Levando a vida e tocando viola

A- A A+

Aluno e parceiro do saudoso violeiro Gedeão da viola, o mineiro João Pedro, radicado em Barretos, SP, aprendeu o jeito diferente de tocar Gideão, uma espécie de estilo próprio que desenvolveu e passou só para quem o procurou para aprender. Com quatro discos gravados, prêmios e viagens por todo o país, João Pedro atualmente faz dupla com Solito e permanece na luta em favor da música caipira autêntica.

http://www.anovademocracia.com.br/89/12a.jpg

— Nasci em Uberaba, MG, no ano de 1944, e fui criado na fazenda Queijada, no Chatão Mineiro. Meu pai trabalhava de meeiro, e eu ainda menino ficava vendo o pessoal lá da roça tocar. E um peão foi me ensinando algumas coisas. Aos 18 anos mudamos para Frutal, uma cidade ali mesmo na região. Acabei me envolvendo ainda mais com a viola por conta das folias de reis, a catira, que acontecem na localidade — conta João Pedro.

— Em 1965 vim para Barretos e só pensava em viola, mas a vida era dura e precisava trabalhar pesado em outras atividades para sobreviver. Mas fui levando a vida como dava e tocando a minha viola. Trabalhei em um armazém, virei caminhoneiro e depois peguei um trabalho de guiar máquina, trator, em obras. Mas não gostava de nada disso e acabei demitido desse último exatamente por causa da viola — continua. 

— É que tinha um homem aqui na cidade que recebia muitos violeiros em sua casa e fazia festas. Alguns se hospedavam lá por dias, e ficavam cantando e tocando a noite inteira. E era gente importante mesmo: Tião Carreiro, Cacique, Pajé e outros. Acabei conseguindo participar dessa festa também, e certa vez fiquei uma semana na casa. Quando cheguei no trabalho estava demitido. Tentei explicar que não podia deixar aqueles violeiros lá e sair, mas não me entenderam (risos)lembra.

Por conta desse episódio João Pedro resolveu trabalhar como vendedor autônomo, ganhando mais tempo para aproveitar os movimentos de viola.

— Passei a participar de muitos festivais e festas de viola em geral. Me apresentei várias vezes na festa de Alto Belo, do Téo Azevedo, a maior festa de folias de reis do Brasil. Ganhei por 6 vezes o festival Violeira Rose Abrão, daqui de Barretos, um dos mais antigos e importantes do país — comenta.

— Também já ganhei festivais em quase todas as cidades daqui da região, porque tem muito campo para a viola caipira nessa área. Porém, a famosa Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos há muito que se descaracterizou, deixou de lado a sua essência. Atualmente tem somente um ou dois por cento de caipira na festa — afirma.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Viola com estilo especial

— Minhas músicas falam da roça, da boiada, da vida do camponês, coisas que vivenciei. Já gravei minhas composições em discos e tive músicas minhas gravadas por outros artistas também. Sempre gostei de fazer parcerias, do trabalho de duplas, por achar que um ajuda o outro. E um desses meus parceiros foi o grande mestre violeiro Gedeão da Viola — fala.

— Antes mesmo dele se mudar para Barretos já fazíamos alguns trabalhos juntos, depois que veio começamos a parceria para valer mesmo, que durou cerca de 15 anos. Gravamos discos, ganhamos prêmios e viajamos bastante pelo Brasil inteiro — continua.

Quando viu Gedeão tocando pela primeira vez, João Pedro percebeu um jeito diferente de todos os violeiros que conhecia até então.

— Me aproximei e fui vendo que criou um estilo só dele mesmo. Além de tocar bem o dos outros, tocava mais um, que os outros não tocavam. Tanto que até hoje só os violeiros influenciados por ele, que foram seus alunos, é que tocam esse estilo. Era tão diferente e especial esse seu jeito, que gravou um disco de solo de viola que até hoje é o disco referência. Muitos outros gravaram também, mas o disco do Gedeão que é conhecido — expõe.

— Ele era simplesmente fantástico, inclusive uma música sua, chamada 'Pau-Brasil', foi tema de abertura do importante programa 'Viola Minha Viola' por muito tempo, e até hoje ainda é usada. Tive a felicidade de conhecê-lo e tê-lo como parceiro. E foi muito importante para a minha vida musical, e como amizade também — fala.

— Aprendi muito com ele. Eu já tocava viola quando o conheci, mas posso dizer que ele me lapidou para tocar como toco hoje. E muitos outros violeiros que tem por aí aprenderam com ele. O Gedeão da Viola está fazendo uma falta danada pra gente — declara, lembrando que Gedeão faleceu em 2005.

João Pedro gravou um CD cantado com Gedeão, que foi na época, 2001, considerado pela crítica como o melhor disco de música raiz.

— Um disco muito bom, só de viola, bem acústico. Quase todas as músicas são dos festivais que nós participamos. Mas tenho outros discos também com outros parceiros. O primeiro foi esse com o Gedeão, o segundo e o terceiro com o Iovano, e o quarto com o Solito, com quem estou fazendo dupla atualmente. Além disso, tenho diversas participações em coletâneas e festivais — diz.

— No momento, eu e o Solito estamos nos preparando para gravar mais um disco, que deve sair em breve, e nos apresentando bastante aqui pela região e todo o país. Posso dizer que não nos falta trabalho. É showzinho pra aqui e outro pra ali, e vamos lutando pela nossa música caipira — conclui João Pedro.

Para contatá-lo: (17) 3325-2464 / (17) 9763-0809.


Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait