Sergival, sergipano, sertanejo

A- A A+

Natural de Nossa Senhora da Glória, a maior cidade do sertão sergipano, José Sergival viveu seu infância na roça, junto de vaqueiros, pela caatinga, e hoje se usa disso em seu trabalho de cantor e compositor interessado nas coisas da terra. Pesquisador, Sergival, juntamente com outros artistas locais, desenvolve um trabalho realizar composições baseadas nas batidas dos muitos grupos folclóricos de Sergipe.

— Digo que sou cantor e compositor de música tradicional nordestina, e mais especificamente da música sergipana. Nos meus shows forró, que é do nordeste todo; tenho a burrinha, que é uma manifestação típica da Bahia e de Pernambuco; e apresento danças e músicas que estão dentro dos grupos do folclore local — explica Sergival.

— A cultura sergipana é fundada sobre os pilares do folclore. O estado possui uma concentração de mais de setenta grupos autênticos, que surgiram do saber dos mestres e que passam de geração em geração. São tradições que estão arraigadas no saber e no fazer do povo. Do cotidiano do sertanejo, do camponês que sabe o dia certo para plantar o milho e ter boa colheita, e de todos os conhecimentos dos mais antigos — acrescenta.

— Entre outros grupos, temos o São Gonçalo, a taieira, o reisado, cacumbi e muitos outros, cada um com a sua história e o seu dia de sair — acrescenta.


Entrevistando Dominguinhos na rádio

Segundo Sergival muitos desses grupos têm sua origem em elementos trazidos pelos portugueses, que foram transformados pelos índios e negros de acordo com o que já conheciam e viam, havendo uma mistura de conhecimentos.

— Nesse caldeirão de misturas e miscigenação tivemos momentos difíceis aqui em Sergipe, hoje representados através dos grupos folclóricos. Temos, por exemplo, grupos de Lambe-sujo e Caboclinhos: os lambe-sujo são os negros que fugiam dos engenhos e os caboclinhos são os índios que iam capturá-los a mando do branco português, e isso é apresentado através de uma teatralidade, com enredo, começo, meio e fim — fala.

— O negro era escravo e o índio não, e por isso era feito um trabalho para que o índio subjugasse o negro, favorecendo com isso os senhores de engenho. Os índios eram catequizados pelos jesuítas e se tornavam uma espécie de 'força do poder'. E como 'soldados', 'guerreiros', iam capturar os negros, agindo sem entendimento, de acordo com o dominador, apesar de serem ambos os dominados — acrescenta.

— É claro que um ou outro índio, guerreiro de verdade, dava trabalho para o dominador, não aceitando o domínio, lutando até morrer. Inclusive várias tribos foram dizimadas por não aceitar o julgo português. — continua.

Segundo Sergival, a grande presença desses grupos folclóricos está no interior.

— Cerca de noventa e cinco por cento deles estão lá. Na capital temos o Terno do Zabumba, que é parecido com a Banda de Pífanos; as quadrilhas juninas; os reisados e outras poucas manifestações. Isso porque está se urbanizando cada vez mais e perdendo o contato com os grupos folclóricos — constata.

Shows e programa de rádio

Sergival se apresenta com um corpo de baile composto por doze dançarinos, que vão trocando o figurino e dançando, de acordo com o universo do grupo folclórico apresentado ou do gênero .

— Na verdade eles ficam em Aracaju, onde faço muitos shows. Os levo para outros estados somente quando é uma apresentação que me dê condição de bancar os cachês e estadias. Moro no Rio de Janeiro há quatro anos por conta do meu trabalho, paralelo a música. Ele, inclusive, serve para viabilizar minha carreira artística e me ajudar a manter os dançarinos comigo — explica Sergival, que atua como desenhista na Petrobras.

— Trabalhar com cultura popular é percorrer um caminho pedregoso, de retorno financeiro precário. Ela é um saber, um conhecimento, uma paixão. Nem tudo da cultura popular é transformado em produto para se vender. Mas quem começa não quer mais parar. Tanto é que eu e alguns companheiros estamos nos empenhando no sentido de criar uma música, um gênero sergipano, aproveitando para isso as células rítmicas dos grupos folclóricos que existem em Sergipe — explica alegremente.

— A música sergipana não tem um gênero definido, como acontece em outros estados. Temos os grupos folclóricos que nos caracterizam, e eles têm as suas batidas bem próprias. Então estamos aproveitando exatamente essas batidas, bem sergipanas, para criar a nossa música — acrescenta.

Além das pesquisas, dos shows e do trabalho paralelo para sobreviver, Sergival estreou recentemente um programa de rádio, dedicado ao forró.

— O Puxa o fole, deixando claro que não toco sanfona, até tentei, mas não consegui (risos), é apresentado ao vivo todos os domingos, das 11:00 as 13:00 h e reprisado de meia noite às 2:00 h da madrugada, pela Rádio Nacional, AM, Rio de Janeiro, e também exibido pela internet, no sitio: www.ebc.com.br — fala Sergival, que toca flauta, violão e percussão de forró.

— Além de forró, e também um pouco de baião, xote, arrasta-pés, tem entrevistas com artistas. Vez por outra também vou divulgando nossa cultura sergipana, inclusive o meu primeiro CD, As coisas do Caçuá, um disco de música nordestina, com participação de Dominguinhos, Alcymar Monteiro e músicos daqui do Rio — diz.

— Caçuá são aqueles dois cestinhos de cipó que os sertanejos carregam no burrinho. E dentro deles costumam carregar as coisas da roça, da feira, o tem a ver com o seu universo. Inclusive uso o burrinho e os caçuás nos meus shows para compor o cenário. E no meu caçuá tem forró, folclore sergipano, poesia matuta, aboiadores e muito mais de coisa boa — conta acrescentando que o disco foi produzido com o dinheiro de décimo terceiro, férias e ajuda de amigos.

Para contratar os shows de Sergival o endereço eletrônico é Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., o sítio é www.sergival.com.br e o telefone (21) 9949-9099.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait