Afeganistão: Resistência aniquila 2 soldados ianques

A- A A+

Dois militares do USA foram aniquilados durante uma emboscada empreendida pela Resistência nacional a um comboio da OTAN, em 2/08. A ação ocorreu no distrito de Daman, província de Kandahar, no sul do Afeganistão.

Os combatentes utilizaram um veículo com explosivos para chocar-se ao comboio. Pelo menos dois veículos de guerra ianques foram completamente destruídos.

"Dois membros dos serviços do USA foram mortos em ação em Kandahar, no Afeganistão, quando seu comboio foi atacado", confessou o porta-voz do Pentágono e capitão da Marinha ianque, Jeff Davis, em comunicado.

A OTAN e as Forças Armadas afegãs não informaram o número total de baixas.

O porta-voz do grupo Talibã, Qari Yousuf Ahmadi, reivindicou a autoria da ação. 

A Resistência nacional destacou que o ataque ocorreu perto de uma base fortificada dos serviços de inteligência afegãos.

No final do mês de julho (31) a Resistência nacional realizara já outra importante ação armada. O alvo fora a embaixada do velho Estado iraquiano e aniquilara dois soldados do Exército afegão.

A ação teria sido uma resposta à guerra impulsionada pelo Exército iraquiano contra as massas em Mosul, sob a direção absoluta do Pentágono, a serviço dos interesses do invasor ianque.

ianques SE AFUNDAm EM DERROTAS

A estratégia ianque de passar a responsabilidade das operações em terreno às tropas afegãs para "domestificar" e mascarar sua guerra de agressão afunda no fracasso a cada ação das massas que conformam a Resistência nacional. 

Para sustentar sua ocupação imperialista no país, especialistas ianques apontam que o USA terá que incorporar soldados próprios. Os próprios apontam que a Resistência nacional está vencendo a guerra.

"Oito anos de uma estratégia nos custou riquezas no Afeganistão. Nossas tropas merecem mais", declarou o arquirreacionário John McCain, presidente republicano do Comitê das Forças Armadas no Senado ianque. No mês passado, John McCain declara: “Nós não temos estratégia e estamos perdendo”.

O arquirreacionário Donald Trump recebeu em maio o pedido do general ianque John Nocholso para incorporar 4 mil ou mais soldados a ocupação no Afeganistão. Atualmente há 13,5 mil soldados ianques e da OTAN na ocupação do Afeganistão.

O general ianque afirmou em junho que a guerra contra a Resistência nacional está “em paralisação”, e que para “mudar a maré da guerra” é necessário incrementar a agressão com milhares de soldados e novas tropas no Afeganistão.

“O principal problema que enfrentamos é que, da forma como as coisas estão, a guerra não é vencível”, declarou Jack Keane, um general retirado do exército.

O Talibã já controla metade do território do Afeganistão e cerca outras doze capitais provinciais.

Principais vitórias da resistência*

Janeiro/2017 - No dia 10, ataque destrói prédio do "parlamento" afegão. O objetivo era aniquilar agentes da Diretoria Nacional de Segurança (serviço de inteligência e repressão dirigida pelos ianques), em Cabul.

No mesmo dia, em Candaar, 12 reacionários aniquilados por ataque a bomba na residência oficial do "governador". Diplomatas e o "vice-governador" de Candaar entre os mortos.

Março - No dia 8, operação cirúrgica em hospital militar arrasa 50 soldados a serviço da ocupação ianque, em Cabul. O hospital fica em frente à embaixada do USA.

Abril - No dia 20, assalto e infiltração em base militar aniquila 140 e fere 60 soldados do Exército afegão, na província de Balkh. A épica ação realizou-se apenas com 11 combatentes da Resistência nacional. Foi a maior baixa militar em um único ataque desde o início da ocupação, em 2001.

Dez dias depois, uma operação do USA no leste do Afeganistão termina com dois militares ianques aniquilados e um ferido.

Maio - No dia 3, ação com carro-bomba embosca comboio e fere 3 soldados ianques em Cabul.

No dia 21, Resistência nacional lança dezenas de ataques surpresas contra postos policiais no sul do país. Ao menos 25 soldados do Exército afegão aniquilados.
O gerente da província de Zabol admite que "a situação é crítica" e que a polícia local não recebe munição.

Um dia depois, assalto realizado em acampamento militar de Shawali Kowt aniquila 10 e fere 9 militares afegãos, na província de Kandahar.

No dia 31, caminhão-bomba explodiu entre as embaixadas do USA, Turquia, Alemanha e palácio presidencial, em Cabul. Onze empreiteiros ianques ficaram feridos.

Junho - No dia 11, ataque a tiro de um combatente infiltrado aniquilou 3 soldados ianques e feriu um, na província de Nangarhar.

Dois dias depois, o chefe do Pentágono, Jim Mattis, afirmou que o USA "não está vencendo" a guerra de agressão contra a nação afegã.

No dia 17, ao menos 7 soldados ianques são feridos em ataque à base militar de Shahin. O Talibã saudou em comunicado "o soldado patriota que realizou o ataque".

Um dia depois, ataque a posto policial que comanda operações de quatro províncias aniquila 5 e fere 9 policiais em Gardaz, província de Paktia.

No dia 22, o Talibã reivindicou ataque com carro-bomba e afirmou ter aniquilado 73 militares e policiais em Lashkar Gah, província de Helmand.

 

Combatentes da Resistência nacional afegã. Foto ilustrativa.

 


* Todos os fatos foram noticiados nas edições nº 183 a 191 de AND

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait