton Vieira, de 25 anos. Os jovens moravam no Morro dos Macacos e voltavam de uma festa na companhia do único sobrevivente — Francisco Halaíltom Vieira, de 23 anos — ainda internado na UTI do hospital do Andaraí.

Fazendo coro com as fontes "oficiais", no dia seguinte, os três rapazes tiveram seus rostos estampados nas páginas dos jornais do monopólio da imprensa como "traficantes mortos na disputa pelas bocas de fumo".

Taxado como bandido? Jamais! Eram pobres, mas não precisavam dessa vida — disse a mãe de Francisco Aílton e Francisco Halaílton, Maria Luíza da Silva, no enterro do filho mais velho.

Morre quem atira

O cabo da PM Izo Gomes Patrício recebeu honras militares em seu funeral enquanto os três jovens eram enterrados com o sentido protesto dos seus parentes e amigos.

Os militares abatidos no morro dos Macacos foram rapidamente convertidos em heróis de grande bravura e rara perícia. Assim, o monopólio da comunicação seguindo a linha imposta pelas classes reacionárias tenta encobrir com um manto de sangue do povo o que fazem esses carrascos quando sobrevoam os morros descarregando chuvas de bala indiscriminadamente sobre as casas.

Basta recordar das imagens grotescas mostradas pela TV Globo em 17 de outubro de 2007, quando com uma tétrica narração era documentada uma operação policial na favela da Coréia, que deixou ao menos 12 pessoas mortas. As filmagens mostravam dois homens, visivelmente desarmados, sendo caçados por um helicóptero da polícia como em um safári. Desesperados, os supostos criminosos despencavam barranco abaixo, correndo de um dilúvio de tiros disparados da aeronave policial. Ao fim da perseguição, os dois foram mortos.

O "11 de setembro" de Beltrame

Além do Morro dos Macacos (em Vila Isabel), outras favelas foram invadidas e ocupadas pela Polícia. Durante toda a semana seguinte, as forças de repressão nominaram "mentores" para o ataque ao helicóptero, especularam "ordens vindas dos presídios de segurança máxima", revelaram gravações de conversas entre traficantes e contrabandistas de armas. Se sabiam mesmo de tudo, como tentam dar mostras, por que foram surpreendidos?

O Secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame já armou o seu embuste: "Foi o nosso 11 de setembro". Todos sabem muito bem o que ocorreu no Afeganistão após o genocida Bush ter o seu "11 de setembro" em 2001.

Tal evento, há poucos dias da definição do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016, soa como a senha para "limpeza" dos bairros pobres prometida pelos gerentes Luiz Inácio, Paes e Cabral como condição para a realização dos jogos com "segurança".

Novos e grandes massacres estão sendo preparados pelo velho Estado contra o povo pobre do Rio de Janeiro.

Casa de rico, limpa
Casa de pobre, suja

Depois que Cabral ocupou quatro favelas da Barra e zona Sul — regiões nobres do Rio — com as UPPs (Unidades de polícia "pacificadora"), quadrilhas de criminosos que dirigiam o tráfico nessas comunidades migraram para a zona Norte e Baixada Fluminense — parte pobre do Rio de Janeiro. Com isso, acirram-se, cada dia mais os conflitos entre traficantes varejistas por bocas de fumo em favelas do subúrbio da cidade, como o Complexo da Maré, onde, de acordo com ONGs, mais de 40 pessoas já foram mortas desde outubro de 2008. Como disse Beltrame, "um tiro em Copacabana é uma coisa, um tiro na Coréia, no Alemão, é outra. E aí?".

E aí, que enquanto quadrilhas de traficantes e gerentes de turno, como Cabral, mantêm-se intocadas, as massas arriscam suas vidas, num cotidiano cada dia mais miserável. Em 2009, conflitos como o do Morro dos Macacos nos dias 15 e 16 de outubro, já aconteceram nas favelas do Juramento, do Palácio e da Ladeira dos Tabajaras, deixando quase 100 pessoas mortas, entre policiais, traficantes varejistas e trabalhadores pobres.

Menos de 24 horas após a queda do helicóptero, Luiz Inácio anunciou um investimento de 100 milhões de reais nas polícias de Cabral, para incrementar o massacre contra o povo e trazer "segurança" ao Rio para a realização dos Jogos Olímpicos de 2016, com os quais as massas contribuirão apenas com seu sangue e seu suor.

O dia-a-dia do genocídio


Ônibus em chamas na favela do Jacaré

Após os acontecimentos no morro dos Macacos e São João, a caça aos supostos líderes das duas quadrilhas rivais que controlam o tráfico entupiu dezenas de favelas da cidade de policiais, trazendo consigo toda a truculência e o preconceito contra o povo pobre, habituais deste Estado reacionário.

Operações da PM deflagradas nos dias seguintes, nos morros do Jacarezinho, Matriz, São João, Mangueira, Fallet, Fogueteiro, Santo Amaro, Juramento, Fumacê, Cachoeirinha, Antares e Borel, deixaram um rastro de morte e revolta. Na Vila Cruzeiro — uma das 19 favelas do Complexo do Alemão — seis pessoas ficaram feridas em dois dias de operações policiais. No primeiro dia, três moradores baleados foram acusados de pertencerem ao tráfico, o que segundo familiares, não é verdade. Ficaram feridos Marcelo Luiz da Cruz, de 30 anos, baleado na cabeça; Márcio Almeida Gomes, baleado nas duas pernas e nos dois braços; e o estudante José Carlos Guimarães Júnior, de 18 atingido na barriga. O pai do jovem, o prestador de serviços José Carlos Guimarães, de 50 anos, desabafou.

— Tenho pouco estudo, mas leio especialistas dizendo que essa política de enfrentamento está errada. Eles [os PMs] têm que investigar para saber quem é quem. Chegam atirando e aí sempre acontece isso. Isso é uma atitude nazista — protestou o trabalhador.

No dia seguinte, depois de quase 6 horas de tiroteio, ficaram feridos o aposentado Brunio de Barros, de 86 anos, Expedito José Rodrigues, de 57 anos e Severino Marcelino dos Santos, de 51 anos, ferido na cabeça e ainda internado em estado grave.


Revoltados, moradores da favela Kelson's fazem protesto

— Eles [PMs] são piores que marginais. Há muita corrupção. Quando a polícia entrou aqui para prender o Elias Maluco, eles entraram sem dar nenhum tiro. Isso é coisa desse governador [Sérgio Cabral], que manda eles entrarem aqui desse jeito. Cadê a inteligência da polícia? Se eu tivesse um pedido, eu pediria para ele renunciar protestou o comerciante e morador da Vila Cruzeiro Nelson, de 51 anos [UOL Notícias. 25/10/2009].

Na favela da Cachoeirinha, no Lins de Vasconcelos, moradores denunciam uma seção de tortura durante operação policial realizada no dia 22, quase uma semana após a queda do helicóptero da PM no morro dos Macacos. Segundo denúncias, na ocasião, policiais militares invadiram a casa do estudante Lucas Ribeiro de Freitas, de 18 anos e submeteram-no a uma prolongada seção de espancamento e tortura, incluindo o método de sufocamento em que um saco plástico é amarrado à cabeça da vítima, que ficou conhecido por meio do filme Tropa de Elite. Ao serem notados por uma vizinha, os PMs fugiram e, em seguida, Lucas foi levado às pressas ao hospital por familiares e uma militante da Rede de Movimentos Contra a Violência.

E não para por aí. No dia 25, domingo, na favela Kelson's, na Penha, a dona de casa Ana Cristina Costa do Nascimento, de 24 anos, foi baleada nas costas e morreu. Ela levava em seus braços a filha, Caienny Nascimento de Aragão, de 11 meses, que foi ferida no braço e continua internada em estado grave. Moradores acusam policiais, que faziam uma ronda próximo ao local, de atirarem contra a mulher.

— O poste estava claro, tinha luz, dava pra eles verem que tinha uma família seguindo pra ir embora para sua casa e eles entraram atirando. A policia só socorreu porque eu gritei, porque se eu não grito... Mas também não adiantou de nada, porque ela já caiu no meu colo morta. Não tinha bandido na rua. Só criança e trabalhador. Hoje foi minha esposa, amanhã será outra. Até quando iremos viver assim? — perguntou o ajudante de almoxarifado Anilton Matos Aragão, de 24 anos, viúvo de Ana Cristina. Ele acompanhava a esposa, e dois, dos três filhos do casal, no momento do crime.

Antes do enterro da jovem, no cemitério de Irajá, familiares e moradores da Kelson's realizaram protesto na entrada da favela, pedindo punição para os PMs que a assassinaram. A repressão não tardou a aparecer atacando a massa — na sua maioria mulheres e crianças — com agressões e jatos de spray de pimenta.

— A culpa é desses governantes incompetentes. Na hora de falar na televisão, falam bem. Comem bem, todos fortes e gordos. Passam a vida viajando. E o povo? Eu, por exemplo, perdi minha esposa e quase perdi minha família. Alguém vai fazer alguma coisa? protesta novamente Anilton.


A abominável PM de Cabral


O povo pobre do Rio de Janeiro já está habituado a presenciar cenas de desmedida violência e corrupção praticadas pela PM, principalmente nas favelas do subúrbio da cidade. Em poucos casos, a brutalidade dos agentes de repressão deste Estado permite flagrantes da obscuridade e da psicopatia de quem é treinado apenas para matar, roubar e oprimir as massas, como aconteceu na madrugada do dia 18 de outubro. Na ocasião, o coordenador de projetos sociais do grupo Afroreggae, Evandro João da Silva, de 42 anos, caminhava pelas ruas do Centro da cidade, quando foi abordado por ladrões, que o balearam, roubaram sua jaqueta, seus sapatos e fugiram.

Dois dias depois, o monopólio dos meios de comunicação exibiu repetidas vezes as imagens da câmera de segurança de um dos edifícios por onde os ladrões passaram. A filmagem mostrava os criminosos sendo interceptados por PMs, ainda ao lado do corpo de Evandro. Ao invés de prendê-los, os policiais se apoderaram dos pertences da vítima, liberaram os criminosos e foram embora, ignorando a agonia de uma pessoa ferida a poucos metros de distância.

Evandro morreu antes de chegar ao hospital e, três dias depois, o cabo Marco de Oliveira Salles e o capitão Denis Leonard Bizarro foram presos administrativamente por meras 72 horas.

Vale lembrar que no dia 6 de novembro, acontecerá o novo julgamento de 41 oficiais da PM acusados de envolvimento com a máfia do jogo do bicho, entre eles o atual chefe administrativo do Estado-maior, coronel Carlos Eduardo Millan Guimarães.

O primeiro julgamento aconteceu há 11 anos e apenas 21 dos 45 réus foram condenados, porém a sentença foi anulada. Outros dois acusados de terem seus nomes citados na lista de propinas encontrada na fortaleza do bicheiro Castor de Andrade, em Bangú, foram o ex-chefe de polícia civil e atual deputado estadual, Álvaro Lins e o coronel Gentil Pitta Lopes, irmão do também coronel, Gilson Pitta Lopes, ex-comandante geral da PM.

Fatos como esses, mostram o poder hierárquico que as mais inescrupulosas figuras da polícia, são capazes de atingir neste Estado em decomposição, que tem como únicas metas incorruptíveis, atirar para matar, roubar e oprimir ao máximo as massas trabalhadoras.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait