É tempo de lutar

A- A A+

Por todo o país, servidores e professores das universidades federais, das redes estaduais e operários em greve

Greve nas universidades federais

A greve dos servidores técnico-administrativos das universidades federais abriu caminho para novas batalhas. Contando com o apoio e adesão dos setores mais combativos do movimento estudantil, a luta dos servidores serviu de fermento para as greves de docentes que já eclodiram em algumas instituições e apontam para nova mobilização nacional.

Os servidores em greve na Universidade Federal do Paraná ocuparam, no dia 21 de julho, a reitoria da universidade em Curitiba. Em greve desde o dia 15 de junho, eles exigiram uma reunião com o reitor Zaki Akel Sobrinho para tratar de suas reivindicações de cargos e salários.

No dia 28 de julho, os servidores da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, decidiram, em assembleia, o retorno à greve que havia sido suspensa para negociações. Professores da UFJF também estão se mobilizando e podem deflagrar greve por tempo indeterminado por reajustes salariais e por melhores condições de trabalho.

Nesse mesmo dia os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Mato Grosso também decidiram retomar a greve. A UFMT possui cerca de dois mil servidores efetivos distribuídos nos campi de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Barra do Garças.

No dia 31 de julho os professores da Universidade Federal do Alagoas – UFAL fizeram uma greve de advertência. A categoria debate sua adesão à greve nacional. No dia seguinte, primeiro dia de aulas do segundo semestre, os servidores técnico-administrativos da UFAL bloquearam a entrada do campus, em protesto contra a decisão do governo federal de pedir que a justiça decretasse a ilegalidade da greve iniciada em 15 de junho. São três as reivindicações dos trabalhadores: protesto contra a privatização dos hospitais universitários; protesto contra o projeto de lei 549/2009, que congela o salário dos servidores por 10 anos; implementação da data base de reajuste salarial. No dia 8 de agosto, os servidores técnico-administrativos dos 11 campi do Instituto Federal de Alagoas também aderiram à greve nacional que teve início em julho deste ano.

Na data prevista para o início do segundo semestre letivo nas universidades federais, 136 campi localizados em 20 estados brasileiros estavam paralisados. Até o momento o gerenciamento federal se negou a atender as reivindicações dos trabalhadores.

No dia 16 de agosto, mais de 400 professores estiveram presentes na assembleia geral da Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná, que aprovou a deflagração da greve dos docentes na UFPR. Durante a assembleia foi composto o comando de greve.

Em 18 de agosto, servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul aderiram à greve nacional. O movimento deflagrado em 6 de junho já conta com a adesão de 47 universidades em todo o país.

A greve nacional dos docentes nas Instituições Federais de Ensino Superior foi aprovada no dia 13 de agosto por representantes de 27 seções sindicais do ANDES-SN, após avaliarem as diversas mobilizações e assembleias regionais. O indicativo de greve foi aprovado em 14 universidades e uma pauta emergencial de caráter nacional vai sendo construída nos diversos debates da categoria.

No dia 24 de agosto a greve dos servidores administrativos da Universidade Federal do Mato Grosso ganhou a adesão dos professores. No início de julho os docentes da UFMT já haviam feito um dia de paralisação em sinal de protesto.

A essa altura, já haviam paralisações de professores nas universidades federais de Tocantins, Paraná e em outras setes universidades. Em outras tantas haviam anúncios de assembleias para decidir sobre paralisações da categoria. Os professores denunciam que, em 12 anos, tiveram 152% de perdas salariais.


Greves dos professores das redes estaduais

http://www.anovademocracia.com.br/81/09mg.jpg
Professores da rede estadual de Minas Gerais aprovam continuidade da greve

No Rio de Janeiro, após 66 dias de greve, a direção do Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) decidiu suspender a greve. Apesar de a greve apresentar vigor em várias localidades, a direção do sindicato não correspondeu à confiança nela depositada pela categoria. Esse foi um dos mais importantes movimentos dos trabalhadores em educação no estado do Rio de Janeiro nos últimos anos. A adesão dos trabalhadores no interior do estado e na Baixada Fluminense foi bastante significativa e, em muitos momentos, foi ela quem sustentou o movimento estadual. 

Após a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro ter aprovado o Decreto nº 677/2011, que concedeu reajuste salarial de 5% (apenas 1,5% acima dos 3,5% proposto pelo gerenciamento estadual) a direção do Sepe-RJ apresentou a proposta de encerrar a greve.

Durante a assembleia geral realizada em 12 de agosto, a maioria dos profissionais não concordava com os termos da negociação apresentada pelo sindicato por não cobrirem às perdas salariais dos últimos anos. A proposta do governo é ínfima frente aos 26% exigidos inicialmente e não representam de fato uma conquista, tendo em vista os mais de dois meses de luta. Ainda assim, após uma série de intervenções da direção do sindicato, a greve foi suspensa.

Apenas uma semana após a suspensão da greve da rede estadual, no dia 18 de agosto, a assembleia geral dos professores do Colégio Pedro II, um dos mais importantes do Rio de Janeiro e com grande tradição de lutas, decidiu pela manutenção da greve no colégio que já durava três dias. Ao todo, mais de 1.500 funcionários do Colégio Pedro II aderiram à paralisação da rede federal de educação básica e tecnológica que começou no último dia 1º de agosto. A instituição mantém 13 unidades espalhadas no município do Rio de Janeiro, uma em Niterói, na região metropolitana, e outra em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Essa greve reúne também funcionários do Instituto Federal do Rio de Janeiro e do Instituto Nacional de Educação de Surdos.

Os professores e técnicos administrativos do Colégio Pedro II estão negociando, desde fevereiro, o reajuste salarial de 14,67% e a reestruturação das carreiras.

— O mais importante é que somos contrários ao corte de verbas imposto pelo governo federal. A presidente Dilma Rousseff cortou R$ 3 bilhões da educação no início do ano. Também exigimos concursos público já — declarou Selmo Nascimento, coordenador do Sindicato de Servidores do Colégio Pedro II ao Jornal do Brasil em sua edição de 18 de agosto de 2011.

http://www.anovademocracia.com.br/81/09quix.jpg
Professores de Quixeramobim recebem apoio de estudantes

No Ceará, a assembleia geral dos professores da rede estadual decidiu, na tarde de 2 de agosto, pela deflagração da greve geral na capital e no interior. Cinco mil professores participaram da assembleia e aprovaram unanimemente a deflagração do movimento que começou em 5 de agosto. A categoria reivindica R$ 1.597,87 de piso salarial para os professores com ensino médio. A greve no Ceará contou com forte adesão da categoria e o decisivo apoio dos setores mais combativos do movimento estudantil, que têm mobilizado centenas de estudantes para participarem das principais manifestações. Destaca-se o apoio estudantil em Quixeramobim. No dia 23 de agosto, centenas de estudantes realizaram uma passeata de apoio aos professores em greve. Os estudantes bloquearam a rodovia CE-060, no cruzamento com Avenida Doutor Joaquim Fernandes, interrompendo o trânsito.

Em Sergipe, a assembleia geral dos professores da rede estadual também decidiu pela deflagração da greve em todo o estado. No dia 5 de agosto ocorreram manifestações e passeatas de professores e estudantes nas principais ruas da Aracajú. A greve conta com significativa adesão da categoria. O comando de greve tem percorrido as escolas da capital e interior realizando debates e mobilizações buscando ampliar o movimento.

Em 16 de agosto, professores de escolas públicas de pelo menos 19 estados paralisaram as atividades em protesto pelo cumprimento da lei que estabelece piso salarial de R$ 1.187,00. Em 25 estados também houve paralisações da rede municipal erguendo bandeiras de cumprimento do piso salarial e por melhores condições de trabalho.

No dia 24 de agosto foi realizada mais uma assembleia dos trabalhadores em educação de Minas Gerais. A greve no estado, iniciada em 8 de junho, conta com massiva adesão da categoria e com o apoio de estudantes das escolas públicas, universitários e outros setores da sociedade.

Diante da intransigência do governo em negociar, os cerca de nove mil trabalhadores presentes na última assembleia decidiram manter a greve. No último período, o gerenciamento Anastasia (PSDB), além de cortar o ponto dos professores grevistas, tentou contratar cerca de três mil professores substitutos para tentar acabar com a greve. O governo de Minas paga hoje de vencimento básico, o valor de R$ 369,00 e afirma que não há recursos para pagar o salário justo e previsto em lei para os professores. Além disso, o governo sinalizou com uma proposta de aumento de 5%. Tais medidas geraram uma grande revolta na categoria que está decidida a lutar em defesa dos seus direitos e da educação pública. – afirmou Rômulo Radicchi, professor da rede estadual de Minas Gerais e militante do Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação – Moclate.

A reivindicação dos professores em greve é pelo imediato cumprimento do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN). A Lei do Piso foi sancionada em 2008 e determinou que nenhum professor da rede pública com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais pode ganhar menos que R$ 950. O valor do piso corrigido para 2011 é R$ 1.187.


Greves operárias

Nova greve em Suape — PE

http://www.anovademocracia.com.br/81/09suape.jpg
Suape: operários realizaram nova greve e arrancaram novas conquistas

As revoltas operárias que explodiram nos meses de março e abril desse ano em Ipojuca — PE, no complexo petroquímico de Suape, Jirau — RO, Santo Antônio — RO e Pecém – CE marcaram um novo momento da luta de classes no Brasil. Essas greves em cadeia influenciaram e animaram milhares de trabalhadores em todo o país. A brutal repressão desencadeada pelas forças policiais a mando do gerenciamento do velho Estado provocou ondas de revolta e também de solidariedade com os operários em luta. Novos movimentos surgiram a partir dessas batalhas.

No dia 2 de agosto, mais uma vez, os operários da refinaria Abreu e Lima e outras obras do pólo petroquímico de Suape, localizados em Pernambuco, entraram em greve, exigindo 15% de reajuste salarial, cesta básica de R$ 300, além do abono dos dias parados durante a greve ocorrida em março. Cerca de 40 mil operários paralisaram os trabalhos após uma assembleia geral que recusou a proposta patronal de 10% de reajuste, aumento na cesta básica de R$ 160 para R$ 180 e folga de campo de cinco dias úteis para cada 90 dias trabalhados.

A greve foi encerrada no dia 5 de agosto após as negociações que fecharam nos seguintes termos:

  • Reajuste salarial de 11%;
  • Aumento de 25% na cesta básica;
  • Aprovação de itens específicos como o abono de 50% dos dias parados na greve de março, além de abono de 100% nesta greve atual.

Três mil operários paralisam parte da Transnordestina

A greve dos operários de Suape chegou rapidamente ao sertão nordestino atingindo as obras da Transnordestina, uma ferrovia que ligará os portos de Pecém — CE e Suape — PE ao cerrado do Piauí, no município de Eliseu Martins.

Os três mil operários das obras fizeram greve por melhores salários e aumento na cesta básica, o pagamento pelos dias parados na greve de março e ampliação das folgas de campo, inclusive com pagamento de passagens aéreas para quem mora em outros estados.

A greve paralisou a fábrica de dormentes (vigas de concreto que sustentam os trilhos na ferrovia) localizada em Salgueiro e sob coordenação da Odebrecht, onde há atualmente cerca de dois mil operários. Além disso, também foram paralisados trechos das obras em José do Belmonte e Verdejantes, bem como o canteiro administrativo.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait