Editorial - Hora do show: abaixo a farsa eleitoral e o cretinismo parlamentar

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A suja (em todos os sentidos) campanha eleitoral já está nas ruas. Mais uma vez, assistimos um interminável desfile de mentiras e declarados inimigos do povo capazes de fazer literalmente de tudo para se alçar a um cargo público, para então se refestelar nas mamatas milionárias.

A população, cada vez mais enojada com tudo o que envolve as periódicas farsas eleitorais, vê crescer também a certeza de que participar desse circo nunca fará as coisas mudarem em nosso país. A elevação dos números de abstenções, votos brancos e nulos, sufrágio após sufrágio, já é bastante para atestar isso. Nada há para as massas nos farsantes processos eleitorais.

E, no entanto, a farsa eleitoral segue sendo uma das principais armas para a dominação do imperialismo, da grande burguesia e do latifúndio. É nela que se concentra o argumento da manutenção do chamado "Estado democrático de direito" e o salvo conduto para a execução de todo tipo de políticas antipovo que venha a ser pensada pelos ideólogos das classes dominantes.

Papel particularmente nefasto é desempenhado pelo oportunismo, travestido de "esquerda", "dos trabalhadores", "do socialismo", etc., que há anos vem protagonizando a cena eleitoral e alimentando o cretinismo parlamentar das ilusões constitucionais.

Com isso se esforçam para fazer a população crer que todas as esperanças devem ser depositadas na legalidade burguesa e que qualquer ação fora dela deve ser punida. Aliás, nisso reside outra das muitas semelhanças desses oportunistas com os fascistas declarados.

Pois bem, usando essa lógica, não é de se estranhar toda a gritaria espalhada pelos gerenciamentos oportunistas da América Latina após a queda de Fernando Lugo de seu posto à testa do velho Estado paraguaio. Todos os oportunistas da mesma laia que gerenciam a Venezuela, Bolívia, Equador, Argentina e Brasil, imediatamente se levantaram em defesa de Lugo e com ridículo chororô denunciaram um "golpe de Estado da direita contra a esquerda" e outras sandices e velhacarias do gênero.

Ora, ao que parece, todo o processo, apesar de sumário, se encaixa na legalidade burguesa estatal daquele país, aceita e corroborada por Lugo e sua malta desde o momento em que participaram do farsante processo eleitoral, passando pelas sucessivas tentativas de deposição, até o massacre policial contra camponeses pobres que culminou com sua derrubada em junho. Até a maneira covarde como Lugo anunciou sua saída, logo após a votação no Congresso, deixou isso bem claro. Se caiu numa armadilha, a responsabilidade é inteiramente dele e dos que o cercam.

E aí a súcia de impulsionadores do capitalismo burocrático nas semicolônias, travestidos de "esquerda", volta a agitar a bandeira do "perigo de direita" para botar um freio na sua vertiginosa queda de popularidade provocada pela aplicação mais infame de todo o receituário que emana das agências do imperialismo, que arrojam as massas em mais miséria, opressão e violência estatal, tudo respondido pelas massas em protestos multitudinários, os confrontos com a polícia, as greves cada vez mais combativas, etc.

Se a direita deu um golpe em Lugo, por que então os que agora choram não se rebelam e iniciam a revolução no Paraguai? Será por que temem às massas mais que aos grandes burgueses e latifundiários?

Essa parece ser a sina do oportunismo em nossas terras também. Por temer a revolução acima de tudo, essa "esquerda" de fancaria, encastelada no velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro (e outras que pleiteiam seu lugar), ademais de assumir compromissos os mais escusos com o imperialismo, a grande burguesia e os latifundiários, ainda carregará para o túmulo um outro estigma: o do vil acordo para livrar a cara dos criminosos e torturadores do regime militar fascista.

Acordo esse que os iguala, a cúpula petista e os milicos, na concepção que tem das forças armadas como força de repressão ao povo, principalmente no Brasil, mas também ao povo paraguaio e, mais recentemente, no Haiti (o ataque a uma universidade em junho foi um dos mais vergonhosos atos cometidos por militares brasileiros). É bom lembrar que, à exceção do envio da Força Expedicionária Brasileira — FEB para combater a besta nazista — e assim mesmo por pressão popular — o inimigo invariável do exército brasileiro desde sua criação tem sido o povo.

Por fim, a denúncia de que soldados em treinamento corriam pelas ruas da Tijuca, no Rio, aos gritos de "Bate, espanca, quebra os ossos. Bate até morrer", "E a cabeça?", "Arranca a cabeça e joga no mar", "E quem faz isso?", "É o Esquadrão Caveira!". Nada resta a dizer, senão que na história do exército brasileiro apenas os combatentes da FEB merecem alguma glória. O resto está coberto de opróbrio.


Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait