Cutucurim nas ruas de Angra

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/99/09b.jpg
O vaqueiro que não sabia mentir
foi o segundo espetáculo do grupo

Representante da essência do fazer teatral, com pesquisa cênica e compromisso com a comunidade, o grupo Cutucurim nasceu e vive em Angra dos Reis, região da Costa Verde do estado do Rio de Janeiro. Idealizador e responsável pelo importante festival de teatro de rua da localidade, que reuniu no mês passado mais de trinta coletivos de todo o país, o Cutucurim ajuda a manter vivo e fortalecer essa arte.

– Surgimos em 1987 já com o nome de Cutucurim, escolhido por significar 'Águia Real' em Tupi Guarani. Na ocasião, a ideia era que a águia poderia nos levar para vários voos, várias viagens, dentro do trabalho que nos propusemos a desenvolver. A intenção é fortalecer o teatro de rua daqui da região, com uma intensa pesquisa e construção de espetáculos, demonstrações, intervenções e oficinas – conta a atriz Márcia Brasil.

– Fazemos algumas apresentações em palcos, mas nossa raiz e nossa história é o teatro de rua. Com base nisso criamos, em 1990, o nosso encontro de teatro, reunindo grupos de outras localidades para trocarmos experiências e dar mais força ao movimento. Esse evento cresceu e na última edição reuniu coletivos do país inteiro, e até uma atração internacional, o 'DC Arte', de Bogotá, Colômbia – continua.

O XVI Encontro Nacional de Teatro de Rua de Angra dos Reis – ENTRAR aconteceu de 15 a 21 de outubro último, em Angra, encerrando na Vila do Abraão, na Ilha Grande.

http://www.anovademocracia.com.br/99/09c.jpg
Inspirado no auto de natal, o Auto do trabalhador conta a saga do povo brasileiro

– Temos o prazer de dizer que esse evento nasceu dentro do Cutucurim e foi mais um sucesso esse ano. Além desse, participamos de vários festivais nacionais e internacionais, mostras e eventos diversos, e ganhamos muitos prêmios. Ao longo desses anos muitas pessoas passaram pelo grupo, e atualmente somos seis componentes, sendo dois desde a fundação, que sou eu e o Mário dos Anjos – fala Márcia.

– Os outros são: Elaine Alves, João Vitor Novaes, Evelyn Ramos e Monique Eucário. Nosso trabalho é bem coletivo, os atores se dividem: um produz, o outro compõe, dividimos as oficinas, textos, adaptações, tudo. E costumamos convidar pessoas de fora para dirigir nossas peças, porque assim podemos conhecer outras linguagens – expõe.

– O que mais procuramos trabalhar e valorizar é a cultura popular, para que não seja esquecida ou morra. Isso é uma espécie de identidade do grupo. Assim, temos muita música, bastante folclore em nossos espetáculos. E depois das apresentações procuramos fazer um bate-papo com o público, buscando uma interação – continua.

Nessa caminhada, segundo Márcia, o Cutucurim já realizou vários espetáculos, a maioria de rua.

– Logo no início veio o Acorda Brasil que a TV está no ar, que ficou uns cinco anos em cartaz, ganhando prêmios. Depois veio outro bem marcante, O vaqueiro que não sabia mentir, que é um texto meu, com direção de Michele Cabral, uma atriz, produtora e doutora em teatro de rua lá do Maranhão – comenta.

Mostrando a realidade

– Tem também O patrão nosso, que fala sobre candidatos nas eleições do nosso país. É uma peça super engraçada, mas que passa uma mensagem para o povo, mostrando 'o candidato' disposto a tudo para conquistar votos. Ele vai às comunidades, visita todos os lugares, todo tipo de gente, exibe simpatia, tudo pelo seu interesse. Já O auto do trabalhador faz uma espécie de mistura do auto de natal com o Brasil, mostrando a vida de uma parte do povo brasileiro – relata Márcia.

– Contamos a história de José e Maria que saem do Nordeste em busca de uma vida melhor. Fogem da seca na esperança de ter seu filho aqui no sudeste, com promessas de emprego e tudo o mais. Mas quando chegam, logo o casal vê que não é nada disso. Maria vai enfrentar a fila do SUS, José vai se deparar com muitos problemas. Contudo, sempre com uma mensagem de esperança. Esse espetáculo tem muita música e foi muito premiado – conta.

O espetáculo mais recente do Cutucurim é O piolho e a caolha, a morte, e as 4 irmãs que não deveriam falar.

– Trabalhamos a linguagem do Câmara Cascudo nesse espetáculo. Agora estamos produzindo uma nova montagem, desta vez sobre Patativa do Assaré. A estreia está prevista para janeiro ou fevereiro. Estamos nesse processo de criação, que para nós é viável devido a um edital no qual fomos contemplados – fala Márcia.

– Paralelamente, estamos nos preparando para apresentar, agora em novembro, o O vaqueiro que não sabia mentir em três cidades, através do Circuito Estadual de Artes. Temos o nosso repertório e estamos sempre dispostos a apresentar qualquer peça nos lugares que nos convidam, em festivais, e todo tipo de evento. Estamos a todo vapor, com apresentações constantes – continua.

– Fazer teatro de rua aqui em Angra é bem interessante, bacana, porque apesar de ser conhecida como uma cidade turística, de veraneio, com muito movimento de pessoas, por incrível que pareça, é muito estável para a nossa arte. Digo que a cidade em si respira esse ar de teatro de rua, então qualquer manifestação que acontece na rua ou no teatro é bem recebida pelo povo daqui e, com certeza, pelos turistas também. As pessoas vão, prestigiam, participam – conclui.

Os sites www.grupocutucurim.blogspot.com e, www.encontrodeteatroderua.com são os contatos do grupo Cutucurim.


Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait