Atentado contra taxista que denunciou polícia

A- A A+

Em abril de 2009, durante operação da PM no morro da Coroa, Zona Norte do Rio de Janeiro, o eletricista Josenildo Estanislau dos Santos, de 42 anos, foi julgado e executado por policiais juntamente com outras cinco pessoas.

http://www.anovademocracia.com.br/68/08-a.jpg
Um ano após denunciar assassinato do irmão,
o táxi de Josilmar é atingido por tiro de fuzil

— Moradores viram quando ele implorou para não morrer. Mandaram ele sentar e atiraram. Isso só porque ele estava descendo a rua e viu os policiais matando as outras pessoas — disse na ocasião o seu irmão, Josilmar Macário dos Santos, de 46 anos, que depois do crime, junto com outros familiares de Josenildo, começou uma incansável luta por justiça para os PMs que executaram barbaramente o seu irmão.

Pouco mais de um ano depois, no dia 7 de maio último, Josilmar dirigia seu taxi nas proximidades do morro da Coroa, quando o carro foi atingido por um tiro de fuzil. O taxista e sua família há tempos já vinham sendo ameaçados por policiais devido a luta que travavam na justiça contra os assassinos de Josenildo.

http://www.anovademocracia.com.br/68/08-b.jpg
Josinaldo foi morto durante operação da PM no morro da Coroa

Com a ajuda da Rede de Movimentos e Comunidades contra a Violência e de outras organizações democráticas, Josilmar foi incluído no Programa Nacional de Defesa dos Defensores de Direitos Humanos, o que mesmo assim, demorou mais de 20 dias para acontecer. No entanto, quase três meses após o atentado, a vulnerabilidade do taxista não foi alterada e, até agora, ele não recebeu nenhum tipo de proteção, tendo que evitar o trabalho por medo de um novo atentado.

Desde o início das ameaças, três dos nove irmãos de Josilmar se mudaram do morro. O taxista, que se manteve firme na luta por justiça para os PMs que assassinaram seu irmão, precisa tomar remédios para conseguir dormir.

http://www.anovademocracia.com.br/68/08-c.jpg
Familiares do trabalhador executado protestam às porta do 1º Batalhão da PM

— Assim quem vai estar preso serei eu, não os policiais que cometeram o crime. É uma inversão de valores — protesta Josilmar.

No final do ano passado, AND denunciou as ameaças e intimidações de PMs do 9° batalhão contra militantes de movimentos populares que vivem na favela de Acari, subúrbio do Rio de Janeiro. Na ocasião, a casa de José Luís Faria da Silva, pai de Maicon (morto por policiais aos dois anos, em 1996) foi invadida e revirada por PMs. Até hoje, José Luís e outro militante, Vanderlei da Cunha (Deley de Acari) seguem sofrendo ameaças de policiais por tentarem proteger os moradores do sadismo da polícia assassina de Sérgio Cabral.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait