Editorial - Os verdadeiros crimes de Genoíno e Dirceu

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A primeira quinzena de outubro ficou marcada por dois acontecimentos políticos no Brasil. A realização das eleições e a condenação de José Dirceu e José Genoíno, entre outros, pela acusação de corrupção ativa no julgamento do chamado "mensalão".

A imprensa dos monopólios se comportou como era esperado: tratando do resultado das eleições, tentou mistificar o massivo boicote popular ao pleito, dando todo tipo de explicações falsas para o fenômeno crescente de rejeição à farsa eleitoral.

Mas seguramente o que rendeu mais manchetes e páginas foi o julgamento do "mensalão", especificamente a parte que envolvia a condenação dos "chefes do esquema". Não bastasse isso, o monopólio da imprensa tratou ainda de lançar o ministro do STF Joaquim Barbosa como candidato a presidente com capa de Batman.

As respostas de Dirceu e Genoíno à condenação chamaram a atenção, porque revelam, além de um complexo de perseguição, a maneira como encaram sua história na luta contra o regime militar, a situação do Brasil hoje e seu podre papel na manutenção da ordem vigente.

Ambos se dirigiram cinematograficamente ao povo brasileiro, posando de mártires e clamando uma justiça que não encontrarão, porque seus crimes vão muito além do "mensalão", que aqui não vem ao caso, diante dos verdadeiros crimes cometidos por essa gente e demais cabecilhas do PT e demais siglas e frações de sua "base".

Genoíno, em "Carta Aberta ao Brasil", diz: "Sem provas para me condenar, basearam-se na circunstância de eu ter sido presidente do PT. Isso é o suficiente? É o suficiente para fazerem tabula rasa de todo uma vida dedicada, com grande sacrifício pessoal, à causa da democracia e a um projeto político que vem libertando o Brasil da desigualdade e da injustiça"

E ainda: "Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes. Não me envergonho de nada. Continuarei a lutar com todas as minhas forças por um Brasil melhor, mais justo e soberano, como sempre fiz.

Essa é a história dos apaixonados pelo Brasil que decidiram, em plena ditadura, fundar um partido que se propôs a mudar o país, vencendo o medo. E conseguiram. E, para desgosto de alguns, conseguirão. Sempre."

Já Dirceu, em carta "Ao povo brasileiro", diz: "Após a anistia, lutei, ao lado de tantos, pela conquista da democracia. Dediquei a minha vida ao PT e ao Brasil". E mais adiante: "Lutei pela democracia e fiz dela minha razão de viver".

Mas se há algo que eles não podem ficar é com a "consciência dos inocentes".

Os dois se gabam de terem lutado pela democracia, contra os militares, etc. e fazem o possível para apagar capítulos tenebrosos do passado. No caso de Genoíno, é verdade estabelecida que ele carrega nas costas o peso de, ao ser preso no início da Guerrilha do Araguaia, entregar seus camaradas, contribuindo para a tortura, assassinato e desaparecimento de dezenas de lutadores e também para a derrota da guerrilha. Isto ele mesmo já reconheceu em declarações à imprensa. A sua presença como assessor do ministério da defesa em si já é uma confissão, porque não seria aceito pelos milicos se fosse um revolucionário.

Já contra Dirceu pesam sérias suspeitas de que entregou todo o pessoal do MOLIPO que havia desembarcado no Brasil vindo de Cuba, onde fizeram seu treinamento, tendo-o como dirigente.

É verdade que eles de fato, durante um certo período de suas juventudes, lutaram contra o regime militar-fascista. Porém, quando a barra pesou, não tardaram a capitular e renegar as ideias revolucionárias, aderindo à democracia burguesa. Sem titubear, assumiram o caminho burocrático da grande burguesia, do latifúndio e do imperialismo.

Passaram a defender a ordem exploradora, a submissão ao imperialismo (que dizem não mais existir) e juraram fidelidade e compromisso com o chamado "Estado democrático de direito", coisa que o PT ajudou a construir como constituinte em 1988. Agora resta cumprir, ainda que esperneando, a decisão da "mais alta corte do país".

Claro que o establishment jamais perdoará quem um dia lutou contra ele, mesmo que já tenham se arrependido e mudado de lado. Também é certo que esses renegados e traidores e seus cúmplices oportunistas e revisionistas utilizam e utilizarão os mesmos meios, argumentos e expedientes para eliminar todo qualquer movimento revolucionário ou revolucionário individual que ouse desafiar a ordem constituída. Então, estão chorando por quê?

De resto, a corrupção e a luta contra ela são motes criados para desviar a atenção do povo dos verdadeiros e miseráveis crimes cometidos e aprofundados pela gerência PT-FMI e seus cúmplices Pecedobê/PDT et caterva. Crimes como a privatização de aeroportos, estradas, ferrovias, leilões do petróleo, facilidades e gentilezas para transnacionais e bancos, bilhões para as empreiteiras, sem falar na política de extermínio dos indígenas, massacre de pobres, matança de camponeses, leis antioperárias, etc.

É justamente isso que foi pavimentado durante décadas por esses que se arrogam "inocentes" e falam de "democracia" e é justamente isso que tem sido aplicado diuturnamente por eles desde a subida do PT e seus congêneres ao gerenciamento do velho Estado.


Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait