Choque de ordem e PM proíbem comércio nas favelas

A- A A+

“Como o morador vai conseguir viver?”

O choque de ordem segue destruindo casas em bairros pobres, roubando e encarcerando trabalhadores e atacando moradores de rua no Rio de Janeiro. Todas as ações criminosas da Secretaria de Ordem Pública são acompanhadas de perto pela PM, principalmente nas regiões ocupadas pelas UPPs.

http://www.anovademocracia.com.br/67/05-d.jpg
Pavão-Pavãozinho: bar é fechado por agentes do "choque de ordem"

Nesses bairros pobres, o toque de recolher imposto pelas Unidades de Polícia Pacificadora agora está sendo incrementado pela perseguição aos comerciantes que mantém seus estabelecimentos abertos após as 22h. No Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, zona sul do Rio, o choque de ordem e a PM circularam pelo morro na madrugada do dia 11 de junho e obrigaram os comerciantes a fechar 14 tendinhas, como são conhecidos os bares e armazéns nas favelas. Além disso, outros 20 estabelecimentos foram notificados, causando revolta entre os comerciantes.

— Trabalho nesse local há 25 anos e nunca fui incomodado. Muito pelo contrário, essa tendinha abastece a casa de vários vizinhos meus. Muito do que a gente vende aqui tem o mesmo preço do supermercado. Eles dizem que o nosso negócio é ilegal porque não tem alvará, mas na favela é assim mesmo. Assim como nenhuma casa tem escritura, porque é tudo posse por usucapião, os bares também não têm alvará. Para tirar essa documentação é muito caro e a prefeitura dificulta em tudo a vida do comerciante. Se eles não respeitam quem trabalha, respeitem pelo menos a história da comunidade. Como o morador vai conseguir viver aqui pagando luz, gás e IPTU, ganhando um salário mínimo miserável e ainda não tendo o nosso comércio? — protesta o comerciante Jair da Silva Jardim, de 62 anos, morador do morro Pavão-Pavãozinho desde 1965.

— Agora favelado não pode ter vida noturna também, nem no fim de semana. Toque de recolher é coisa de ditadura. Eles não podem fazer isso. E ainda por cima, o comerciante vai ficar sem seu ganha-pão pra polícia poder prender todo mundo no morro dentro de casa à noite. Meu filho é serralheiro, um homem honesto, que tem família e trabalha até 10 horas por dia. Agora, ao invés de tomar sua cerveja, ele tem que ficar em casa, porque a PM esculacha qualquer um que andar pelo morro na madrugada — conclui.

No Vidigal, também na zona sul, no dia 24 de maio, uma ação do choque de ordem, com o apoio da Coordenadoria de Controle Urbano (CCU), da Polícia Militar, da 3ª gerência de conversação e da Guarda Municipal, derrubou dois quiosques e uma oficina mecânica para motos. Os dois quiosques funcionavam como bares e, como no Pavão-Pavãozinho, ficavam abertos após as 22h.

No morro dos Macacos, em Vila Isabel, um dos próximos bairros pobres cotados para receber a UPP na zona norte, o choque de ordem atacou na manhã do dia 27 de maio com mais de 150 homens. No total, 17 construções foram destruídas, entre bares e casas, e nem o famigerado aluguel social foi dado aos moradores, que tiveram que ir para os abrigos da prefeitura com uma mão na frente e outra atrás.

Operações do choque de ordem também foram deflagradas no morro da Babilônia e na Ladeira dos Tabajaras antes da chegada das UPPs, revelando a estratégia conjunta dos gerenciamentos de turno no Rio, para atacar o povo por todos os lados, tirando-lhe o trabalho, a casa e, principalmente, a dignidade.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait