MS: Povos indígenas bloqueiam rodovias contra "Marco Temporal" do latifúndio

A- A A+

Nota da Redação: Seguem notícias sobre as manifestações indígenas ocorridas nos últimos dias no Mato Grosso do Sul e a nota do Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas de Dourados (CSPID) contra o 'Marco Temporal' do latifúndio.


 

As manhãs de 15 e 16/08, em Mato Grosso do Sul (MS), foram marcadas por mobilizações indígenas reivindicando o reconhecimento e demarcação de suas terras e de remanescentes de quilombolas.

Nas manifestações os povos originários rechaçaram o criminoso "Marco Temporal", mais um ataque do velho Estado em conluio com o latifúndio, que quer restringir a demarcação das terras indígenas somente aos caso em que essas populações tivessem ocupado-as em outubro de 1988, data em que foi promulgada a Constituição Federal.

Esse "Marco Temporal" defendido pelos lacaios do latifúndio e do imperialismo visa atender cada vez mais os interesses do latifúndio e do agronegócio, que dia após dia vem ampliando a concentração de terras e riquezas em suas mãos, deixando milhares de indígenas carentes de um lugar para trabalhar, viver e conservar a sua cultura.

Mais informações serão publicadas em nossa próxima edição impressa.

 

Taunay ergueram barricada e bloqueiam a BR- 262 por durante cinco horas em defesa de suas terras


NOTA DO CSPID SOBRE AS MOBILIZAÇÕES NO MATO GROSSO DO SUL ACERCA DO MARCO TEMPORAL

Hoje, dia 15 de Agosto, uma série de rodovias foram paralisadas no Mato Grosso do Sul em protesto contra o Marco Temporal, o qual define que os indígenas que não estivessem comprovadamente ocupando suas terras no dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da constituição, não tem direito à terra. Na prática, inviabiliza demarcações e, para além disso, torna possível rever terras já demarcadas.

A tese está em vias de consolidação através da votação de Ações Civis Originárias (ACOs), a ser realizada amanhã (dia 16) em Brasília. A ACO trata de conflitos de interesses entre Estado e território, ou seja: entre os interesses do latifúndio e da burguesia e povos indígenas, quilombolas e camponeses. Através de ações integradas, os Guarani Kaiowá, Nhandeva, e Terena da Terra Indígena Taunay Ipegue, se alinham ao anúncio de um novo tempo de resistência, que agrega os povos indígenas de todo o país contra uma tese ruralista que põe em risco o futuro das demarcações de terras indígenas e quilombolas.  

Os bloqueios ocorreram próximos aos municípios de Miranda, Japorã e Antonio João, cortando rodovias fundamentais para o escoamento da produção ensanguentada da monocultura. Além dos bloqueios, grupos de retomadas reuniram-se com suas bases e lideranças para elaborar planos de luta e debater o Marco Temporal, alimentando a esperança no espaço comum propiciado, entre outros, pelos Tekoha de Nhandeva, em Caarapó, e Sucuri’y e Yvy Katu, na fronteira com o Paraguai.

Em Brasília, as diversas delegações de indígenas provenientes de todos os cantos do Brasil se posicionam em frente ao Congresso Nacional com o intuito de barrar a aprovação do Marco Temporal.

No entanto, alertamos para a importância das mobilizações locais, articuladas na base, como um instrumento fundamental para a continuidade desta grande batalha. O Comitê de Solidariedade aos Povos indígenas de Dourados declara total apoio aos levantes dos povos da terra contra as apunhaladas do Estado burguês. Compreendemos que independentemente da aprovação do Marco Temporal, seguirão os massacres, despejos e as mais diversas formas de violência militar e paramilitar, articulada pelos de cima contra os indígenas sublevados. Mas sobretudo, temos convicção que a nova onda de ataques não irá ficar sem resposta. Se abre um período de guerra: as flechas já apontam para o alvo correto.


Que avancem novas retomadas para a destruição do latifúndio! 


Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas de Dourados

 

Manifestação bloqueia BR- 163 em Caarapó - Mato Grosso do Sul

Povos indígenas protestam na frente do prédio do Supremo Tribunal Federal em Brasília contra "Marco Temporal" e em defesa da demarcação de suas terras. Foto: Bianca Marinho

 

 

 

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait