Interpretando e cantando o Vale

A- A A+

Criado por um grupo de estudantes, em 1996, com o propósito de divulgar a cultura do Vale do Jequitinhonha através do teatro, o Ícaros do Vale fala do cotidiano do povo simples do lugar, utilizando-se do artesanato local para compor seus cenários e figurinos. Juntamente com o coral Araras Grandes, que nasceu a partir do grupo, o Ícaros tornou-se uma referência na região pela forma como trabalha a cultura popular.


Ícaros do Vale em dois momentos do espetáculo Maria Lira:
figurinos inspirados nas bonecas de D. Isabel, artesã do Vale do Jequitinhonha

— Desde que surgimos, ainda alunos do ensino médio, pesquisamos junto à comunidade os possíveis espetáculos, para que através dessa pesquisa fossem surgindo peças feitas sobre nós e para nós. Assim o grupo foi criando corpo, e já estamos no sétimo trabalho, sempre variando entre teatro de rua e palco — explica Luciano Silveira, diretor e ator do Ícaros.

— Estreamos com A filha que bateu na mãe sexta-feira da paixão e virou cachorra , um texto de cordel que falava da questão da religiosidade popular. Em 1998, montamos Olhos mansos , sobre a mortalidade infantil no Vale. Depois encenamos No caroço do Juá , falando de Minas Gerais, baseando-se nos causos de uma escritora da região — conta.

Para esse espetáculo o grupo convidou o compositor 'da terra' Josino Medina, que escreveu uma trilha sonora especial para a peça. Essa parceria consolidou o trabalho do grupo, que montou em seguida De mala e cuia .

— Apresentamos o espetáculo em 23 comunidades rurais por onde passa o rio Calhauzinho, falando de suas próprias vidas, fruto de uma pesquisa no local. Em 2003 remontamos Olhos mansos , desta vez usando a linguagem de Guimarães Rosa. O espetáculo que na primeira montagem era de rua, passou a ser de palco — diz Luciano, acrescentando que todos são gratuitos, e que todos os componentes do Ícaros e Araras têm outras profissões, incluindo ele, que é professor de História e teatro.

— Viajamos para 15 festivais de teatro no Brasil, e em todos ganhamos prêmios. Provavelmente ainda iremos remontá-lo outras vezes, porque cada vez que trabalhamos esse tema, novas informações aparecem, e uma nova forma de pensar essa situação da mortalidade infantil e a miséria no Jequitinhonha, como é divulgada — afirma.

Em 2006 o Ícaros desenvolveu uma oficina de iniciação teatral, destinada à rede estadual de ensino. Desta ficaram quinze adolescentes, que montaram História de pescador , baseado na obra de Dorival Caymi.

— Queríamos saber porque o Vale, uma região seca, tem tanto cântico que fala do mar. E descobrimos que é porque os canoeiros vieram da Bahia, trazendo as mercadorias todas através do rio, e também a sua cultura — explica.

Em 2006 o grupo falou sobre Maria Lira Marques, uma grande artesã do Jequitinhonha.

— Ela foi a primeira mulher a pesquisar a cultura daqui. 'Maria Lira...', contou a sua vida e através da sua história abordamos a situação das mulheres do Vale. Para dirigi-lo convidamos João das Neves — conta, acrescentando que com a peça representou Minas na III Mostra Latino Americana de Teatro de Grupo.

Como queriam continuar falando da situação da mulher,   em 2009, pela primeira vez o grupo montou um espetáculo de fora, porém, adaptado dentro da realidade do Jequitinhonha.

— Escolhemos A mais forte, do irlandês August Strindberg. A peça é o primeiro monólogo montado no Vale, um outro tipo de teatro, para que o povo conheça. Por ser bem mais barato, circulamos muito com ele. E já iniciamos, em dezembro passado, as pesquisas para o espetáculo deste ano — avisa.

Terra falará sobre reforma agrária, a luta pela terra por aqui e pelo país. Para isso estamos começando a visitar assentamentos e a recolher depoimentos. Normalmente os nossos espetáculos, principalmente de rua, tem participação do público, e neste pretendemos usar ainda mais esse recurso — acrescenta.

— Quanto à estrutura, trabalhamos sempre o artesanato do Vale como referência. Na 'Maria Lira', por exemplo, inspiramos todo o figurino nas bonecas de dona Isabel, de Santana do Araçuaí — continua.

O teatro cantado em coral

A partir do surgimento do Ícaros, no ano seguinte, nasceu o coral Araras Grandes.

— O Araras criou uma forma cênica musical de se apresentar. É uma mistura de música e teatro. Aos poucos foi formando seu repertório e atualmente tem tanta música que não dá nem para cantar tudo. Conta com 28 pessoas, a maioria populares, com idades variando de 12 a 60 anos, incluindo todos os componentes do Ícaros — diz Luciano, que também dirige o coral.

— Fomos pegando depoimentos de pessoas da região e montando shows temáticos a cada dois anos. Este ano, por exemplo, estamos trabalhando Na terra como no céu , falando sobre o costume que o pessoal daqui tem de esperar muito do governo, dessas bolsas auxílio, que acabam deixando as pessoas acomodadas — comenta.

— Tanto os espetáculos do Ícaros quanto o do Araras são críticos, procurando fazer as pessoas pensarem de forma transformadora. Acreditamos que através da cultura somos capazes conseguir isso, fazendo com que reflitam a situação em que vivem — acrescenta.

— A nossa região é muito rica culturalmente e também em minério e na agricultura, mas só falam da miséria que existe aqui, é o 'vale da miséria'. E cremos que as pessoas daqui precisam ajudar a mudar isso — continua.

O Araras Grandes conseguiu gravar, em 2007, um cd reunindo 15 músicas de domínio público, a maioria de trabalhadores em sua labuta: as lavadeiras na beira do rio, o boiadeiro, o canoeiro; também festejos populares. E em 2009, juntamente com Ícaros, criou em Araçuaí o 'Labirinto Cultural', a casa de artes e ofício, sua sede.

Atualmente, além de nos reunirmos no local, estamos recebendo outros artistas para shows , apresentações diversas. O espaço propõe a valorização dos artistas do Jequitinhonha, e faz com que as pessoas da cidade tenham acesso a essa cultura que cremos ser verdadeira e popular — conclui Luciano Silveira.

Contatos para shows: www.onhas.com.br/icaros, tel. (33) 9139-2645 / (33)3731-3553.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait