Editorial - Novos e grandes massacres se avizinham

A- A A+
Estava dando tudo certo para as classes dominantes: a cidade tinha sido escolhida como uma das sedes da Copa de 2014, casa da seleção brasileira de futebol nesta competição; foi ainda “eleita” a sede das olimpíadas de 2016 em meio a uma imensa contra-propaganda que excluía o povo. Só faltava uma coisa: um motivo que justificasse o desabamento da mais feroz repressão e extermínio aos bairros pobres e favelas do Rio de Janeiro, o incremento já planejado e “necessário” da política de limpeza social realizada por esse velho Estado semifeudal e semicolonial que só leva miséria, exploração e violência para as massas empobrecidas de todo o país.

E eis que traficantes abatem um helicóptero da polícia que, diga-se de passagem, estava vomitando fogo sobre o morro dos Macacos, em Vila Isabel, no dia 17 de outubro. Era a senha necessária para que fossem desatadas as famigeradas ações policiais que aterrorizam as populações dos morros e subúrbios do rio. Corpos em carrinhos de supermercado, deixados em carros, pelo menos 15 favelas atacadas e cercadas, pessoas alvejadas na rua, mais de 40 mortos e dezenas de feridos.

Liberadas, as bestas-feras estatais soltaram as línguas. Luiz Inácio: “É preciso limpar a sujeira que traficantes impõem ao Brasil” (20/10). Beltrame – secretário de segurança de Cabral: “O que eu queria mesmo é que entendêssemos a queda do helicóptero no último dia 17 como sendo nosso 11 de setembro” (19/10). Coronel Marcos Jardim – comandante do policiamento do Rio de Janeiro: “agora é botar a mão no fuzil e cair pra dentro” (21/10). Seguem-se acusações de parte a parte entre as esferas estadual e federal. O monopólio dos meios de comunicação “discute” a intervenção federal e a presença do exército nos morros...

Igualmente com rédeas soltas, o monopólio dos meios de comunicação vomitou todo o seu preconceito contra o povo, chamando todos mortos (exceto os policiais) de bandidos, clamando por mais rigor, mais polícia e mais sangue, contabilizando os mortos como se fossem pontos a favor do bem na luta contra o mal. Todos muito preocupados com a segurança durante os eventos esportivos e os lucros de seus verdadeiros patrões, os monopólios. Todo esse ambiente foi ampliado pelo monopólio internacional da imprensa, oportunamente tido como opinião pública internacional e também utilizado como mais um pretexto dos ataques contra o povo.

Enquanto isso, a polícia de Cabral e Beltrame mostrava pelas câmeras um dos aspectos de sua existência, roubando os ladrões que haviam ferido de morte o coordenador da ONG AfroReggae Evandro João da Silva, enquanto este agonizava sem socorro na calçada. Vale lembrar que a ONG AfroReggae foi criada após a chacina de Vigário Geral – quando policiais assassinaram 29 pessoas. Com a finalidade de “integrar jovens à sociedade”, firma convênios com a polícia de vários estados e se ramifica por bairros pobres, a tal ponto que a polícia está no AfroReggae assim como o AfroReggae está na polícia. Depois da tragédia envolvendo o próprio integrante do grupo, no entanto, seus dirigentes capitulam da maneira mais torpe, ao declarar continuar confiando na polícia, etc.

Sobre o 11 de setembro, guardadas as devidas proporções, devemos considerar algumas semelhanças, a começar pelo fato de que o 11 de setembro foi o pretexto para a guerra infinita movida pelo imperialismo contra os povos do mundo. O mesmo está sendo e será usado para o ataque à população pobre do Rio de Janeiro, até que, assim como nos países do Oriente, apareça uma resistência organizada, capaz de derrotar todas as forças estatais, tanto as oficiais, como exército e polícia, como as auxiliares, como o tráfico e os grupos paramilitares.

Vale lembrar que a ação combinada de Luiz Inácio, Cabral, e Eduardo Paes já era responsável por uma perseguição jamais vista, que vai da retirada de pessoas da rua e roubo de mercadorias de camelôs, passando pela construção de muros nas favelas e chegando à ocupação de bairros pobres pela Força Nacional de Segurança e a implantação do Pronasci (escola de delatores). A gerência estadual anunciou ainda em outubro, que pretende “pacificar” 43 favelas em um ano, aplicando o modelo denunciado por AND das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

É preciso denunciar veementemente os planos de extermínio que estão sendo postos em prática no Brasil e principalmente no Rio de Janeiro, os muros segregadores nas favelas, os muros blindados nas vias expressas, o choque de ordem que desabriga, rouba, encarcera e mata de fome e miséria milhares de trabalhadores. Tudo isso a pretexto da realização de um evento esportivo que nada mais é que a realização dos sonhos da grande burguesia nativa, que se refestelará no dinheiro público das obras e da corrupção decorrente delas.

Mas acima de tudo é preciso defender o direito das massas se defenderem desses engendros fascistas e genocidas. Cercado de inimigos, o povo tem que realizar sua auto-defesa com o que tem nas mãos, construir uma direção revolucionária autêntica e destruir o capitalismo burocrático que arranca o sangue das massas e entrega nossas riquezas ao imperialismo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait